segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O Caldeirão da Grande Nuvem, ou um estica-e-puxa cósmico

Os Enigmas do Universo pelo astrônomo Cássio Barbosa

Você consegue imaginar como seria uma maternidade só de bebês gigantes? Meio difícil, mas imagine agora que são estrelas-bebês-gigantes. Mais difícil? Então dê uma olhada nesta última imagem do Hubble. Voilà! Aqui está o maior berçário de estrelas de alta massa conhecido nas nossas vizinhanças.

A Via-Láctea forma um sistema com uma galáxia de Andrômeda que domina um aglomerado de galáxias próximas, chamado de Grupo Local. Essas duas galáxias são as maiores das redondezas e as que têm mais matéria desse sistema. Ao redor delas, dezenas orbitam e dezenas de outras galáxias satélites. Bem perto da nossa Via-Láctea duas galáxias existem irregulares que estão bem próximas: a Grande ea Pequena Nuvem de Magalhães.

Quem já as viu (é preciso um local bem escuro, no Hemisfério Sul) vê mesmo no céu duas manchas parecidas com nuvens. Essas galáxias estão sofrendo o puxão gravitacional da Via-Láctea e elas já algumas vezes um atravessaram. Tenho um colega que já sugeriu que as extinções em massa na Terra Poderiam estar Associadas a esses eventos, mas isso é outra história.

O fato é que esse puxa-repuxa que lembra bem um cabo de guerra deforma tanto as Nuvens de Magalhães quanto a Via-Láctea, mas como a massa das Nuvens é bem menor, como bem mais coitadas SOFREM. O gás contido nelas se comprime, esticado "é", esquenta e esfria por períodos de milhões e milhões de anos. Resultado? O maior berçário de estrelas de alta massa conhecido nas nossas vizinhaças!

A imagem do Hubble mostra o aglomerado de R136 Dentro do complexo de 30 Doradus. Cada um destes pontos azuis corresponde a uma estrela com dezenas de vezes a massa do Sol, algumas com mais de cem vezes! Cada uma delas EMITE um vento de partículas poderoso que vai limpando o meio em que nasceram, por isso esse formato de Buraco. No meio deste gás todo, mais estrelas estão se formando e depois de alguns milhões de anos depois Devem aparecer de limparem o meio em que estão.

O aglomerado tem por volta de alguns milhões de anos de vida e logo logo, esses pontos azuis vão começar a explodir. "Logo, logo" significa mais alguns milhões de anos, pois a vida dessas estrelas não chega a 5 milhões de anos às vezes. Imagina só essas estrelas explodindo como supernovas! Um belo show pirotécnico não céus do Sul.


Astrônomo Cássio Barbosa

15 de dezembro de 2009 às 16:18

Site G1

Nenhum comentário: