sábado, 6 de fevereiro de 2010

Ciclones e Anti-ciclones - Hemisfério Norte e Sul


Um ciclone (ou depressão ou centro de baixas pressões) é uma região em que o ar relativamente quente se eleva e favorece a formação de nuvens e precipitação.
Por isso, tempo nublado, chuva e vento forte estão normalmente associados a centros de baixas pressões. A instabilidade do ar produz um grande desenvolvimento vertical de nuvens cumuliformes associadas a cargas de água.

Explicando melhor:

Ciclone é um fenômeno atmosférico em que os ventos giram em sentido circular, tendo no centro uma área de baixa pressão. No hemisfério sul, o vento gira em sentido horário e no norte, no sentido anti-horário.

Os ventos de um ciclone podem chegar a 200 km/h e, geralmente, apresentam-se acompanhados de fortes chuvas (tempestades). Estas precipitações ocorrem, pois o ar quente se eleva, formando assim as nuvens.

Os ciclones formam-se, geralmente, em regiões de clima tropical e equatorial, em áreas do oceano com águas quentes.

Quando um ciclone nasce e se desenvolve no Oceano Atlântico ele é chamado de furacão. Quando o ciclone é formado sobre as águas do Oceano Pacífico, então é chamado de tufão.



Ciclones e Anti-ciclones (Hemisfério Norte)

Ciclones e anti-ciclones são indicados nos mapas meteorológicos pela letra «B» e são locais onde a pressão atmosférica é a mais baixa na sua vizinhança e em volta do qual existe um padrão organizado de circulação de ar.

À medida que, pela acção do diferencial de pressões, o ar flui dos centros de altas pressões para um centro de baixas pressões é deflectido pela força de Coriolis[1] de tal modo que os ventos circulam em espiral, isto é, no sentido anti-horário (direcção contraria aos ponteiros de um relógio) no Hemisfério Norte e no sentido horário (direcção dos ponteiros de um relógio) no Hemisfério Sul.

Na meteorologia, os movimentos de ar resultantes de um centro de altas pressões são denominados anti-ciclones. O sentido de giro de um ciclone e de um anti-ciclone é o contrário para um mesmo hemisfério, sendo este determinado pela aceleração de Coriolis.

Como exemplo de ciclones podemos citar os sistemas frontais, os tornados e os furacões. Como, na Índia e na Austrália, os furacões são chamados ciclones (e, na Ásia, tufões), a mídia confunde constantemente o termo ciclone com furacão.

A meteorologia diferencia o ciclone extratropical do furacão. Um furacão tem núcleo quente e se forma sobre águas quentes, em geral acima de 26 graus celsius.

Um ciclone extratropical em geral é um fenômeno de latitudes médias e altas que se propaga até latitudes tropicais, associado comumente a frentes frias e ondas baroclínicas em altos níveis da troposfera;


Sistema frontal ciclónico (Hemisfério Norte)

Os ciclones são fáceis de reconhecer num mapa de observações à superfície pelos ventos que tendem a fluir para ele com uma rotação «em espiral» e nas imagens de satélite pela configuração em forma de vírgula de bandas de nuvens.

No Hemisfério norte, um ciclone em desenvolvimento é tipicamente acompanhado (a leste do centro de baixas pressões) por uma frente quente atrás da qual ventos de sul transportam para norte o ar quente e húmido de uma massa de ar quente, contribuindo para a desenvolvimento de precipitação.

Atrás do centro de baixas pressões (a Oeste dele), ventos de norte transportam ar mais frio e seco para o sul, com uma frente fria marcando o bordo da frente dessa massa de ar mais fria e seca. No Hemisfério sul, como o sentido ciclónico se inverte, observa-se tipicamente a situação simétrica desta.

Os ciclones são movimentações realizadas quando o ar quente presente no solo terrestre se eleva de maneira a formar precipitações e fortes ventos. De acordo com a força gerada pelo ar, um ciclone é classificado em:

Categoria 1: se obtiver baixa intensidade (força de até 130 km);
Categoria 2: se obtiver intensidade moderada (força de até 176 km);
Categoria 3: se obtiver forte intensidade (força de até 208 km);
Categoria 4: se obtiver extrema intensidade (força de até 248 km);
Categoria 5: se obtiver intensidade catastrófica (força a partir de 249 km).

De acordo com o hemisfério em que ocorrem, os ciclones determinam a forma com que o ar é expelido. No Hemisfério Norte os ciclones expelem seus ventos no sentido anti-horário sendo que no Hemisfério Sul os mesmos expelem seus ventos no sentido horário. Tais formações ocorrem devido à movimentação do planeta que inclina os ventos de forma oposta.

Em grande escala são confundidos com o furacão, os ciclones se diferem destes já que os furacões possuem núcleos quentes formados por águas quentes de temperatura acima de 26 ºC. Os ciclones são rapidamente identificados em mapas de observações, pois tem a característica marcante de se movimentar em forma espiral, mais especificamente como vírgulas.

Atualmente, os ciclones bem como os demais fenômenos climáticos ocorrem em um menor período de tempo, já que as mudanças climáticas estão alterando todo o planeta.


Wikipédia

www.brasilescola.com/geografia/




Um comentário:

Anônimo disse...

mtoo bom o textoo me ajudou bastante!!!!obrigado!