segunda-feira, 29 de março de 2010

Ilha no Oceano Índico some com aumento do nível do mar


Fotos recentes de satélite indicam que uma ilha disputada pela Índia e por Bangladesh no Oceano Índico desapareceu sob as águas.

O território, no Golfo de Bengala, era conhecido como Ilha New Moore pelos indianos e chamado de Talpatti do Sul pelos bengaleses e ficava ao sul do Rio Hariabhanga.

De acordo com cientistas da Escola de Estudos Oceanográficos da Universidade Jadavpur, de Calcutá, Índia, a causa do sumiço da ilha foi o aumento do nível do oceano - um dos efeitos do aquecimento global.

O local, com uma área de cerca de 10 km², nunca foi habitado de forma permanente e nunca ficou mais do que dois metros acima do nível do mar.

Sundarbans

Segundo o correspondente da BBC em Nova Déli Chris Morris, no passado a ilha foi visitada por cargueiros indianos, e a Força de Segurança da Fronteira enviou um contingente de forma temporária à ilha, devido à disputa territorial com Bangladesh.

De acordo com o professor Sugata Hazra, da Universidade de Jadavpur, quem quiser visitar a ilha agora precisará de um submarino.
O professor afirmou que seus estudos revelaram que os níveis do mar nesta região do Golfo de Bengala subiram muito mais rápido na última década do que nos 15 anos anteriores.

E, segundo o correspondente da BBC, o professor prevê que na próxima década outras ilhas da região da Sundarbans - a maior floresta de manguezal do mundo, na costa entre Índia e Bangladesh - também vão desaparecer debaixo d'água. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.


domingo, 28 de março de 2010

Conheça o Rio Xingu, onde será instalada a segunda maior hidrelétrica do país


G1 navegou no rio e mostra a natureza que cerca a região.
Rio tem 1,8 mil km de extensão.

Rio Xingu, no Pará, vai abrigar hidrelétrica de Belo Monte, prevista para ser a segunda maior do país em capacidade (Foto: Mariana Oliveira / G1)


O Rio Xingu abrigará a segunda maior usina hidrelétrica em capacidade de geração de energia do país, a de Belo Monte, no Pará. O leilão para definir quem fará a obra será no próximo dia 20. A reportagem navegou no Xingu e mostra a natureza que cerca o local.

O G1 está em Altamira e publica nesta semana uma série de reportagens sobre a região que receberá a hidrelétrica.

O Xingu nasce no Mato Grosso, corta o Pará e deságua no Rio Amazonas. Tem 1,8 mil quilômetros de extensão, segundo o Fórum Regional de Desenvolvimento Econômico e Sócio Ambiental da Transamazônica e Xingu.

O G1 também visitou o local onde está prevista a construção da casa de força principal da hidrelétrica de Belo Monte. Lá, ainda não há placa ou aviso nem algo que caracterize a obra. Somente aparelhos de medição de água mostram que foram realizados estudos no local.

O piloto de voadeira (tipo de lancha rápida) João Vicente dos Santos Silva, o Joãozinho, contou que o nível de água do Xingu está mais baixo que o de costume - ele trabalha no rio há 20 anos. Segundo ele, isso aconteceu porque o nível de chuvas foi menor neste início de ano.

Navegando pelo Xingu é possível ver só o topo de árvores que, segundo Silva, em época de seca ficam totalmente para fora da água. "Formam-se ilhas, praias, que atraem muitos turistas no verão", afirma.

Parte da vida

Silva diz que já viveu muita coisa no Rio Xingu. "Eu navego aqui praticamente todos os dias. No fim de semana, pesco com meu filho mais novo. Já vivi muita coisa aqui."

Uma das aventuras foi quando quase naufragou após bater em uma pedra na região da Volta Grande do Xingu. "Estava com um grupo de empresários que vieram pescar e bati numa pedra. Aquele dia quase a gente virou. Foi por pouco", lembra.

Mariana Oliveira Do G1


Vulcões submarinos são essenciais para o clima, dizem cientistas


Eles fornecem ferro, que alimenta o fitoplâncton.
Essas microalgas absorvem gás carbônico nos oceanos.

Uma ampla rede de vulcões submarinos bombeando água rica em nutrientes para o oceano Meridional exerce um importante papel na absorção de grandes quantidades de dióxido de carbono, funcionando assim como um freio para a mudança climática, segundo cientistas australianos e franceses.

Eles demonstraram pela primeira vez que os vulcões são uma importante origem do ferro que o fitoplâncton (plantas unicelulares) usa como alimento, absorvendo o CO2 nesse processo.

Vulcões submarinos estão espalhados ao longo de cordilheiras oceânicas que marcam a divisa entre grandes placas tectônicas. (Foto: NOAA/Divulgação)
Os oceanos absorvem cerca de um quarto do CO2 resultante da queima humana de combustíveis fósseis e do desmatamento. O trecho de oceano entre Austrália e Antártida esta entre as maiores "fossas de carbono".


O fitoplâncton é a base da cadeia alimentar do oceano. Quando esses organismos morrem ou são comidos, levam consigo grandes quantidades de carbono, que acabam absorvidas pelo leito marinho, armazenando o carbono durante séculos.

Vários estudos já mostraram que os vulcões submarinos liberam ferro, "mas nenhum estudo levou em conta isso em um nível global nem considerou sua importância para o armazenamento de carbono no oceano Meridional", disse à Reuters Andrew Bowie, do Centro de Pesquisa Cooperativa sobre o Clima e os Ecossistemas Antárticos, na Tasmânia, um dos autores do estudo.

Os vulcões estão espalhados ao longo de cordilheiras marítimas que marcam o limite entre grandes placas tectônicas. O estudo se baseou em medições de quanto ferro existe no oceano Meridional a profundidades de até 4.000 metros.

O estudo foi publicado na edição mais recente da Nature Geoscience.

O oceano Meridional em geral é pobre em ferro, o que dificulta o crescimento do microplâncton. Os cientistas já sabiam que o ferro pode ser soprado pelo vento ou ser originário de sedimentos litorâneos, mas essas são fontes variáveis.

Já o ferro dos vulcões profundos, segundo o estudo, é relativamente constante e responde por 5 a 15 por cento do armazenamento de carbono no oceano Meridional, chegando em algumas regiões a 30 por cento.

Isso significa que os nutrientes do vulcão podem servir de anteparo quando outras fontes, como a poeira trazida pelo vento, variam.


Estudo questiona tese sobre a extinção dos dinossauros


A extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos não pode ser explicada somente pelo choque de um asteróide com a Terra, e sim como o resultado de um longo processo de transformações climáticas, de acordo com resultados de uma pesquisa revelados por um paleontólogo alemão.

O asteróide foi apenas ``o último elemento catastrófico`` registrado em ``pelo menos 500.000 anos de fortes flutuações do clima`` que enfraqueceram o ecossistema, declarou Michael Prauss, da Universidade de Berlim.

No início de março, a revista Science apresentou trabalhos de um grupo de cientistas que atribuía o desaparecimento dos dinossauros a um gigantesco asteróide que caiu na atual região mexicana de Yucatán.

``Ao contrário da Science, que apenas reuniu elementos já conhecidos, meu trabalho se baseia em novos dados que permitem reconsiderar tudo a partir de um novo ponto de vista``, disse Prauss.

O paleontólogo alemão trabalha desde 2005 em um projeto da Agência Alemã de Pesquisas Científicas (DFG). Essa equipe analisou rochas e amostras retiradas de uma perfuração de 25 metros de profundidade no Texas (EUA), mil quilômetros a noroeste da cratera do asteróide.

Os trabalhos permitiram provar a existência, muito antes do choque do asteróide, de grandes transformações climáticas, ``provocadas provavelmente por atividades vulcânicas`` ocorridas durante vários milhões de anos na atual Índia, indica um comunicado da Universidade Livre de Berlim.

Segundo Prauss, ``o estresse climático de longa duração produzido por elas, com o qual evidentemente o choque do meteorito contribuiu no final das contas, explica a crise da biosfera e a extinção maciça``.

O Povo Online


27 Mar 2010 - 20h39min



Bênção, missas e procissões no Domingo de Ramos


Os cristãos católicos relembram, neste domingo, a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém. É o Domingo de Ramos que dá início às celebrações da Semana Santa.

Acenando com ramos, a multidão o aclamava ``Rei dos judeus``, ``Hosana ao filho de Davi``. Foi saudando o ``Messias, o libertador``, que o povo recebeu Cristo em Jerusalém, esperançoso de libertação política e econômica imposta pelo governantes romanos. Essa passagem das Sagradas Escrituras é lembrada neste domingo, 28, celebrado pelos cristãos católicos como Domingo de Ramos.

É a abertura oficial dos ritos litúrgicos da Semana Santa. As paróquias da Arquidiocese de Fortaleza vão lembrar a data com procissões e missas pela manhã e à tarde. O arcebispo da Capital, dom José Antônio Aparecido Tosi Marques, vai participar da procissão que sairá às 8 horas da Igreja do Cristo Rei, na Aldeota, seguindo até a Catedral Metropolitana. Antes de iniciar a caminhada dos fiéis, dom José Antônio abençoará os ramos e, na Catedral, presidirá a concelebração eucarística com início previsto para as 9 horas.

``Neste Domingo, aclamamos Jesus como o Messias que vem realizar as promessas dos profetas e instaurar definitivamente o Reino do Deus da vida: justiça para os pobres e marginalizados; participação de todos nos bens e na construção da sociedade; convivência fraterna na partilha; paz entre as nações; diálogo aberto e sincero entre as culturas. Jesus é aclamado Rei e se entrega para a sua morte``, explica o padre Raimundo Nonato de Oliveira Neto.

Pároco da Igreja de São Vicente de Paulo, no bairro Dionísio Torres, ele lembra que no Domingo de Ramos, início da Semana Santa, proclamamos dois Evangelhos: o que se refere à festa dos judeus com a chegada de Cristo em Jerusalém e o que relata a Paixão de Jesus com o seu julgamento e condenação à morte na cruz.

O vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Regional Nordeste I, dom José Haring (bispo de Limoeiro do Norte), ressalta ainda os três momentos da celebração deste domingo: a bênção dos ramos, a procissão (lembrando a chegada de Cristo a Jerusalém) e a Paixão. É a preparação para o momento da Páscoa.

Secretária da Paróquia de Nossa Senhora das Dores, no bairro Otávio Bonfim, Lúcia Maciel diz que não perde as celebrações da Semana Santa, a partir do Domingo de Ramos. Muitos viajam, saem da cidade para se divertir e esquecem das celebrações. Para mim é muito importante participar de todos os momentos``, disse.


PROGRAMAÇÃO

-Catedral Metropolitana (Centro) - 9 horas - chegada da procissão de ramos e concelebração eucarística presidida pelo arcebispo dom José Antônio.

-Paróquia de Nossa Senhora das Dores (Otávio Bonfim) - 6h30min, 17 horas e 19 horas - missas.

-N.S. de Fátima - 7h, 9h, meio-dia, 17h e 19h - missas dos ramos.

-Paróquia de N.S. de Nazaré (Montese) - 16h - Procissão e bênção. Missas às 8h, 16h30min, 18h e 19h30min.

Paróquia de São Vicente de Paulo - 8 horas & Bênção, procissão e missa. Outras missas: 11h30min, 17h30min e 19h30min.



Cidades brasileiras apagam as luzes em evento mundial pelo clima



Cidades brasileiras apagam as luzes em evento mundial pelo clima

Ponte Estaiada, em SP, e Praia de Copacabana, no RJ, ficaram no escuro.
Mais de cem países participaram de protesto ao redor do planeta.

Dezenas cidades brasileiras apagaram luzes de locais simbólicos neste sábado (27) para se unir ao movimento mundial "Hora do Planeta", que alerta para as mudanças climáticas.

Em São Paulo, a Ponte Estaiada foi apagada. No Rio de Janeiro,a Praia de Copacabana, a Lagoa Rodrigo de Freitas e o Jóquei Clube, na Zona Sul do Rio, foram alguns dos pontos turísticos da cidade, que aderiram ao movimento.

A manifestação organizada pela rede de ONGs WWF convocou as pessoas, governos e empresas a apagarem as luzes durante uma hora, entre 20h30 e 21h30, deste sábado (27).

O objetivo era chamar atenção para as mudanças climáticas e o aquecimento global. O movimento começou em 2007, na Austrália. No ano passado, a evento contou com um bilhão de pessoas em todo o mundo. Este ano, 125 países participaram. Somente no Brasil, 72 cidades foram mobilizadas.Os organizadores esperam a participação de um bilhão de pessoas em todo o mundo.

Do G1, no Rio



Vulcões ajudaram dinossauros a dominar a Terra, diz estudo


Um estudo de pesquisadores dos Estados Unidos e de Taiwan apontou que imensas atividades vulcânicas há cerca de 200 milhões de anos permitiram que os dinossauros se tornassem os seres dominantes na Terra.

Os dinossauros foram os vertebrados terrestres dominantes por mais de 135 milhões de anos.

Se por um lado é amplamente aceito que um asteroide teria causado sua extinção, não há consenso sobre os fatores que permitiram sua ascensão.

Segundo o estudo publicado na revista acadêmica americana Proceedings of the
National Academy of Sciences (PNAS), um período de 600 mil anos de constantes erupções vulcânicas alterou o clima, causando a extinção em massa dos principais competidores dos dinossauros e abrindo o caminho para a sua hegemonia.
Essa revolução climática ocorreu há 200 milhões de anos, no final do período Triássico.

Até então, grande parte dos continentes terrestres estava unida, formando o continente conhecido como Pangeia. Mas, quando a América do Norte e a África começaram a se separar, a Terra passou a enfrentar esse período de 600 mil anos de erupções vulcânicas.

Nessa fase de atividade dos vulcões, 50% dos animais de quatro patas, 50% das plantas terrestres e 20% das famílias marinhas foram extintas.

Mudança climática

Os cientistas relacionaram a ascensão dos dinossauros a esse período de extinção em massa na Terra com base em estudos de plantas e animais fossilizados que datam dessa era vulcânica.

A análise desse material indicou que os níveis de gases de efeito estufa no planeta aumentaram conforme as erupções dos vulcões cresciam, causando alterações climáticas extraordinárias. Ao mesmo tempo, os registros de pegadas de répteis como os dinossauros aumentavam.

"Nós estamos mostrando que esses eventos são sincronizados", disse a paleobiologista Jessica Whiteside ao repórter da BBC News Paul Rincon.
A líder da pesquisa explica que não está claro por que os dinossauros sobreviveram a essa fase de extinção, mas acredita que pode ter sido por sorte.

"(Os dinossauros) tiveram a sorte de estar involuntariamente adaptados para sobreviver a essa catástrofe climática", explicou Whiteside.
O que o estudo aponta é que as erupções em massa e as consequentes mudanças climáticas eliminaram muitos dos rivais dos dinossauros, incluindo os animais do grupo Crurotarsi.

Durante o período Triássico, esses animais, que seriam os antepassados dos crocodilos, disputavam com os dinossauros o domínio do ambiente terrestre.








Otan quer escudo antimísseis que proteja EUA e Rússia


O secretário-geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Anders Fogh Rasmussen, defendeu neste sábado a criação de um novo sistema de defesa antimísseis que proteja tanto os Estados Unidos como a Rússia.

"Precisamos de um sistema de defesa antimísseis que inclua não apenas todos os países da Otan mas a Rússia também. Um telhado de segurança que seja construído, apoiado e mantido por todos nós", disse ele em Bruxelas.
Ramussen disse que a ameaça da proliferação de mísseis é real, vem crescendo e citou

o caso do programa balístico e nuclear do Irã.
Mas o chefe da Otan (organização que compreende 26 países europeus, EUA e Canadá) disse que este sistema de defesa pode, mais do que apenas defender os países membros da organização, estreitar os laços entre a Europa e os EUA como também com os russos.

"Um telhado de segurança seria um forte símbolo de que a Rússia é parte integrante da família Europa-Atlântico, compartilhando os benefícios e os custos, não de fora, mas como integrante real", disse.
Correspondentes dizem que os EUA vêm tentando, sem sucesso, atrair a Rússia para se integrar aos seus planos de defesa antimísseis, mas Moscou temeria a diminuição de sua autonomia como país nuclear.

O correspondente da BBC em Bruxelas Jonathan Marcus disse que a Otan parece estar cada vez mais interessada em mecanismos de defesa como o citado por Ramussen e deve ir em frente com ou sem a Rússia.

Por BBC, BBC Brasil


27/3/2010 17:45

Danny Glover vê "destruição da 2a Guerra" no Haiti


PORTO PRÍNCIPE (Reuters)

O ator norte-americano Danny Glover comparou na sexta-feira a devastação causada pelo terremoto de janeiro no Haiti à destruição ocorrida na Segunda Guerra Mundial, mas afirmou que o mundo está "prestando atenção" e pronto para ajudar.

O astro de "Máquina Mortífera", ex-embaixador da boa vontade da ONU, fez as declarações durante visita ao Haiti, onde viu acampamentos com alguns dos centenas de milhares de desabrigados do país.

"Temos de entender a magnitude disto, realmente a magnitude disto", disse Glover à Reuters antes de se encontrar com outro astro de Hollywood, Sean Penn, que tem uma entidade beneficente operando em um dos maiores acampamentos de sobreviventes, no campo de golfe do bairro de Petionville.

"Isto é (...) (igual às) imagens que eu lembro de olhar, vendo os restos, o depois da Segunda Guerra Mundial", disse Glover, que foi se encontrar com Penn acompanhado da deputada democrata norte-americana Barbara Lee.

Antes, o ator havia visitado a cidade de Leogane, a sudoeste de Porto Príncipe, que fica ainda mais perto do epicentro do tremor do dia 12 de janeiro e por isso foi ainda mais devastada.

O governo diz que até 300 mil pessoas podem ter morrido na tragédia, considerada por alguns especialistas como o pior desastre natural do mundo em tempos modernos.
Citando uma frase usada por Dominique Strauss-Khan, diretor-geral do FMI, Glover disse que o Haiti precisaria de um "Plano Marshall" para se recuperar, numa alusão à enorme ajuda financeira dada pelos EUA à Europa depois da Segunda Guerra Mundial.

Para Glover, os países da América deveriam aproveitar o terremoto como uma oportunidade para ajudar o seu vizinho mais miserável. "Acho que o mundo ainda está prestando atenção", disse ele, lembrando que na quarta-feira que vem haverá em Nova York uma reunião de doadores internacionais para o Haiti.

sábado, 27 de março de 2010

Hora do Planeta - Um Mundo Melhor

Milhares de pessoas apagarão as luzes por um mundo melhor. Participe!



No dia 27 de março, das 20h30 às 21h30, milhares de casas em todo o mundo ficarão às escuras - voluntariamente - por 60 minutos. O movimento Hora do Planeta, promovido pelo WWF - Worldwide Fund for Nature -, ONG ambientalista de relevância mundial, convida governos, empresas e civis a protestarem contra os efeitos das mudanças climáticas na Terra. Para ajudar a campanha basta apagar as luzes da sua casa durante uma hora.

O Brasil participa pela segunda vez do ato simbólico e, este ano, a cidade do Rio de Janeiro foi eleita a sede do movimento. Entre outros locais, serão apagados o Cristo Redentor, Praia de Copacabana, Arpoador, Igreja da Penha, Jockey Club e Pão de Açúcar. "Nosso desafio é ser uma das cidades com maior adesão à Hora do Planeta em todo mundo", destacou Carlos Osório, Secretário Municipal de Conservação e Serviços Públicos. O Ministério do Meio Ambiente também apoiará a iniciativa do WWF.

"A Hora do Planeta é um gesto de engajamento, no qual cada um deve fazer a sua parte para um futuro melhor. Será uma demonstração da nossa paixão pelas pessoas, pela solução, pela conservação do planeta e, principalmente, pela vida", afirma o presidente do Conselho Diretor do WWF-Brasil, Álvaro de Souza. Mais informações no site da WWF.

“Estima-se que 16,1% de toda a eletricidade gerada no país sejam desperdiçadas.”

Em dezembro de 2009, vários países comprometidos com o planeta, em meio a grande polêmica e opiniões divergentes, assinaram um acordo internacional na tentativa de manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC. A 15ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, na Dinamarca, buscou sobretudo alertar os governos para reduzirem drasticamente as emissões de gases causadores do efeito estufa.

Energia no Brasil

No Brasil, o desmatamento da Amazônia e do Cerrado é responsável por 75% das emissões de gás carbônico, o principal responsável pelo aquecimento global. Essa estatística já colocou o Brasil em 6º lugar no ranking dos países que mais poluem, segundo dados da ONU de 2004. Mas não é só o desmatamento florestal que contribui para o aquecimento do planeta. As fontes de energia também são altamente poluentes.

Com 87% da sua matriz energética provenientes de hidroelétricas, o Brasil está à beira de um colapso, devido ao baixo nível dos reservatórios nas usinas do Sudeste. Para atender a demanda por energia, o governo prevê triplicar a emissão de CO2 com a criação de 82 novas unidades termelétricas movidas por combustível fóssil. Os dados coletados pela Empresa de Planejamento Energético, vinculada ao Ministério de Minas e Energia, indicam que a expansão energética no país caminha na contramão dos esforços para minimizar os efeitos do aquecimento global. O pré-sal e a exploração do petróleo também significam um retrocesso, já que muita gasolina será produzida.

As hidroelétricas, usinas que menos poluem, continuam sendo a melhor opção. Investir em fontes alternativas, como a energia eólica, e aumentar a eficiência da produção são cruciais. Estima-se que 16,1% de toda a eletricidade gerada no país sejam desperdiçadas.

Preocupação com o futuro

No mundo, os maiores consumidores de energia são os Estados Unidos, China e Índia. Segundo dados divulgados no ano passado pela consultoria Ernst Young em parceria com a FGV Projetos, da Fundação Getúlio Vargas, as imensas reservas de carvão do país asiático deverão colocá-lo em primeiro lugar no ranking de países emissores de CO2 em 2015. As previsões também indicam que a China será o maior consumidor de energia em 2010. O Brasil passará da 11ª posição a 7ª nos próximos 22 anos, de acordo com o estudo.

Os norte-americanos continuam, no entanto, em primeiro lugar quando o assunto é poluição por habitante. As emissões por indivíduo dos Estados Unidos são quatro vezes maiores do que as da China, mesmo com uma população muito menor. As formas de energia mais utilizadas por lá são o petróleo, o gás natural e o carvão, fontes altamente poluentes. Uma das metas do novo presidente norte-americano Barack Obama é optar por matrizes energéticas mais limpas e, assim, diminuir a emissão de CO2.
por Isabella Monteiro
17/03/2010

MSN.COM

Uma Hora - Apagar as Luzes - Contra o Aquecimento Global

No Brasil, Al Gore critica política ambiental dos EUA

Al Gore - Ambientalista


O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore, afirmou em palestra no Fórum Internacional de Sustentabilidade, em Manaus, que o principal entrave para a aprovação de uma lei ambiental em seus país são os interesses contrários às empresas que financiam as campanhas eleitorais.

"A chave do eleito é conseguir fundos para a televisão que os elege. Quando existe uma empresa financiadora da campanha que possa sair prejudicada por uma lei como essa (que limita emissão de gás carbônico), a lei emperra", afirmou.

O ex-vice-presidente dos EUA criticou a falta de uma política definida de defesa do meio ambiente em seu país, que, segundo ele, deveria liderar a campanha pela preservação ambiental no mundo.

Além da falta de vontade política, Gore apontou ainda um "distanciamento" das previsões, "que parecem abstração". "É difícil prever desastres se você não sente na pele. É como se alguém dissesse que uma cobra iria aparecer no meio desta sala e ninguém se movesse, e só corressem quando ela, de fato, estivesse aqui", comparou.

Vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 2007 pelo esforço em prol do fim do aquecimento global, Gore defendeu que a biodiversidade da floresta é o futuro da tecnologia do século 21, baseada na biotecnologia. "O futuro da cura de pragas da humanidade, como o câncer, certamente está na Amazônia".

Para Gore, também é importante que o mundo se una em um plano para estipular um preço ao carbono, frisando na aprovação de um mecanismo de redução das emissões geradas com o desmatamento e a degradação florestal. "É importante que haja um preço para o carbono, que as pessoas saibam que as emissões têm um preço. Isso deveria ter sido o cerne de Copenhague e esperamos que seja resolvido no México".

Terremoto de magnitude 6,2 atinge norte do Chile



SANTIAGO/WASHINGTON (Reuters)

Um terremoto de magnitude 6,2 atingiu na manhã desta sexta-feira o norte do Chile, mas não foram informados danos materiais ou vítimas.
O tremor teve epicentro a 79 quilômetros ao sul da cidade de Copiapó, a uma profundidade de 15 quilômetros, disse o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

O tremor também foi percebido na capital Santiago.
A Agência Nacional de Emergência chilena disse que não havia informações sobre danos materiais ou vítimas.

A Marinha do Chile informou que não houve alerta de tsunami. Uma rádio local disse que empresários e escolas perto de Copiapó mandaram alunos e funcionários para suas casas como precaução.

A mineradora chilena Codelco, maior produtora mundial de cobre, disse que a operação de suas minas não foi operada.

Centenas de pessoas morreram e partes do centro e sul do Chile ficaram destruídas após um terremoto no dia 27 de fevereiro seguido de tsunamis e fortes réplicas.

O tremor de fevereiro foi o quinto mais forte com registro no mundo desde 1900, com magnitude 8,2. As duas réplicas mais fortes tiveram magnitude 6,9.

(Reportagem de Antonio de la Jara e Simon Gardner)


Por Reuters, reuters.com

Atualizado: 26/3/2010 18:24

quinta-feira, 25 de março de 2010

Abolição dos Escravos no Ceará Completa 126 Anos

Presença da matriz africana também pode ser vista em monumentos, como em Redenção
MANOEL LIMA - 27/12/2006


Quando província, o Estado foi o primeiro a libertar seus escravos. Em Fortaleza, maracatus e medalhas marcam evento.


O Ceará completa, hoje, 126 anos da abolição da escravatura.

Em Fortaleza, apresentações de maracatu e entrega de medalhas marcam as comemorações da data. A partir das 16 horas, o Centro da cidade receberá um cortejo de dez maracatus, uma das principais manifestações da cultura africana em nosso Estado.

Os grupos de maracatu Rei Zumbi, Nação Iracema, Quizomba, Vozes da África, Nação Fortaleza, Solar, Baobá, Afoxé Filhos de Oyá, Rei de Paus, Az de Ouro e Axé de Oxossy mostram toda a beleza do movimento e dança, com seu ritmo de cadência lenta.

Divididos entre as praças dos Correios, do Ferreira e no Calçadão C. Rolim, os grupos de maracatu se encontram, às 17 horas, em frente à Igreja do Rosário, onde haverá um ato ecumênico celebrado pela Mãe Taquinha de Oyá, coroação de rainhas e lançamento de CD com loas de maracatus.

O governador Cid Gomes (PSB) foi a grande ausência na solenidade de entrega da Medalha da Abolição ao presidente do Tribunal de Contas da União, Ubiratan Aguiar, e à Federação dos Agentes de Saúde do Estado. Ele teve problemas de saúde, segundo informou o vice-governadorFrancisco Pinheiro que o representou na cerimônia realizada nessa noite de quinta-feira, no Theatro José de Alencar.

O ministro da Previdência Social, José Pimentel, seis dos nove ministros do TCU, parlamentares federais e estaduais e dirigentes de organismos federais e lideranças empresariais prestigiaram o evento em que Ubiratan não escondeu a emoção ao discursar.

Outra ausência nota na solenidade foi a da prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, que mandou seu procurador-geral do Município, MartÕnio Mont’Alverne, representá-la.


Lembrancinhas

A libertação dos escravos no Ceará foi realizada no dia 25 de março de 1884, como conseqüência da luta encabeçada por diversas sociedades civis de combate à escravidão, utilizando a imprensa e outras manifestações públicas para sensibilizar a população sobre o problema.

Apesar do fato de, na época, já não haver um grande contingente de escravos na então província - por conta da crise econômica e das grandes secas ocorridas no fim do século XIX - o professor Eurípedes Funes, do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará (UFC), considera a data um marco significativo para nossa trajetória.

“A questão de haver ou não muitos escravos não é parâmetro, e sim o fato de haver essa situação de cativeiro aqui no Ceará. Era uma período de lutas importantes, inseridas no espírito do liberalismo e no movimento republicano”, enfatiza o historiador.

Mas apesar disso, ele recorda que, assim como em outras províncias do Império brasileiro, a situação de homens e mulheres escravizados no Ceará pouco mudou após a abolição da escravatura. “A maioria dos ex-escravos podiam ser encontrados na posição de empregados, serviçais, ou seja, em condições muito semelhantes daquilo que já vivenciavam. Não houve uma preocupação de fazer uma inserção social dessa população, de distribuição de terras etc”, aponta.

Após 125 anos de abolição, e a despeito de preconceitos de que não haveria afro-brasileiros no Estado, a presença da matriz africana no Ceará ainda hoje pode ser vista em manifestações religiosas (como a Dança de São Gonçalo) e culturais (maracatu). “São manifestações emblemáticas da nossa africanidade”.

FIQUE POR DENTRO

Dragão do Mar é um dos grandes símbolos

Ainda província no reinado de Dom Pedro II (1840-1889), o Ceará foi palco de relevantes movimentos abolicionistas, que denunciavam, pela imprensa, os abusos cometidos pelos senhores de escravos e combatiam o comércio negreiro entre estados. Com os problemas econômicos e as secas que assolaram o Ceará na época, tornou-se financeiramente inviável para os senhores manter os cativos, que eram vendidos para as províncias sulistas.

Um dos nomes importantes dessa luta é o do jangadeiro pardo Francisco José do Nascimento, que passou a ser conhecido como Dragão do Mar. Em 1881, ele e seus companheiros jangadeiros se recusaram a fazer o transporte de escravos para navios negreiros que negociavam na região Sul.

Antes da abolição, em toda a província houve a libertação de escravos onde hoje são as cidades de Redenção (antiga vila do Acarape) e, logo em seguida, na Capital cearense.

Em 25 de março de 1884, o Ceará foi o primeiro a libertar seus cativos, quatro anos antes da promulgação da Lei Áurea pela Princesa Isabel. A decisão foi seguida por outras províncias, como o Amazonas, e levou muitos escravos fugidos a buscar refúgio aqui. O abolicionista José do Patrocínio deu ao Ceará o título de Terra da Luz.

Karoline Viana
Repórter


Quinta 25/3/2010

Vídeo: O Canto das Três Raças - No Japão - Clara Nunes

segunda-feira, 22 de março de 2010

Dia Mundial da Água -22 de Março de 2010


Para o professor Zee, um dos principais problemas a serem solucionados é a acessibilidade à água que se encontra debaixo do solo.

A maior reserva de água doce subterrânea do mundo está no aqüífero Guarani, localizado na região que engloba o centro-sul do Brasil, o nordeste argentino, o Paraguai e o Uruguai.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Ambiental e Agropecuária (Embrapa), a água no local é de ótima qualidade e suficiente para abastecer o país inteiro por dois milênios. "Para retirar a água que está subterrânea, é preciso investimentos em tecnologia avançada, o que gera um aumento do custo para quem vai consumi-la. Temos a maior parte do aqüífero Guarani sob o território brasileiro.

Mas a viabilidade do seu uso depende dos custos (de bombeamento) e da avaliação dos impactos e da poluição que seriam gerados", explica David.

“Para cada mil litros de água usados, outros 10 mil são poluídos.”

Apesar de ser ainda pouco aproveitada, a água mineral do aqüífero tem sido extraída por algumas empresas, fato que preocupa alguns ambientalistas.A água é um recurso natural reciclável. Na superfície ela se evapora, forma nuvens e volta à terra através de chuvas e neve, que escorrem para os rios, lagos e subsolo, fazendo um processo cíclico.

Entretanto, a poluição e a contaminação, além de outros fatores como a destruição de mananciais, o assoreamento de rios e lagos e a impermeabilização do solo, comprometem o volume de água potável e reutilizável. Para cada mil litros de água usados, outros 10 mil são poluídos. "Cerca de 20% da origem da água que usamos provém dos esgotos.

O tratamento eleva os custos. Muito poderia ser resolvido com a otimização do uso. Para dar um exemplo de utilização errônea: a água das torneiras, e até que usamos para beber, é a mesma dos vasos sanitários", observa David Zee.

O professor lembra que a mudança nos hábitos da população é de vital importância e não apenas um apelo exagerado dos ambientalistas: "O desenvolvimento de tecnologias, aliado aos costumes, pode aliviar bastante esse panorama negativo. Na Europa, que está mais atenta à questão da escassez da água, é comum minimizarem o consumo. Aqui, vemos muito desperdício e mau uso", diz.

E o tanto de água salgada que há na Terra não poderia ser convertida em água potável? "De fato, isso é possível. Mas mais uma vez nos deparamos com os custos - no caso, da dessalinização. Acredito, contudo, que é provável que este processo futuramente acabe se transformando numa solução, se não tentarmos logo reverter a situação atual", conclui David.

Faça a sua parte

Se cada ser humano do planeta fizer a sua parte e a água potável for devidamente preservada, não precisaremos nos preocupar com a sua falta. Confira algumas dicas básicas para evitar o desperdício:

- Escove os dentes e se ensaboe no banho com as torneiras fechadas. O mesmo vale para lavar a louça e para fazer a barba. Com a torneira aberta durante todo o "processo", o gasto ultrapassa os 20 litros. Se você não está usando a água naquele momento, por que deixá-la ir embora?

- Ao lavar o carro, utilize um balde. Um banho de mangueira de meia hora gasta mais de 500 litros de água, enquanto o uso de baldes consome cinco vezes menos. O mesmo acontece ao limpar a calçada.

- Use a máquina de lavar somente quando estiver cheia de roupas.

- Para molhar as plantas, regue só o necessário e, de preferência, nas horas menos quentes do dia (logo pela manhã é o ideal para as plantas e para evitar desperdício). E se a meteorologia prever chuva, a necessidade de água para regar diminui bastante.

- Evite banhos muito demorados e o uso de banheira.- Fique atento a possíveis vazamentos. Uma dica é conferir sempre a conta de água e investigar gastos abusivos e repentinos.- Verifique também as torneiras e feche-as bem. Torneira pingando, no final, acaba resultando em um grande prejuízo. São 46 litros desperdiçados por dia.


por Mônica Vitória

22/03/2010

MSN.Com


sábado, 20 de março de 2010

Brasil poderia ter investido mais na melhoria de favelas, diz especialista das Nações Unidas


Países como a Colômbia e a Argentina conseguiram reduções de mais de 40%.

Da Redação, com agência Brasil

Rio de Janeiro - Cerca de 10,4 milhões de pessoas deixaram de morar em favelas no Brasil nos últimos dez anos, segundo estudo divulgado quinta-feira (18) pela agência da Organização das Nações Unidas para Habitação. (ONU-Habitat). Isso significa que a população das favelas foi reduzida em 16% no país. No entanto, diz o coordenador da pesquisa, Eduardo López Moreno, o progresso brasileiro poderia ter sido maior.

Segundo Moreno, as autoridades brasileiras poderiam ter trabalhado mais nesse período para obter, pelo menos, um índice superior ao progresso médio da América Latina, que reduziu em 19,5% a população das favelas. Países como a Colômbia e a Argentina conseguiram reduções de mais de 40%.

“Seria muito melhor se o Brasil tivesse conseguido melhorar de 20% a 30% e que estivéssemos falando de 20 milhões de pessoas [que deixaram as favelas], em vez de 10 milhões. Sem dúvida, os esforços deveriam ter sido maiores, principalmente entre 2000 e 2005, já que grande parte desses 10 milhões saíram da pobreza depois de 2005”, disse.

O oficial da ONU atribui o avanço maior a partir de 2005 as ações como o programa de transferência de renda Bolsa Família. Moreno disse que, graças a programas como esse e como o Minha Casa, Minha Vida, de financiamento habitacional para famílias de baixa renda, o Brasil deverá ter avanços mais expressivos nos próximos anos. O país continua com cerca de 26% da população vivendo em habitações precárias.

“O que eu posso dizer, com todo conhecimento de causa, é que o caso brasileiro vai mostrar que essas políticas vão ter um alto sucesso. E vão ter um alto sucesso por causa da magnitude dos recursos envolvidos, do número de cidades que as estão implementando, do número de pessoas que estão sendo beneficiadas por elas. Haverá uma evolução”, afirmou Moreno.

Segundo a ONU, deixar de morar em uma favela não significa necessariamente que a pessoa foi viver em outro lugar. Pode significar também que a área onde essa pessoa mora tenha simplesmente sido melhorada em termos de saneamento e condições de moradia, a ponto de deixar de ser considerada uma favela, explicou.

A diretora executiva da ONU-Habitat, Anna Tibaijuka, disse que 227 milhões de pessoas deixaram de morar em favelas em todo o mundo nos últimos dez anos, mas ressaltou que um número ainda maior passou a viver nesses locais, o que fez com que a população global de favelados passasse de 776,7 milhões para 827,6 milhões.

Para ela, o mundo conseguiu atingir uma das Metas do Milênio, a que previa a retirada de até 100 milhões de pessoas de habitações precárias até 2020. Apesar disso, Anna não está satisfeita, já que isso aconteceu de forma desigual ao redor do mundo.

“Enquanto conseguimos ter melhorias em países como a Índia, a China, a Indonésia, o Marrocos e a Tunísia, na África Subsaariana e na Ásia Ocidental, a história é diferente. Nesses lugares, a maioria das pessoas continua vivendo em favelas, sem água, sem saneamento e sem habitações decentes”, disse.

Portugal Digital
20-03-2010

Há desconhecimento sobre povo da Amazônia, diz Braga


RICARDO GOZZI - Agencia Estado

O governador do Amazonas, Eduardo Braga, disse hoje que há muito desconhecimento sobre a forma como vive a população da Amazônia, tanto no restante do mundo quanto dentro do próprio Brasil.

Após participar do seminário "A Caminho do México: Desafios e Oportunidades para um Acordo Global", promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) em Cancún, dentro da reunião anual de governadores, Braga disse à Agência Estado que "a grande mídia, infelizmente, só reproduz a pauta negativa, como o assassinato da irmã Dorothy Stang ou o massacre de Eldorado dos Carajás", em detrimento de notícias mais positivas sobre o desenvolvimento sustentável da Amazônia, observou.

Em sua intervenção no seminário, Braga defendeu a importância de uma ação imediata para conter o aquecimento global e o estabelecimento de uma nova relação entre ser humano e contou a história de uma conversa que teve com uma mulher no Amazonas na qual recomendou a ela que não cortasse árvores. E recebeu como resposta: "Governador, eu não faço isso porque quero, mas porque é triste ouvir meu filho chorando de fome."

20-03-2010


Empresa anuncia método para tirar energia de lixo nuclear

General Eletronics, uma das maiores fabricantes mundiais de reatores, pretende transformar resíduos radioativos em combustível para novas usinas.


O problema do lixo radioativo gerado pela indústria nuclear pode, se não ter uma solução, ser amenizado. A GE Hitachi Nuclear Energy, uma das maiores fornecedoras de reatores nucleares do mundo, anunciou que pode transformar resíduos atômicos em combustível para usinas nucleares avançadas.

A tecnologia consiste em separar o lixo nuclear em três grupos básicos de materiais. O primeiro tipo são os produtos de fissão que não servem como combustível para os reatores nucleares, ou seja, que teriam de ser armazenados. Em vez de 1 milhão de anos, como acontece quando não são separados, estes produtos necessitariam de “apenas” algumas centenas de anos de armazenamento.

O segundo tipo é o urânio residual, que poderia ser enriquecido novamente e usado em reatores tradicionais. E o último tipo selecionado são os transuranianos, elementos químicos artificiais mais pesados que o urânio, como o netúnio e o plutônio, que seriam transformados em combustível para novos tipos de reatores.

Nos outros processos já conhecidos de extração de combustível nuclear dos lixos atômicos, como o usado na França, o plutônio puro produzido é relativamente fácil de manusear, já que não é tão quente e tem uma radiação menos perigosa. Isto torna o elemento mais fácil de ser roubado, podendo ser usado na fabricação de armas e bombas nucleares.

Já no processo desenvolvido pela GE, o plutônio não é puro, ou seja, não é separado dos outros transuranianos. Assim, combinado a esses outros elementos, o combustível iria liberar 1.000 vezes mais calor e 10.000 vezes mais raios gama, o que o torna mais seguro contra roubos.

O anúncio da nova tecnologia da GE Hitachi vem em um momento estratégico. O presidente dos EUA nomeou recentemente um grupo para investigar melhores maneiras de lidar com os resíduos nucleares. A comissão, conhecida genericamente pelo nome de “blue-ribbon panel”, é convocada quando é necessário o estudo de alguma questão significante.

Além disso, o governo Obama, que já vinha mostrando apoio ao aumento da oferta de energia nuclear, anunciou nesta terça-feira um empréstimo de US$ 8,3 bilhões para a construção de novos reatores nucleares no país.

O antigo projeto dos EUA de armazenar definitivamente o lixo nuclear no complexo Yucca Mountain, em Nevada, foi por água abaixo, junto com os milhões de dólares investidos, o que pode favorecer a nova tecnologia.

A empresa acredita que é possível produzir o novo sistema, composto por uma unidade de reciclagem, com três reatores que podem produzir potência máxima de 1.800 megawatts, instalado e funcionando em dez anos. Agora só resta alguém para investir.


Redação Galileu

Nasa põe ônibus espaciais antigos em promoção

Ônibus espacial Atlantis


Após não haver procura, agência espacial abaixa o preço de Endeavour e Atlantis, que agora saem por US$ 28,8 milhões cada.

Quer pagar quanto? A NASA abaixou o preço que estava cobrando por dois ônibus espaciais que serão aposentados no final do ano. Agora, as raridades remanescentes dos anos 70 estão saindo por US$ 28,8 milhões cada uma, de acordo com o site do The New York Times.

Segundo a companhia, a promoção se deve à baixa procura quando a venda das naves foi anunciada em 2008. O preço anterior, de 42 milhões de dólares, atraiu somente 20 compradores, entre museus e faculdades.

Uma das aeronaves, a Discovery, já está prometida ao Smithsonian National Air and Space Museum. Os novos compradores irão disputar a propriedade da Atlantis e da Endeavour.

No preço cobrado pela NASA, estão inclusos o transporte para um aeroporto e sua armazenagem em um prédio com controle climático. As ofertas poderão ser feitas até 19 de fevereiro e as naves serão entregues no final de 2011.

A promoção também atingiu os motores dos veículos espaciais. Antes, eles custavam entre US$ 400 mil e US$ 800 mil. Agora, eles saem de graça, o comprador terá apenas que bancar o transporte.


Redação Galileu

sexta-feira, 19 de março de 2010

Cosmologia: Os valores médios observados

Cosmologia: Os valores médios observados




O grupo WMAP da NASA publicou 9 artigos resumindo 5 anos de observações cosmológicas. A principal observação é a variação da temperatura cósmica de fundo. Isto é, tirando as fontes pontuais como estrelas e galáxias, há uma radiação eletromagnética de fundo com espectro de um corpo em equilíbrio térmico a temperatura de 2,725 K. As flutuações podem ser apreciadas na figura acima

As observações cosmológicas já enterraram várias especulações ou dúvidas dos anos 1990s. Já sabemos muito em relação ao que sabíamos. Mas a observação de que a maior parte do universo consiste em energia e matéria escuras mostra que falta muuuuito pare entendermos o universo.

O que vemos nos céus e o que somos compreende apenas 4,6% (em densidade de energia) do Universo. A nossa existência fica escondida no erro das nossas estimativas.
Read more at the Bad Astronomer or at Cosmic Variance.

Categorias: Cosmologia, Gravitação, Pesquisa.

Tags:astrofísica, Cosmologia
.

Limoeiro sedia conferência sobre ciência e tecnologia em abril

Evento reúne amanhã 35 municípios da região do Jaguaribe em torno de discussões sobre o futuro da tecnologia no estado.


Diversos segmentos da esfera governamental, acadêmica e civil devem se encontrar amanhã para discutir a atualidade e o futuro do cenário da Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Superior do Estado. É a Conferência Regional de CTI&ES.

Com o tema “Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Superior para o Desenvolvimento Sustentável do Ceará”, a Conferência Estadual irá traçar demandas que serão incorporadas a um documento final, contendo recomendações para uma Política Estadual de CTI&ES. O relatório será encaminhado para apreciação do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia, presidido pelo Governador Cid Gomes.

A Conferência Regional de CTI&ES em Limoeiro é a primeira de uma série de quatro Conferências Regionais preparatórias para a Conferência Estadual, que será realizada em Fortaleza nos dias 8 e 9 de abril. A iniciativa é do Governo do Estado, através da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece).

Também vão receber as Conferências Regionais os municípios de Crato (17/03), Tauá (24/03) e Sobral (31/03). A II Conferência Estadual irá subsidiar a IV Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia - CNCT, prevista para ser realizada de 26 a 28 de maio.

Cada Conferência Regional disponibilizará 150 vagas, que poderão ser preenchidas mediante inscrição no site da Secitece (www.sct.ce.gov.br).

René Barreira, secretário da Secitece, enfatiza a importância da participação de todos os municípios da região do Jaguaribe na Conferência Regional. “É necessário o envolvimento da região como um todo. Queremos estabelecer pontes, uma interface, de modo a promover a integração e articulação entre os subsistemas de Ciência e Tecnologia e Educação”, frisa.

SERVIÇO

Conferência Regional de CTI&ES
Local: Auditório da Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos – FAFIDAM/UECE (Av. Dom Aureliano Matos, 2058)
Horário: a partir das 8h

Definida a data da Conferência Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Superior. Segundo informou, nesta quinta-feira, 18, o secretário da Ciência e Tecnologia, René Barreira, ocorrerá nos dias 8 e 9 de abril próximo, em Fortaleza.

Antes, porém, estão se realizando as convenções municipais de Ciência e Tecnologia. Houve a primeira no Crato, nesta semana, e virão mais duas: dia 24, em Tauá; e dia 29na cidade de Sobral.

Todas as conclusões obtidas nos encontros municipais vão estar em debate na conferência estadual e serão levadas, em documento, para apresentação na Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educaçao Superior, em Brasília, de 26 a 28 de maio próximo, segundo o secretário René Barreira.

18 Mar 2010 - 14h41min




O Povo Online

Dia de São José chuvas em poucos municípios no Ceará

Apelo ao santo querido, sinhô São José


Zé Bonito vai à missa hoje. Não só ele como os demais agricultores de São José da Macaoca, em Madalena, rezarão por São José. A esperança é a intercessão do padroeiro do Ceará para minimizar a escassez de chuva

Apela pra Março
Que é o mês preferido
Do santo querido
Sinhô São José

(A Triste Partida Patativa do Assaré)

Os versos de Patativa do Assaré simbolizam a fé que move o Interior do Estado neste dia de São José. Como a de José Guilherme Ferreira da Cruz, 52, o seu Zé Bonito, que mora em São José da Macaoca, distrito de Madalena, no Sertão cearense.

``Tenho fé em Deus e esperanças em São José de que vai chover. Vou pra procissão e depois assistir à missa em homenagem ao nosso padroeiro e sei que ele não vai decepcionar nós, agricultores, que estamos precisando de chuva``.

De acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), o Estado deve registrar chuvas isoladas, ou seja, em apenas alguns municípios, do Litoral Norte, do Pecém e de Fortaleza e na região do Cariri hoje, Dia de São José. No Sertão Central, Sertão dos Inhamuns e Jaguaribe o dia deve ser de céu aberto e sem chuvas.

Outra notícia desanimadora para os pequenos agricultores foi divulgada ontem pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTec) do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (Inpe). Segundo o órgão, a probabilidade de serem registradas chuvas abaixo da média no Ceará é de 50% para os meses de abril, maio e junho. No mesmo período, a probabilidade de chuvas na média histórica é de 30% e acima da média 20%.

Em relação ao tempo de hoje, a meteorologista da Funceme, Zilurdes Lopes, explica que as chuvas devem se concentrar na madrugada e pela manhã no litoral de Fortaleza e no período da tarde no Litoral Norte. ``No Cariri, de quarta para hoje (ontem) as condições do tempo mudaram``, acrescenta Zilurdes. Na região, até as 7h de ontem, as maiores chuvas foram em Caririaçu (80 mm), Crato (63 mm) e Granjeiro (58 mm).

O aquecimento das águas do Pacífico (fenômeno conhecido como ``El Niño``) e a temperatura abaixo do normal no Oceano Atlântico Sul continuam sendo as causas para a falta de chuvas no Ceará.

``Para uma boa estação chuvosa, as águas do Atlântico deveriam ter esquentado mais cedo. Como isso não ocorreu, está desfavorável a atuação da Zona de Convergência Intertropical``, detalha Caio Coelho, chefe do grupo de previsão climática do CPTec. A zona de convergência é o principal sistema de formação de nuvens de chuvas no norte do Nordeste.

De acordo com Coelho, caso a zona de convergência atue, será apenas no extremo norte do Nordeste, que cobre os litorais do Ceará, Piauí e Maranhão. ``Pelas condições de hoje, ela não chega no semiárido da região``, ressalta.

Zé Bonito vai à missa hoje. Não só ele como os demais agricultores de São José da Macaoca, em Madalena, rezarão por São José. A esperança é a intercessão do padroeiro do Ceará para minimizar a escassez de chuva.



Zé Bonito vai à missa hoje. Não só ele como os demais agricultores de São José da Macaoca, em Madalena, rezarão por São José. A esperança é a intercessão do padroeiro do Ceará para minimizar a escassez de chuva.

SAIBA MAIS

Amanhã, dia 20, às 14h32min, ocorre o fenômeno do equinócio de março,
período em que os raios solares incidem igualmente nos hemisférios norte e sul do planeta, atraindo ventos úmidos para a linha do Equador, o que pode gerar chuvas.

Nesse dia, o nascer do Sol ocorre às 6h em ponto, exatamente a Leste; e o
por do sol ocorre exatamente às 18h, precisamente a Oeste.

Com o Sol perfeitamente alinhado com os pontos cardeais e dia e noite com
a mesma duração, o equinócio era considerado um dia -mágico- para povos antigos.

Previsão

A meteorologista Zilurdes Lopes alerta que considerar o Dia de São José como referência para a quadra chuvosa é relativo. “Houve anos em que se registraram boas chuvas no Dia de São José, mas a quadra chuvosa não foi muito boa. E
o contrário também ocorreu”.Em 2005, lembra Zilurdes, choveu bastante no dia do padroeiro, mas a estação não foi muito chuvosa.

Maio e Junho

A previsão de chuvas para os meses de abril, maio e junho foi discutida ontem na sede do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTec), do Inpe, em Cachoeira Paulista, SP.

Interior

A previsão de poucas chuvas no interior do Estado foi adiantada na última quarta-feira pelo O POVO a partir dos dados da Climatempo. Em fevereiro deste ano choveu, em média, apenas 26,5 milímetros no Ceará. Foi o fevereiro mais seco desde 1912.

Na área da astronomia, equinócio é definido como um dos dois momentos em que o Sol, em sua órbita aparente, (como vista da Terra), cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste). Mais precisamente é o ponto onde a eclíptica cruza o equador celeste.

Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro e definem as mudanças de estação. No hemisfério norte a primavera inicia em março e o outono em setembro. No hemisfério sul é o contrário, a primavera inicia em setembro e o outono em março.

Se você não existisse, o Universo não seria o mesmo


Mensagem do Dia - de Luís Carlos Mazzini



Você faz sim muita diferença para o mundo, viu? De verdade! Você exerce uma tremenda e importante influência no estado do mundo! Convença-se disso!

Comece agora mesmo a admitir que precisa observar sempre o lado luminoso da vida. Afinal, quantas pessoas estão dependendo de você para encontrar algo bom e de valor em suas vidas? Responde!

Continue com a sua fé nem que ela tenha sido pequena. Nunca esquece que você é filho de Deus, tá? Isso deve dar a exata dimensão de sua vida e deve preparar seu espírito e seu viver para ser forte, mesmo que a situação possa parecer escura. E se estiver se sentindo assim, força!

E chega de curtir os problemas imaginários! Chega! Se tiver que ter problemas, tenha-os de verdade, tá? E pode parar de sofrer por antecipação, tá?

Acredite que tudo tem uma razão de ser. Acredite que tudo está acontecendo em total perfeição e no momento exato. Sabe por que? Porque tudo está nas Mãos de Deus. Mas vá à luta, viu? Vá à luta, e não fique mais de braços cruzados, esperando as coisas acontecerem.

Procure aceitar e compreenda que Ele está em tudo e em todo lugar. Não há um só ponto onde Deus não esteja!

De onde você veio? Por que veio a esse mundo e nessa época? O que Deus quer e espera de você?

Bom Dia! Bom divertimento! Que seu dia seja todo iluminado, florido e ensolarado!

"Se você não existisse, o Universo não seria o mesmo"




Registros Inusitados na África - Greg du Toit mergulhado nas águas quenianas.

Fotógrafo passa dias mergulhado para flagrar leões bebendo


Uma revista da BBC divulgou imagens feitas por um fotógrafo sul-africano que passou mais de 11 dias ao longo de três meses mergulhado até o pescoço em um lago no Quênia para documentar animais tomando água.

Greg du Toit, de 32 anos, estava determinado a conseguir imagens de leões bebendo. Para isso, tentou durante um ano o melhor enquadramento criando esconderijos e cavando buracos nas imediações de lagos.

Insatisfeito com os resultados, ele concluiu que só alcançaria seu objetivo se mergulhasse na água. Então, ao longo de três meses, Toit passou no total 270 horas, ou mais de 11 dias, com água até o pescoço, deixando apenas a cabeça e as mãos para fora.

Como resultado, além das fotos de leões, zebras, javalis, babuínos e muitos pássaros africanos, o fotógrafo contraiu uma série de doenças tropicais, como malária e esquistossomose. Toit passou meses de cama para se recuperar.

O resultado de sua inusitada estratégia de fotografia foi publicado na edição de março da revista BBC Wildlife.





Com a estratégia, Greg du Toit conseguiu flagrar leões, zebras, babuínos, entre outros
animais, bebendo água


Durante os mais de 11 dias que passou mergulhado ao longo de três meses, Toit mantinha
apenas a cabeça e as mãos fora d'água.


A experiência não rendeu apenas fotos ao sul-africano. Ele contraiu doenças tropicais, entre
elas esquistossomose e malária.


Toit já havia passado um ano tentando esses registros se escondendo em buracos próximos
aos lagos.


Com a estratégia, Greg du Toit conseguiu flagrar leões, zebras, babuínos, entre outros
animais, bebendo água.


Com a estratégia, Greg du Toit conseguiu flagrar leões, zebras, babuínos, entre outros
animais, bebendo água.



O fotógrafo sul-africano teve que passar meses de cama para se recuperar das doenças.


Mas Toit acredita que valeu a pena, pois ele obteve um registro especial dos animais
africanos.



março da revista BBC Wildlife.

http://verde.br.msn.com/galeria-de-fotos.aspx?cp-documentid=23576252

4/3/2010


quarta-feira, 17 de março de 2010

Hora do planeta ganha adesão de multinacionais

A Hora do Planeta, Manifestação Mundial Contra o Aquecimento Global


A Hora do Planeta, manifestação mundial contra o aquecimento global promovida pela organização não-governamental World Wildlife Fund – WWF (Fundo Mundial para a Vida Selvagem, em tradução livre) promete não só adesão recorde como também o engajamento de várias fábricas chinesas, que alimentam a fama do pais de maior emissor de gases do efeito estufa do mundo.

A Hora do Planeta acontece no dia 27 de março, às 20h30 (hora de Brasília). Por uma hora, as luzes devem ser apagadas. O gesto é uma forma de promover a reflexão sobre o consumo de energia no mundo.

Nesse ano, a WWF anunciou novos parceiros em sua ação global: a subsidiária da Coca-Cola no Canadá ofereceu US$ 1 milhão em doações por meio de publicidade. Na Suécia, 84 escolas já confirmaram o apoio ao evento. Além disso, filiais da Canon e da Wal-Mart, instaladas na China, também decidiram abraçar a causa.

Monumentos famosos como a Torre Eiffel; a Opera House de Sidney; a Torre de Belém, em Portugal e o Castelo de Edimburgo, na Escócia são alguns dos monumentos que terão suas luzes apagadas.

O Rio de Janeiro foi a primeira cidade brasileira a apoiar o Hora do Planeta. No ano passado, o Cristo Redentor, as luzes do Pão de Açúcar e os postes da orla de Copacabana ficaram sem iluminação por uma hora.

Em 2010, a ponte estaiada Octavio Frias de Oliveira, o Viaduto do Chá, o Parque Ibirapuera, entre outros espaços públicos de São Paulo também terão suas luzes apagadas. Ao todo, 88 cidades brasileiras abraçaram a causa em 2009.

O movimento surgiu em 2007, na Austrália. Cerca de 2,2 milhões de pessoas apagaram as luzes de suas casas. Realizado sempre no último sábado de março, no ano passado a Hora do planeta já conseguiu a adesão de 1,2 bilhão de pessoas ao redor do planeta.


http://urbanpost.com.br/?utm_source=msn&utm_medium=logo&utm_campaign=materia,

atualização: 11/3/2010 10:29

Juliana Xavier, Redação UrbanPost


segunda-feira, 15 de março de 2010

O Chamado de Deus - 35 Anos de vocação

Ir.Eneide, 35 Anos de Vocação


Hoje é um dia de alegria e festa na Santa Casa de Aracati, pois além de ser o dia de Santa Luisa de Marilac, a Ir. Eneide também comemora 35 anos de vida Religiosa dedicada ao trabalho voltado para os pobres e necessitados.

Ir. Eneide, é uma pessoa, simples, humana e atenciosa com todos do seu convívio. Seja o pobre ou o rico, a sua gentileza é observada pelos seus gestos, atitudes e que demonstra todos esses valores.

Eneide é minha conselheira, minha amiga, minha confidente e sempre esteve do meu lado nos momentos mais difíceis da minha vida. Ela nunca mediu esforços pra deslocar-se de onde estivesse para atender a um chamado meu. Um momento mais difícil foi quando o Thalyta fez uma cirurgia de apendicite aguda e em outro momento marcante de sua solidariedade, foi quando o Thasso Foi acometido de Meningite meningocócica tipo B. Ela atende não só a mim, mas a qualquer pessoa que estiver necessitando de ajuda.

Estudava no Patronato São Vicente de Paulo, escola administrada pelas freiras e como era uma boa aluna, dedicada e muito inteligente, foi chamada por uma freira Ir. Ana Maria, para ampliar uns mapas, já que a mesma era professora de Geografia. E daí em diante era a mão direita das irmãs que precisassem de ajuda em assuntos gerais.

Sempre foi dedicada e perfeccionista em tudo que fazia, como trabalhos manuais como tricô, crochê e muitos tipos de bordados e muitas outras atividades como o Grupo de Jovens, jogos e juntamente com meu pai e a Socorro a nossa irmã mais velha, pregava o Circo Bíblico nas residências divulgando a palavra do Senhor.

Terminado o Ginasial, ela optou para fazer Contabilidade e como o curso era à noite ela teve que ficar morando no Patronato. Então o despertar para servir à Deus, já começou a se destacar quando passou a ser catequista por um certo período.

Passando os finais de semana em casa, ela já tinha recebido o chamado do Senhor, e a sua vocação voltou-se pela renúncia da vida comum e pensou em seguir a vida Religiosa. Acredito que os nossos pais já estavam sabendo que ela pretendia integrar-se ou atender o chamado do Senhor.

Dessas coisas eu não sabia, pois criança na época ficava de fora, mas só vim saber, o porque da sua ida de Limoeiro para Fortaleza, já quase no dia que ela viajou. Quando ela foi embora, devido a emoção e a saudade que ia sentir de deixar tudo aquilo onde compartilhávamos as alegrias e tristezas, no nosso lar, ela não falou tudo que deveria ou que queria dizer.

Dias depois, meus pais encontraram um bilhete, onde ela dizia com mais detalhes o que sentia e não teve coragem de falar na despedida. Passa-me um branco, que não lembro o momento exato da sua saída, pelo Alpendre da casa, em qual dos portões ela saiu, se foi de bicicleta ou não, sei que essa parte quero saber ainda.

Foi outra emoção pra todos, pois mais uma vez sentia que tínhamos perdido nossa Eneide mas alegrávamos, em saber que a sua felicidade era lutar pelos pobres, renunciando a vida comum pra atender um chamado de Deus.

Hoje ela completa 35 anos de vocação onde já prestou bastante serviço todos e fazendo sempre o bem em qualquer Casa Religiosa ou lugar por onde ela passa. Hoje seguindo o exemplo da fundadora das Filhas de caridade, Santa Luiza de Marilac, ela presta serviço na Santa Casa de Misericórdia de Aracati. Lá funciona um Hospital Filantrópico que atende a comunidade carente e ela administra tudo isso com muito amor e dedicação.

Eneide, em sua homenagem pelos seus 35 anos de vocação, eu escrevi esse texto, não tão bem como deveria sair, mas as palavras ditas e lembradas são um gesto do meu amor, do meu carinho, da minha gratidão e admiração que tenho por você, que é uma pessoa maravilhosa, tanto como irmã de sangue como na sua comunidade religiosa.

Ir.Eneide, eu vou orar sempre por você, para que a sua vocação continue, forte e firme e que Deus te ilumine e derrame as graças divina de bênçãos, para que você sinta-se sempre fortalecida.

Um beijo com muito amor, muito carinho de sua irmã que tanto admiro e tenho orgulho de ter uma irmã tão boa e que prega sempre o bem para todos como você!


De sua mana, Mazé Silva.