domingo, 28 de março de 2010

Estudo questiona tese sobre a extinção dos dinossauros


A extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos não pode ser explicada somente pelo choque de um asteróide com a Terra, e sim como o resultado de um longo processo de transformações climáticas, de acordo com resultados de uma pesquisa revelados por um paleontólogo alemão.

O asteróide foi apenas ``o último elemento catastrófico`` registrado em ``pelo menos 500.000 anos de fortes flutuações do clima`` que enfraqueceram o ecossistema, declarou Michael Prauss, da Universidade de Berlim.

No início de março, a revista Science apresentou trabalhos de um grupo de cientistas que atribuía o desaparecimento dos dinossauros a um gigantesco asteróide que caiu na atual região mexicana de Yucatán.

``Ao contrário da Science, que apenas reuniu elementos já conhecidos, meu trabalho se baseia em novos dados que permitem reconsiderar tudo a partir de um novo ponto de vista``, disse Prauss.

O paleontólogo alemão trabalha desde 2005 em um projeto da Agência Alemã de Pesquisas Científicas (DFG). Essa equipe analisou rochas e amostras retiradas de uma perfuração de 25 metros de profundidade no Texas (EUA), mil quilômetros a noroeste da cratera do asteróide.

Os trabalhos permitiram provar a existência, muito antes do choque do asteróide, de grandes transformações climáticas, ``provocadas provavelmente por atividades vulcânicas`` ocorridas durante vários milhões de anos na atual Índia, indica um comunicado da Universidade Livre de Berlim.

Segundo Prauss, ``o estresse climático de longa duração produzido por elas, com o qual evidentemente o choque do meteorito contribuiu no final das contas, explica a crise da biosfera e a extinção maciça``.

O Povo Online


27 Mar 2010 - 20h39min



Nenhum comentário: