sexta-feira, 30 de abril de 2010

A Lenda de El Rei Dom Sebastião



Plataforma afunda após explosão no Golfo do México e 11 estão desaparecidos

Uma plataforma de petróleo afundou no Golfo do México nesta quinta-feira, após sofrer uma explosão na noite de terça-feira.

FOTO: Nasa divulga imagens da mancha de óleo no Golfo do México
Imagem foi divulgada nesta terça-feira.

A Nasa divulgou nesta terça-feira uma imagem de satélite da mancha de óleo que se formou no Golfo do México, após a explosão de uma plataforma de petróleo na região. A imagem deixa visível o tamanho do estrago provocado pelo acidente.

Segundo a Guarda Costeira americana, o acidente poderia ser um dos piores da história dos Estados Unidos.

Com o Delta do Mississipi, à esquerda, a mancha de óleo prateado Teve origem após a explosão e afundamento da plataforma de perfuração em águas profundas Horizon. O equipamento foi localizado cerca de 50 milhas a sudeste da costa da Louisiana.

"Vamos continuar à procura enquanto houver uma possibilidade razoável de encontrá-los vivos", disse a porta-voz da Guarda Costeira, Ashley Butler, acrescentando que as condições climáticas são favoráveis à busca.

A estimativa é de que, no momento da explosão, 126 pessoas estavam a bordo da plataforma, chamada Deepwater Horzion, no que fica a 84 quilômetros sudoeste do porto de Venice, nos EUA. Foram resgatadas 115 pessoas, quatro delas com ferimentos.

A empresa que opera o local, a Transocean, disse que não havia sinais de problemas antes da explosão e que equipes estavam fazendo trabalhos de rotina.

Os trabalhadores das instalações pularam no mar de uma altura de até 30 metros para se salvar. Ainda não se sabe a causa do acidente.

Segundo a Guarda Costeira americana, 11 trabalhadores estão desaparecidos.
Preocupação ambiental

O naufrágio da plataforma pode trazer problemas ambientais à região, dada a possibilidade de provocar um vazamento de 8 mil barris de óleo cru de por dia (cerca de 1,2 milhões de litros). Além do óleo cru, estavam estocados ali 2,6 milhões de diesel.

A Guarda Costeira dos EUA não soube afirmar com certeza se o petróleo e o diesel já estavam vazando, embora uma mancha de 1,5 por 8 km tenha sido avistada nos arredores da explosão.

Ainda não existe uma avaliação sobre os danos que o combustível pode causar ao mar do Golfo, mesmo com um ecossistema acostumado à perfuração para exploração de petróleo e eventuais derramamentos do material.

O governo americano está usando robôs submarinos para tentar controlar o vazamento de petróleo provocado pelo naufrágio de uma plataforma no Golfo do México.

A missão dos quatro robôs será fechar algumas das válvulas da plataforma. Mais de mil barris de petróleo estão sendo lançados no mar, desde a quinta-feira (22), quando a plataforma afundou, depois de explodir.

A mancha de 1.500 quadrados, maior que a cidade do Rio de Janeiro, está a apenas 30 quilômetros da costa americana.





Amizade!






Por Bottary
11/07/2009
Amigo de meu amigo, pode ser meu amigo, também.

Gostar de alguém, por pura amizade, também significa desejar-lhe o que de melhor na sua vida possa acontecer.

Amar o outro como vc se ama, é um caminho. É necessário, então, que eu goste primeiro de mim mesmo, pois somente assim, eu vou poder e conseguir gostar de alguém.

Amigo ou amiga é aquele(a) que você admira, ama e confia, não obstante os seus defeitos. Sabe que ele(a) sempre terá uma palavra de carinho para lhe dar, seja na hora da turbulência, seja na hora da bonança.

Te acompanha em todos os momentos de sua vida, sem o menor interesse que não o de te trazer-lhe a sua sincera e fraterna companhia, sob quaisquer circunstâncias. Antecipa sua presença; dá conselhos; adverte e reprime, se for preciso e com moral.

É silencioso em sua maneira de ser, mas faz muito barulho, se for preciso, exem-plificando com o coração.

Quanto maior o número de amigos, menor é o número de obstáculos na vida de uma pessoa, uma vez que ele está sempre presente em sua vida dando-lhe o apoio de que ne-cessita, sobretudo estando ao seu alcance.

A amizade é um substantivo abstrato, entretanto, concreto em suas realizações.
Algo sublime que alimenta o ser.

Sentimo-nos bem, desabafando com aquele que nos tem por amigo confiante.
Com amizade não há inveja, mas respeito pelo sucesso do outro, mesmo que você esteja fora dele. É muito bom; é gostoso ser amigo de alguém.

Duas amizades são construídas como que ainda na eternidade e para ela seguem juntos.
Um Amigo, daquele que quer ter um!




quarta-feira, 28 de abril de 2010

Discos Voadores nas Ilhas Caribe?


Notícia a circular na internet

Ao que consta, estas imagens (ver vídeo) foram feitas por uma turista alemã em uma das ilhas do Caribe, ao norte de Trinidad e Tobago no dia 16-08-2007 às 05:50h da manhã em uma praia que é um santuário para exploração submarina.

É uma região pouco visitada e para visitá-la tem que ter permissão das autoridades, principalmente pela abundância de tubarões tigre.

A turista em causa pernoitou na ilha junto a outros pesquisadores para uma aventura submarina.

Levantou-se bem cedo para contemplar o nascer do sol quando de repente encontrou algo inacreditável. O vídeo dura poucos segundos, já que a câmera tinha pouca memória.

Esta turista levou o maior susto da sua vida e a única reação foi um grande suspiro de medo e a emoção de gravar algo fora do comum. Ela não quis fotografar por medo do flash denunciar sua posição para as naves que se encontravam em voo rasante como se estivessem buscando algo.

Nenhuma autoridade da região se manifestou sobre o assunto (!?).


video

terça-feira, 27 de abril de 2010

Falando a nossa língua

Emanuel Amaral
Encontro de Escritores de Língua Portuguesa começa amanhã no Teatro Alberto Maranhão


Ainda não é desta vez que escritores, estudiosos, leitores e curiosos vão ver em cena mais uma edição do Encontro Natalense de Escritores, que esteve em cartaz para o grande público por quatro anos seguidos na capital potiguar. O evento patrocinado pela Funcarte que começa amanhã é outro — o Encontro de Escritores de Língua Portuguesa — mas a Prefeita Micarla de Sousa confirmou ontem pela manhã, em entrevista coletiva, que o ENE está previsto para dezembro deste ano, dentro das comemorações do “Natal em Natal”. “Será um encontro mais amplo porque vai ter uma feira de livros focada para o público infantil”, declarou, durante o lançamento oficial desta primeira ação literária, o Encontro de Escritores da Língua Portuguesa — EELP — terá como palco o Teatro Alberto Maranhão, Ribeira.

As inscrições, gratuitas, estão sendo realizadas antecipadamente pela Internet (no site da Funcart), mas os interessados podem participar do evento sem inscrição prévia, ficando sujeito apenas à lotação do teatro, que é em torno dos 650 lugares. Segundo o presidente da Funcarte Rodrigues Neto, até ontem pela manhã já havia em torno de 400 inscritos.

A programação completa foi divulgada ontem durante o café da manhã num hotel da via costeira, na presença da prefeita Micarla, do escritor e professor português Carlos Reis, de Rui d’Ávila Lourido, coordenador cultural da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa – UCCLA entre outros convidados de ambos os países.

Um nome já levou falta. Previsto para realizar uma palestra de abertura, o escritor do Timor Leste Luís Cardoso Takas não compareceu ontem, e sua presença no evento ainda não foi confirmada.

Cautela no uso da lusofonia, diz escritor

O encontro literário será dividido em três eixos temáticos, que serão distribuídos durante os três dias do evento. O primeiro deles será apresentado durante a conferência do português Carlos Reis, professor catedrático na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Carlos Reis falará sobre “Literatura Lusófonas: elo entre continentes e culturas”. Segundo ele, é preciso ter cautela quanto à utilização do termo lusofonia, já que ainda está ligado a matriz portuguesa. “É um conceito útil, mas não podemos esquecer a singularidade das literaturas que escrevem em línguas Portuguesas”, disse Carlos Reis.

O professor diz ser cético quanto à continuidade do Português em países como o Timor Leste e Guiné Bissau. Para ele, estes países foram recentemente descolonizados e passaram por guerras violentas, que resultaram na desestruturação de instituições importantes, sendo uma delas a educacional.

O professor acredita que cabe aos países mais desenvolvidos, como Portugal e Brasil o investimento na boa utilização da língua Portuguesa. “Investir na língua portuguesa não por ser uma forma de colonialismo lingüístico, ou neocolonialismo lingüístico, mas por razões do próprio interesse desses países”, disse.

O professor afirma que o encontro é uma forma de apresentar um Brasil diferente para os portugueses. “Muitas vezes circulam em Portugal, preconceitos, lugares comuns em relação a Angola, a Moçambique e ao Brasil. Lá eles falam que o Brasil é um país exótico. Existe este tipo de ignorância em Portugal”.

No segundo dia do evento João Ubaldo Ribeiro, jornalista, escritor, roteirista e membro da Academia Brasileira de Letras – ganhador do Prêmio Camões de 2008, maior premiação para autores de língua portuguesa – conduzirá a conferência “Cosmopolismo, expressões populares e globalização”. O tema, aliás, surpreendeu o próprio escritor, que disse à TRIBUNA DO NORTE, em entrevista recente, não saber “o que era Cosmopolismo”.

No último dia do evento, o influente e versátil escritor angolano José Eduardo Agualusa encerrará as discussões literárias, levando para o público o tema “Os desafios das novas tecnologias na literatura”. Alguns dos livros de Eduardo Agualusa estão traduzidos para mais de vinte idiomas.

Na programação do encontro está prevista apresentações culturais encerrando as tardes de debates. O cantor Chico César, a Orquestra de Violoncelos da UFRN e Valéria Oliveira foram os nomes escalados para o evento.

O EELP é uma realização da Prefeitura de Natal em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UnP, UCCLA e a TAP linhas áreas.

Micarla diz que este é o “evento experimental”

Segundo Micarla de Souza, a partir do momento que o evento foi realizado em Natal, a cidade passará a ser a sede deste encontro, que já tem edição confirmada para 2011. A prefeita disse que o evento está em fase experimental e que por isso está sendo realizado no Teatro Alberto Maranhão. “Quem sabe nos próximos anos colocaremos em lugares cada vez maiores”, disse Micarla.

Em discurso, a prefeita Micarla disse que o Encontro de Escritores de Língua Portuguesa é o resultado de uma parceria firmada nos meses de junho e de julho de 2009, durante o Natal em Lisboa e Lisboa em Natal, encontros que foram patrocinados pela prefeitura local.

Também enalltecendo as ações da UCCLA, o coordenador cultural da entidade portuguesa, Rui d’Ávila Lourido, disse ser esta “a primeira vez que um encontro com este formato é realizado pela instituição portuguesa em seus 25 anos de existência”.

Serviço

Inscrições para o EELP http://www.natal.rn.gov.br/funcarte/paginas/ctd-900.html.

Tribuna do Norte
27-04-2010

Planetário do Rio encerra as atividades do Spacemaster , depois de 40 anos de atividades


RIO - O planetário Spacemaster, que há 40 anos realiza sessões de filmes sobre astronomia, vai fechar as portas a partir do dia 30 de abril. Durante o período de pausa nas atividades, a cúpula Galileu Galilei será reformada e equipada com aparelhos digitais.

A modernização do Planetário está orçada em R$ 2 milhões e vai contar com a parceria da Finep (Fi-nanciadora de Estudos de Projetos). O projeto vai aumentar a capacidade de atendimento ao público em 30%.

Inaugurada em novembro de 1970, esta será a primeira mudança de equipamentos da Galileu Galilei. Para receber os novos projetores digitais, algumas mudanças serão realizadas na cúpula. As poltronas serão substituídas por outras mais confortáveis, além de serem distribuídas no formato estilo cinema, e não mais circular como é atualmente. Além disso, o novo formato da cúpula terá disposição para cadeirantes.

Após a reforma, o Spacemaster ficará em exposição no Museu do Universo, no Planetário da Gávea.

O Globo
26-04-2010

Maior telescópio do mundo será construído no Chile


A organização europeia para a astronomia (ESO, na sigla em inglês) anunciou nesta segunda-feira ter escolhido o território chileno de Cerro Armazones para construir o maior telescópio do mundo, o European Extremely Large Telescope (E-ELT).


Cinco países - Espanha, Marrocos, África do Sul, Argentina e Chile - competiam para abrigar o telescópio óptico, com custo estimado em 1 bilhão de euros e que deverá ficar pronto em 2018, depois de sete anos de obras.

Muito esperado pela comunidade científica, o E-ELT terá um espelho sem precedentes, com diâmetro de 42 metros, que permitirá observar o universo e suas galáxias como nunca antes.

O telescópio será instalado no norte do Chile, a uma altitude de 3.060 metros no deserto de Atacama, segundo um comunicado da ESO, com sede em Munique (sul da Alemanha).

Entre os fatores que infuenciaram a decisão de escolher o local estão a qualidade da atmosfera e o custo da contrução, segundo o ESO.

O sítio chileno garante mais de 320 noites claras por ano, e o governo ofereceu, além disso, ao ESO, um amplo perímetro de terreno em torno da futura instalação científica, a fim de evitar qualquer tipo de poluição luminosa, no caso de eventuais assentamentos de minas na região, num futuro.

O E-ELT "será o maior olho do mundo dirigido para o céu" e "nos permitirá, talvez, mudar nossa percepção do universo como o fez o telescópio de Galileu há 400 anos", afirmou Tim de Zeeuw, diretor do ESO.

fc/lb/sd
Terra

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Objeto não identificado cai em Israel (vídeo)




'Meteorito' cai e pega fogo em praia em Israel

Objeto não identificado, que seria fragmento de meteorito, começou a queimar quando atingiu o chão, dizem testemunhas.

Um objeto não identificado, que acredita-se ser um fragmento de um meteorito, caiu em uma praia perto de Tel Aviv, em Israel.

A polícia israelense divulgou essas imagens, gravadas em telefones celulares, que mostram algo em chamas na cidade de Bat Yam.

Testemunhas disseram que o objeto começou a queimar quando atingiu o chão.

O objeto foi levado para ser analisado por especialistas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Estadao.com
26-04-2010

Quem envia sinais de rádio a partir da galáxia M82?

Galáxia M82 (Crédito: NASA, ESA e The Hubble Heritage Team)


Investigadores desconhecem objecto que emite ondas nunca antes observadas em todo o Universo

Algo estranho está a passar-se nas proximidades da nossa galáxia. A menos de 12 milhões de anos-luz da Via Láctea, um misterioso objecto começou a emitir ondas de rádio, numa forma que era desconhecida até ao momento em todo o Universo.

Os astrónomos questionam-se sobre o que pode estar a causar as estranhas emissões, mas a verdade é que estes sinais não são compatíveis com nenhum dos fenómenos conhecidos.

Segundo os cientistas, a resposta mais plausível terá a ver com a própria galáxia onde se encontra o estranho emissor. A M82 é, de facto, uma starburst galaxy, ou em português, uma galáxia de explosão estelar, na qual a taxa de nascimento de estrelas é muito superior a uma galáxia normal.

Por este motivo, a M82 é até cinco vezes mais brilhante que a Via Láctea. No entanto, e após um ano de intensas observações, a realidade é que ninguém sabe ainda explicar a razão das microondas.

“Não sabemos o que é”, afirma Tom Muxlow, do Centro de Astrofísica Jodrell Bank, na Grã-bretanha, e co-descobridor deste fenómeno.


Sala de controlo do Centro de Astrofísica Jodrell Bank


Velocidade mais rápida do que a luz

A estas características insólitas junta-se mais uma também surpreendente: a velocidade aparente do objecto é quatro vezes superior à da luz, ou seja, um milhão e duzentos mil quilómetros por segundo.

Até então, essas classes de velocidades supraluminais tinham sido apenas observadas em fluxos de matéria que expelem alguns dos maiores buracos negros do Universo.

“O novo objecto, que apareceu em Maio de 2009, deixou-nos a pensar. Nunca tínhamos visto nada sequer parecido”, assegura Muxlow.

Brilho intenso e constante

Desde essa data, os investigadores têm estudado algumas das características da galáxia. Por exemplo, a rotação e o brilho: “O objecto gira muito rapidamente, uma vez a cada poucos dias e o brilho não dá sinais de atenuar desde que foi detectado”, explica o cientista.

Estes dados descartam a possibilidade de o objecto ser uma supernova, algo considerado habitual em galáxias como a M82. Se assim fosse, o objecto brilharia em longitudes de onda de rádio durante apenas algumas semanas para depois ir apagando-se em poucos meses − o que não está a acontecer a este objecto, cujo brilho permanece constante.

Imagem rádio da M82 através da MERLIN. Captada entre 25 de Abril e 3 de Maio de 2009,
demonstra a aparição súbita do misterioso objecto


O objecto, ainda sem nome, foi descoberto casualmente enquanto a equipa de Muxlow estudava uma explosão estelar na M82, utilizando a rede de radiotelescópios britânica MERLIN. Os cientistas depararam-se com um potente emissor que, ao contrário das supernovas não se apagava lentamente, mas que mudava de intensidade de brilho ao longo de todo o ano, mantendo um espectro constante.

Os restos de uma explosão de estrelas

O objecto em questão não esta próximo do centro do M82, onde o grande buraco negro central pode expulsar matéria a velocidades aparentemente similares, mas encontra-se na sua periferia, onde esta classe de fenómenos relativistas não é de todo possível.

Existem poucas possibilidades que expliquem a existência do objecto. Uma delas é que se trate de um pequeno microquasar, ou seja, o restante de uma explosão de uma estrela massiva, um pequeno buraco negro ou uma estrela de neutrões de entre dez a vinte massas solares que começa a alimentar-se de uma outra.

Os microquasares emitem ondas de radiofrequência, mas nenhum dos anteriormente observados o faziam com intensidade detectada no M82.

Alem disto, os microquasares emitem também raios X, mas o misterioso objecto permanece em silêncio absoluto nessas longitudes de onda.

Impressão artística de um microquasar


Corpos densos numa galáxia especial

Poderá tratar-se de um megamicroquasar? Muxlow não se atreve a afirmar tal coisa e prefere não arriscar até possuir mais dados. Para o investigador, a melhor explicação é que esta estranha fonte de rádio é alguma classe de corpo muito massivo e denso, talvez um buraco negro numa estrutura pouco habitual.

Como a M82 é uma galáxia com uma elevada taxa de formação estelar, pode ser que essa característica lhe permita a existência de tais objectos, desconhecidos nas outras galáxias.

“Acabamos de começar a processar os dados da região central da M82 procedentes de vinte radiotelescópios de todo o mundo. Essas imagens vão permitir-nos examinar a estrutura da nova fonte de rádio com mais detalhe. De qualquer modo, processar uma quantidade tão grande de dados será um trabalho árduo e penoso”, afirma Muxlow que conclui: “Só depois poderemos dizer efectivamente se se trata ou não de uma forma rara de microquasar” ou de algo novo e completamente desconhecido até ao momento.

Ciência Hoje
22-04-2010

Investigadores revelam o que ler pelo menos uma vez na vida

O debate reuniu José Xavier, Miguel Castelo Branco, João Fernandes, Ana Noronha (moderadora),
Carlota Simões e David Marçal (Clique para ampliar)


Ciência Viva e Fnac no Dia Internacional do Livro

2010-04-24
Por Susana Lage (texto e fotos)

No Dia Internacional do Livro, que se comemorou ontem, cinco investigadores reuniram-se em Lisboa, no Centro Comercial Vasco da Gama, para partilharem os seus livros científicos preferidos.

José Xavier, investigador do Instituto do Mar da Universidade de Coimbra, apresentou dois livros “que tiveram um impacto bastante grande e que são complementares”, como o próprio descreve.

“Um é de Kary Mullis e chama-se ‘Dancing naked in the mind field’. O que é excelente neste livro é ser muito fácil de ler,. Ficamos motivados para fazer ciência e mudou a minha percepção de fazer ciência. Esta pode ser fácil, faz-nos questionar e sermos curiosos acerca das coisas”, explica o cientista polar.


Uma das escolhas do investigador José Xavier foi um livro da colecção Uma Aventura


O outro livro apresentado pelo investigador foi ‘Uma Aventura em Alto Mar’, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. “Leva-nos a uma área do planeta a que nunca pensámos chegar e diz o que é que é verdade na aventura. Isto é, revela que a história foi baseada em cientistas portugueses ‘de carne e osso’”, explica.

‘Proust era um neurocientista’, de Jonah Lehrer, foi a obra partilhada por Miguel Castelo Branco. Segundo o cientista, “é um livro muito engraçado porque fala da dicotomia entre a arte e a ciência e aborda a questão se as duas coisas são compatíveis”.


Miguel Castelo Branco revelou o entusiasmo por Proust


Mesmo não concordando com tudo o que o livro descreve, o investigador sublinha:“Põe-nos a pensar muito e uma das grandes mensagens que transmite é que os artistas têm uma intuição sobre a realidade que muitas vezes antecipa aquilo que se descobre nas neurociências”.

João Fernandes descreve como “violento” o livro que apresentou. “Eu levei um murro”, revela o investigador do Observatório Astronómico de Coimbra. “E trago-o aqui por razões pessoais”, acrescenta. A obra ‘Um Pouco Mais de Azul’, de Hubert Reeves, representou para o astrónomo uma série de descobertas. “Percebi bem a escala do Universo através de uma imagem do livro. Depois descobri que a astronomia era muito interessante porque há coisas que não podemos tocar. A astronomia vive muito da luz que nos chega dos objectos”, exemplifica.

O investigador João Fernandes recomendou um livro que lhe ajudou a conhecer o Universo


Outro aspecto que João Fernandes sublinhou foi a descoberta de que as pequenas coisas são fundamentais, mesmo num extenso e vasto Universo. “Se pensarmos que foi graças a elementos químicos simples que o Universo evoluiu, percebemos também a importância das pequenas coisas”.

O livro ‘Sidereus Nuncius’, traduzido por ‘O Mensageiro das Estrelas’, foi recomendado por Carlota Simões, investigadora do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra. A também pianista apresentou cinco razões que tornam imprescindível a leitura desta obra de Galileu. “Acho que este é o primeiro livro de divulgação científica de sempre e que inicia o método científico”, afirma a cientista.

Carlota Simões recomendou um livro com 400 anos que ainda hoje se mantém actual


“A segunda razão é porque tem 400 anos mas só agora foi traduzido para português”. O terceiro motivo prende-se com o facto do livro ser “uma estreia também no cinema porque Galileu acompanha as suas observações com ilustrações”. Este é “o primeiro livro interdisciplinar entre arte e ciência uma vez que Galileu era cientista e dominava a arte da aguarela e do desenho”. Por fim, a quinta razão “é que apesar de ter 400 anos é completamente actual”.

David Marçal, investigador e autor de humor científico, partilhou com o público “O Sistema Periódico”, escrito por Primo Levi. Este livro é uma colecção de pequenas histórias, a maioria episódios de vida do escritor, e todos estão relacionados, de algum modo, aos elementos químicos.

O químico David Marçal partilhou as passagens preferidas da obra Primo Levi


“O Primo Levi, além de ser cientista é um autor reconhecido pelo seu valor literário”, afirma David Marçal. De acordo com o cientista, “é importante perceber que o nosso conhecimento pode-nos permitir trabalhar em muitas áreas e o Primo Levi conseguiu trabalhar tanto na indústria extractiva de minérios como na investigação biomédica e outros variados sectores de actividade.”

Ciência Hoje
26-04-2010


sábado, 24 de abril de 2010

O Elo Perdido de Darwin


Charles Darwin - cientista, naturalista, autor do livro - "A Origem das Espécies"


“O Espiritismo é a ciência nova que vem revelar aos homens por meio de provas irrefutáveis, a existência e a natureza do mundo espiritual e as suas relações com o mundo corpóreo.”

Com base nisso, a doutrina apoiada no raciocínio do processo de várias vidas do espírito e em cujo processo o leva a seu aperfeiçoamento moral e intelectual, nos dá margem para refletir acerca da nossa evolução ou como falou o eminente cientista britânico Charles Darwin, no seu livro: “ A Origem das Espécies”.

Tendo como premissa as perguntas que o eminente professor e cientista hu-manista Allan Kardec fez aos Espíritos por intermédio das médiuns, podemos aqui citar uma e dela observarmos o seu desdobramento feito pelo professor Hyarbas em seu livro “Conversando com Kardec”, - volume II da Coleção Entrevistando Kardec - quando fala exatamente acerca do momento de transição do reino animal para o reino hominal.

É bom ressaltar que foram os próprios espíritos que o orientaram a fazer estes desdobramentos, de todas as 1019 respostas das perguntas que foram feitas, no ano de 1857, na obra de Allan Kardec, “O Livro dos Espíritos”.

Sob a orientação de Bezerra de Menezes três espíritos o ajudaram nesta tarefa: Aécio, Aldo e Carlos, representando respectivamente, Ciência, Filosofia e Religião, que é a base desta doutrina espiritista.

O trabalho foi constituído através de inspirações espirituais, aliado à suas pesquisas e conhecimento enciclopédico adquirido ao longo de sua vida.

No caso em pauta, foi observado na pergunta do Kardec de nº 61: _“Há uma diferença entre a matéria dos corpos orgânicos e inorgânicos?” Resposta: “É sempre a mesma, mas nos corpos orgânicos é animalizada.”

É a partir daí que entra o professor Hyarbas fazendo o desdobramento desta questão da seguinte forma e evidenciando nele a questão do elo perdido, que Darwin e a ciência paleontológica não encontraram, até os dias de hoje.

O ilustre cientista e naturalista jamais encontraria, haja visto que o mesmo foi formado ainda no Plano Espiritual pelos Engenheiros Siderais e de acordo com a vontade maior do nosso Pai Celestial. É onde ocorreu num dado momento, num dado tempo, quando ainda o planeta Terra era um mundo primitivo, a transformação do reino animal irracional para o reino animal racional ou hominal, como queiram
. Em momento oportuno foi colocado no ser, não obstante ainda ter uma formação corporal animalizada, um ingrediente espiritual denominado “razão”, sendo que a partir daí houve o nascimento do homem, primeiro ser com raciocínio próprio, ainda que incipiente, não mais animal, mas filho de uma fêmea com um macho, ainda primatas irracionais.

Não se precisaria em qual dado momento ele nasceu, mas podemos observar o raciocínio óbvio de que foi em vários locais e pode-se dizer que foi quase que ao mesmo tempo, como mostra a Paleontologia nos dias de hoje, com suas descobertas.

Foi para acontecer tudo isso, ou seja, toda uma evolução da espécie, que o Criador em Sua misericórdia, nos promove “N” oportunidades para progredirmos rumo à perfeição moral e intelectual.

No livro do professor Hyarbas são feitas explanações em que são colocadas informações e que delas pode-se tirar conclusões óbvias ao seu raciocínio.

Diz o Professor Hyarbas em seu livro “Conversando com Kardec (Editora O Consolador, 1984 – BH/MG):

“Matéria animalizada
Dentro do relativo em que nos demoramos, termos são criados para iniciar-nos em direção ao entendimento maior. Vários desses termos, como já tivemos ocasião de considerar, perdem o seu significado original, com o correr dos tempos e conseqüente atualização cientifica. Um desses vocábulos é, sem dúvida, “animal”.

Etimologicamente, “animal” significa “objeto com alma” [latim: anima, alma + ale, objeto = animale]. Hoje em dia a palavra “animal” é um código de variada conotação. No princípio, entretanto, como provavelmente se pensava que a vida fosse apanágio das espécies superiores, ela servia, apenas, para designar os seres hoje pertencentes ao reino animal. Ora, a partir do momento em que a vida passou a ser admitida também no reino vegetal, “animal” etimologicamente falando, sofreu sua primeira contestação como força expressiva.

A ciência ainda se debate na tentativa de fixar os limites da vida.

Se, antes, essa idéia se nos apresentava enganosamente clara, pós a desco-berta do microcosmo as dúvidas se multiplicaram. O que é recente para a Ciência, contudo, não constitui qualquer novidade para os ocultistas, para os metafísicos de todas as épocas. Para esses últimos a vida persiste em tudo.

Não obstante o persistir ilimitado da vida, o nosso entendimento ainda carece de subdivisões. Deixando de lado as fases anteriores, para nos atermos somente no que direta ou indiretamente nos afeta os sentido, dividiríamos a vida em mineral(ou inorgânica), vegetal, animal e hominal. Demarcaríamos pontos intermediários entre esses quatro reinos e, dessa forma, votaríamos no vírus como exemplo de vida em transição do mineral para o vegetal, até que a Ciência nos forneça um candidato melhor aquinhoado. E escolheríamos as riquétsias como intermediárias entre vegetais e animais, e um primata qualquer como o elo entre animal e o hominal.

Chegados a esses pontos, recorreríamos ao plano espiritual, admitindo que ele, consoante esquema do Criador, traria ingredientes desconhecidos, os quais, a-crescentados às diversas organizações, fariam com que esses se transformassem, sucessiva e respectivamente, do mineral ao hominal.

Ingrediente Espiritual Ainda não se pôde detectar, na matéria, qualquer substância que possa ser responsabilizada pelo manifestar da vida. Sabemos subs-tâncias, como o ácido nucléico, tido como imprescindível na organização do ser vivo. Mas também sabemos que a sua só presença não é suficiente, porque ele não de-saparece com o fenômeno da morte, nem tampouco se vivifica coisa alguma com o simples acréscimo desse ácido, ou qualquer outro. Conhecemos a vida através de suas manifestações e, uma vez constatada a sua presença, partimos em busca de sua causa.

Assim, um ser é mineral até um certo ponto, após o qual, acrescenta-se-lhe um determinado ingrediente, provindo da espiritualidade maior, e ele se torna vegetal. Evolui até certo ponto, e novo ingrediente é acrescentado. Eis o animal. Nova era desenvolvimentista, incontáveis reencarnações e, num dado momento, novo ingrediente espiritual, a que chamamos de “razão”, que é própria do homem.
.
Convém lembrar que, sendo a matéria apenas o revestimento, a “roupagem” do ser em questão, não é ela que recebe o ingrediente, mas o espírito. O principio espiritual, pois, que é programado para habitar e dirigir as transformações orgânicas do vegetal, como primeiro estágio da vida organizada, é que, ao se afastar, favorece a desagregação dos elementos componentes do corpo. Com seu afastamento, leva consigo as diretrizes fenomênicas, deixando a matéria à mercê das forças exteriores, no fenômeno que se chamou de “morte”.

Por extensão, fenômeno semelhante ocorre nos demais reinos, animal e homi-nal. Após o afastamento do espírito, a matéria se nivela à que compõe os minerais e, com as transformações no tempo, com ela se confunde. Donde se induz que a matéria é sempre a mesma. O espírito é que lhe imprime diversificações.

Ao nível observacional, aparecem notórias algumas diferenças entre os corpos que se compõem de matéria orgânica e inorgânica: nos primeiros a matéria apresen-ta contornos arredondados, enquanto que nos segundos ela se mostra com predo-minância de retas; nuns, ela apresenta um esquema metabólico, uma proporção mais ou menos constante de substancias nas células; noutros, as transformações físicas e químicas se processam à revelia do ser, e de acordo, exclusivamente, com as condições ambientais. Além, obviamente, de outras características da organiza-ção, como o movimento, o crescimento, a reprodução, a capacidade de reagir a es-tímulos, etc., que se manifestam enquanto permanece o espírito.

Ingrediente “razão” – Os corpos dos seres pertencentes ao reino mineral não apresentam qualquer reação a estímulos interiores ou exteriores. Nas plantas, as raízes apresentam o geotropismo; as folhas, heliotropismo. E, se um ferimento é produzido no tronco de uma árvore, uma reação misteriosa ocorre, favorecendo a cicatrização do corte. Num animal, além de uma semelhante reação do organismo, o ser apresenta outras atitudes diversas, instintivas, como a de lamber a ferida, para favorecer também a cicatrização. No homem as mesmas reações acontecem, mas ele, embora ainda presa de instintos, reage de uma maneira completamente diversa da dos demais seres, quando, por exemplo, procura medicar-se.
.
Mesmo reunindo todos os nossos conhecimentos científicos, filosóficos e ocul-tos, bem distantes nos encontramos da compreensão integral dos fenômenos psi-cossomáticos. O que já sabemos, entretanto, propicia-nos a certeza de nos encon-trarmos no caminho certo, porque, a cada dia, mais se aclaram os horizontes, maior números de mistérios deixam de sê-los. E outra certeza adquirimos: a de que a fe-nomenologia provém de uma Causa Primária e que essa, por sua vez, se divide em duas grandes forças: a inconsciente, ou irracional, e a consciente, ou racional.

É evidente que cada uma dessas forças se subdivide ao inimaginável e, às subdivisões já conhecidas, o futuro trará os esclarecimentos necessários. Mas po-demos admitir que a força inconsciente rege a totalidade dos fenômenos materiais, orgânicos ou inorgânicos, do mineral ao animal. Com efeito, vemos a matéria com-ponente desses corpos passar por transformações inteiramente à mercê dos seres por ela revestidos.

Já no homem, embora o inconsciente ainda exerça uma impressionante predominância, podemos observar a interferência de uma vontade própria, oriunda da força consciente a qual, por seu turno, somente se torna possível uma vez que o plano espiritual acrescenta, ao ser, o ingrediente “razão”.

A razão, o ingrediente, que diferencia o homem dos demais seres da natureza, proporciona a ele a capacidade de não apenas sentir os estímulos e a eles reagir, mas, sobretudo, de antepor a eles uma força nova: a vontade.

A vontade, que é consciente, a princípio frágil e vacilante, aos poucos [ através de incontáveis reencarnações] adentra os domínios do inconsciente, até que ne-nhum fenômeno ocorra, senão com o seu concurso.”
.
.
( Esse link, fala da descoberta de IDA, um fóssil que, é conhecido como "Elo perdido". considerado pelos cientista da época como Darwin, "como o maior dógma da Evolução".
.
---------------------------------
.
.
Os Fósseis que têm características comum de seus ancestrais,
são conhecidos popularmente como "Elo Perdido".
.
Ida, um lemur com 47 milhões, poderá mudar a forma como entendemos a Humanidade.
Este animal viveu há 47 milhões de anos mas, só agora , foi apresentado como um ancestral comum de macacos e seres humanos. Foi apresentado à imprensa por um grupo de ipaleontólogos no Museu de História Natural de Nova York por um grupo de paleontólogos.

O fóssil foi descoberto por um caçador de fósseis há 25 anos, em Messel, na cratera de um antigo lago perto de Frankfurt, na Alemanha, famoso pelos seus fósseis.
.
---------------------------
.
Matéria enviada gentilmente, por BOTTARY, nosso amigo do Elo e do Splish Splash Blog.

Parabéns, Hubble!


O telescópio mais famoso da História, o Hubble, cumpre hoje, sábado 24 de Abril, duas décadas em órbita. E continua em forma...A sua capacidade é tal que se olhássemos através dele para Tóquio a partir de Nova Iorque conseguiríamos ver uma mosca. Clique para visitar o canal Life & Style.

Manuel Tinoco de Faria (www.expresso.pt)
13:21 Sábado, 24 de Abril de 2010

Nome completo: Telescópio Espacial Hubble (Hubble Space Telescope). Idade: 20 anos. Actividade: fotografar o espaço enquanto dá voltas à Terra.

Para quem não conhece o seu portfolio, ficam algumas descobertas que nos foram transmitidas pelo telescópio mais famoso da História: a determinação da idade do Universo (treze mil milhões de anos); planetas extrasolares; os buracos negros; galáxias de diferentes tipos e formas...

Mais próximo do nosso planeta, o Hubble registou ainda acontecimentos únicos, como a colisão dos fragmentos do cometa Shoemaker-Levy contra o gigante Júpiter, em 1994. A lista de contributos para a Ciência continua. A Lei de Hubble, que estabeleceu que o Universo se encontra em expansão, só foi visualmente comprovada através deste autêntico observatório espacial.

No entanto, tinha começado mal. Primeiro, só foi lançado no dia 24 Abril de 1990, pela NASA e pela Agência Espacial Europeia (ESA), cinco anos depois do previsto, porque a tragédia do vaivém Challenger, na qual morreram sete astronautas, interrompeu o programa espacial norte-americano.

Depois, quando ficou finalmente em órbita, as suas primeiras fotografias estavam turvas e desfocadas. Descoberta a razão para a má qualidade das imagens -- defeitos de polimento no o espelho principal --, lá seguiram os astronautas Jeffrey Hoffmann e Story Musgrave em Dezembro de 1993 para o repara.

Desde então, o Hubble conseguiu calar todas as vozes críticas, mostrando pormenores nunca vistos de estrelas, nebulosas, explosões de raios gama, galáxias vizinhas e longínquas, etc.

Ao todo, o Hubble observou mais de trinta mil objectos celestes e tirou meio milhão de fotografias. Nestes vinte anos, o telescópio (13 metros de altura por 4 de diâmetro, pesando 11 toneladas) recebeu a visita de cinco missões de reparação e actualização. Como por vezes fica com vista cansada, as câmaras têm de ser substituídas.

A última missão de serviço realizou-se no ano passado, e não haverá outra. O Hubble continuará a observar o espaço até deixar de funcionar. Quando isso acontecer, cairá no oceano. A NASA prevê que chegue aos 25 anos de vida.

O seu sucessor já tem nome: chama-se James Webb Space Telescope, baptizado em honra do segundo administrador da NASA, James Edwin Webb.

Expresso.pt
24-04-2010

2012 – Fim do Mundo


Toda a Verdade!

2012 está aí à porta.

Como é normal, os profetas da desgraça, que a cada 10 anos aparecem com uma nova data de fim do mundo (e que se enganam sempre!), já estão a esfregar as mãos de contentes com o dinheiro que vão fazer com novas datas alarmistas.

Sim! Porque há sempre quem, movidos pela fé e contra todas as evidências (científicas e não só), continue a acreditar no Pai Natal.

Livros não faltam! Livros cheios de mentiras e especulações sem sentido, que são postos à venda só para os “vendedores de banha de cobra” fazerem dinheiro com os crentes pouco inteligentes que compram estes livros. Mesmo o Daniken, que já confirmou que é indiferente à verdade e que só escreve histórias fantasiosas para fazer dinheiro, já escreveu sobre este tema. E o Sitchin é o seu aprendiz.

Este livro é um desses exemplos.

Será que as pessoas têm a memória assim tão curta que nem se lembram do alarmadas que andavam com o ano 1997 e depois com o ano 1999 e depois com o ano 2000?

(e razões não faltavam: desde as pirâmides do Egipto, passando pelas profecias do Nostradamus, por um asteróide em rota de colisão, por um ciclo solar estranho, pelo vírus informático, e acabando nos profetas de quintal existentes em todo o lado)
E, apesar disso tudo, continuamos aqui…

Os Humanos têm a incrível mania de não aprenderem com os erros passados. Num período de 15 anos, ficam histéricos 7 vezes porque pensam que vai ser o fim do mundo!! Mas aprendem alguma coisa?

Não! Continuam a pensar que “o próximo é que é”. Enfim…

Vejam
este excelente gráfico que contrasta as crenças dos crentes com as razões dos cépticos:

In astroPT

Novos instrumentos para ver o nascimento das estrelas


Astronomia Os espectrógrafos e câmaras de infravermelhos de nova geração LUCIFER 1, desenvolvidos por uma equipa de técnicos e engenheiros alemães, italianos e dos Estados Unidos, já estão operacionais no Large Binocular Telescope (LBT), um dos telescópios mais potentes do mundo, instalado em Mt. Graham, no Arizona.

O anúncio foi feito pelos três parceiros do LBT e aquelas inovações tecnológicas vão permitir agora aos astrónomos novas possibilidades de observação da Via Láctea e do universo. Uma dessas possibilidades, por exemplo, é a da visualização do nascimento de estrelas, segundo os responsáveis do telescópio. O LUCIFER 1 permite a recolha de imagens em grande detalhe e uma das suas vantagens é que está equipado com uma mão robotizada que imprime à sua utilização um extremo rigor.

Um segundo instrumento do mesmo género será ali instalado durante o próximo ano.

DN Ciência
24-04-2010

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Nasa divulga foto de nascimento de estrela para comemorar 20 anos do telescópio Hubble


HOUSTON - Para comemorar os vinte anos de funcionamento do telescópio Hubble, a Nasa divulgou imagens inéditas do nascimento de estrelas na Nebulosa Carina. Elas capturam o momento em que um pilar de gás e poeira é "engolido" pela luz de estrelas vizinhas, enquanto de dentro do pilar estão saindo estrelas que acabaram de nascer.

Amanhã, o Hubble completa duas décadas de funcionamento. A Nasa divulgou hoje que o telescópio é uma dos mais bem-sucedidos projetos da agência espacial. Em 24 de abril de 1990, a equipe do STS-31 foi lançada ao espaço para colocar o Hubble em órbita. Desde então, o telescópio tem registrado imagens cada vez mais incríveis do espaço e abriu uma nova era nas pesquisas espaciais. Segundo a Nasa, as descobertas feitas com o auxílio do Hubble revolucionaram aspectos da Astronomia, desde a ciência planetária até a cosmologia.

Como parte das comemorações, a Nasa criou um site especial, com imagens, infográficos e vídeos interativos sobre o Hubble. Os internautas que acessarem o site também poderão deixar mensagem de parabéns para o Hubble e toda a equipe da agência espacial.

O Globo
23-04-2010

Tiquipaya


A MÃE TERRA EXIGE SEUS DIREITOS

Nidia Díaz

NÃO seria arriscado aventurar que Tiquipaya, a pequena localidade da não redimida Cochabamba vai fazer história. Lá reuniram-se mais de 20 mil pessoas aferradas à última esperança de salvar o Planeta, isto é salvar a Mãe Terra.

Cinco Chefes de Estado e dois prêmios Nobel pela Paz os acompanham nesta nobre cruzada, onde se dirime a existência mesma do mundo atual.

A mídia apenas dedica algum espaço, com sorte colocarão alguma nota superficial e de intencionada subestimação do que lá acontecerá. Os presidentes do Norte rico e desenvolvido seguramente não pediram a seus assessores que ponham o tema nas suas agendas de trabalho, se em definitiva eles não se interessam com isso. As grandes multinacionais, agressoras em boa medida da natureza e do meio ambiente, possivelmente nem sequer ouviram falar do assunto. Suas casas matrizes, situadas nos enormes arranha-céus, símbolos de seu poder e da mal chamada modernidade, estão muito longe de Tiquipaya. O que é Tuquipaya?, poderiam perguntar, caso comentarem alguma coisa a respeito disso.

Contudo, lá, na até agora preterida e esquecida Bolívia, iniciou-se uma batalha que nos interessa a todos e, embora não acreditassem, até a eles mesmos, os responsáveis por que estejamos aqui e por provocarem com seu sistema de consumo extremo o aquecimento global, causa das piores catástrofes naturais das últimas décadas, responsáveis também pela dívida climática que hoje nos atinge, sobretudo aos países do Sul, onde o subdesenvolvimento, o atraso, a pobreza e a abulia dos governos neoliberais impediram construir uma infraestrutura que em tempos de desastres naturais ajude os mais necessitados e salvaguarde a segurança coletiva.

Pôr um alto e começar a respeitar e a cuidar da Mãe Terra é o alerta que a partir de Tiquipaya se envia ao Planeta. Não é casual que a Bolívia seja o palco desta batalha decisiva pela vida. Como também não é casual que seja seu presidente, o indígena Evo Morales, o líder principal.

Em carta enviada à Primeira Conferência dos Povos sobre Mudança Climática e à de Direitos da Mãe Terra, o escritor Eduardo Galeano diz aos participantes, procedentes de 129 nações e dos cinco continentes ali reunidos, que "(...) o mundo todo... deveria escutar essas vozes".

"Elas nos ensinam — acrescentou — que nós, os humanos, fazemos parte da natureza, parentes de todos os que têm pernas, asas, pes ou raízes (...) A conquista européia condenou por idolatria os indígenas que viviam essa comunhão, e por crerem nela foram açoitados, decapitados ou queimados vivos".

E precisamente por manter aceso esse fogo eterno de amor pela Mãe Terra é que Evo Morales e seu povo se apresentam hoje como ícones desta luta. Manter o culto ao que eles denominam a "Pachamama" lhes dá autoridade moral para serem os líderes e exigirem pôr fim às lamentações eternas e aprovarem em benefício de todos dois instrumentos indispensáveis: um Tribunal de Justiça Climática que julgue os depredadores da natureza, ua casa que ue estipaya em defesa da inacional e de um governo submisso aos ditames do governo dquer sejam governos, quer empresas, e a criação dum organismo mundial que defenda os direitos da Terra, porque se não há uma organização que controle as normas que se estabeleçam nas cúpulas internacionais, jamais haverá nada nem ninguém que obrigue as indústrias e os países desenvolvidos a cumpri-las.

Ambas as propostas foram feitas por Evo Morales, que responsabilizou o sistema capitalista pela deterioração acelerada do ecossistema, provocado pelas emissões de dióxido de carbono à atmosfera e pelo aquecimento global.

No discurso inaugural da Primeira Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática e os Direitos da Mãe Terra (Cmpcc), Evo expressou que "a causa principal da destruição do planeta Terra é o capitalismo e, como povos que habitamos, que respeitamos esta Mãe Terra, temos o direito, a ética e a moral para dizer aqui que o inimigo principal da Mãe Terra é o capitalismo".

"O sistema capitalista busca a máxima obtenção de lucros, promovendo um crescimento ilimitado, um planeta finito. O capitalismo é fonte de assimetrias e de desequilíbrio do mundo", afirmou Evo ao denunciar a pobreza em que vive metade da população mundial.

Acrescentou que "mais de 2,8 bilhões de pessoas vivem com menos de dois dólares ao dia. Para o capitalismo os seres humanos somente somos consumidores e força de trabalho, as pessoas valem pelo que têm e não pelo que são". Nesse sentido denunciou que o sistema econômico mundial imperante mercantiliza a água, a terra e até a cultura.

Finalmente salientou que "enquanto não mudemos o sistema capitalista, as medidas que adotemos terão um caráter limitado e precário", o qual estabelece um dilema existencial: "continuar pelo caminho do capitalismo ou a morte, ou empreender o caminho da harmonia com a natureza e o do respeito à vida para salvar a humanidade".

Com tais argumentos inaugurais, iniciaram as jornadas de trabalho onde milhares de participantes se dividiram em 17 mesas de trabalho para analisarem igual número de temas, entre os que destacam as causas estruturais da mudança climática, os direitos da Mãe Terra, um referendo mundial sobre mudança climática, os refugiados climáticos, a dívida ambiental, o protocolo de Kyoto, a transferência de tecnologias e estratégias de ação, entre outros,

A Declaração Final e as conclusões de todos e cada um destes temas serão entregues à Cúpula da Mudança Climática que terá lugar no México, que dá continuidade à de Copenhague e sobre a qual não poucos expressaram cepticismo, levando em conta o fracasso da anterior.

Tal e como explicou o presidente boliviano, "não teria sido necessário convocar para a Conferência Mundial dos Povos na Bolívia, se na Cúpula de Copenhague se tivessem tomado acordos para contribuir para a preservação da natureza e para eliminar políticas irracionais de industrialização.

"Queremos revelar as pretensões imperialistas do chamado Acordo de Copenhague, um entendimento elaborado por uma minoria de países que busca aumentar a temperatura global do planeta acima dos 4 ºC, fato que traria consequências catastróficas para a humanidade".

Nesse sentido, lembrou que "em Copenhague os industrializados queriam impor um documento não para salvar a vida, mas sim para alentar a política contaminadora do meio ambiente.

Com este pano de fundo e convictos de que somente a força da luta dos povos poderá conseguir que se respeite a vida no Planeta e o Planeta mesmo, decorreram as primeiras jornadas desta reunião que, quando este jornal esteja circulando, terá terminado com um grande ato de massas no estádio de Cochabamba, segundo o previsto pelos organizadores.

Tal e como aconteceu há uma década lá, quando se desencadeou a chamada "guerra da água", onde os bolivianos se enfrentaram com sucesso ao poder de uma multinacional e de um governo submisso aos ditames do governo dos EUA, tornando possível, meses depois, a vitória de Evo Morales nas urnas, as jornadas de Tiquipaya em defesa da Mãe Terra terminarão no triunfo da vida sobre um sistema condenado à morte.

Os acordos que surgirem desta Primeira Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática e em Defesa da Mãe Terra não serão esquecidos. Serão monitorados por aqueles que já são muitos, empenhados em salvar sua casa que é o habitat de todos. Tomara, como expressara Galeano, que os surdos de sempre escutassem.

Digital Granma Internacional
22-04-2010

Binho Marques participa de 3º Fórum dos Povos Indígenas

Fórum consolida etapa da política indigenista do Governo que apresentou Plano de Valorização dos Povos Índígenas, além de assinar convênios do Plano de Gestão Territorial Indígena (PGTI) no valor de R$2.806.990,00
(Fotos: Sérgio Vale/Secom)


Escrito por Edmilson Ferreira
23-Abr-2010


Mais de 100 lideranças de 15 etnias participaram do evento representando 33 comunidades indígenas do Acre

O governador Binho Marques participou nesta quinta-feira, 22, do encerramento do 3º Fórum dos Povos Indígenas do Acre, na Aldeia Ipiranga, Terra Indígena Puyanawa, em Mâncio Lima. Iniciado no dia 19 de abril, o Fórum contou com a participação de de 100 lideranças indígenas, representando 33 Terras Indígenas de 15 etnias de todo o Estado. Estiveram presentes também o prefeito de Mâncio Lima, Cleidson Rocha; o presidente da Assembleia Legislativa do Acre, Edvaldo Magalhães; o assessor especial dos Povos Indígenas do Governo do Estado, Francisco Pianko; a deputada federal Perpétua Almeida; o deputado estadual Moisés Diniz; os secretários de Estado Henrique Corinto (Justiça e Direitos Humanos), Osvaldo Leal (Saúde), Nilton Cosson (Extensão Agroflorestal e Produção Familiar); Maria Correia (Educação); Carlos Resende (Florestas); o diretor-presidente do Instituto de Educação Profissional Dom Moacyr, Irailton Lima; o presidente da Fundação Elias Mansour, Daniel Zen; o assessor especial da Juventude, André Kamai; entre vários técnicos e gestores públicos, além de lideranças indígenas como Toya Manchineri, Biraci Brasil, e Joel Poyanawa. "Nós decidimos pelo caminho mais difícil, da construção de sociedades autônomas", disse o governador ao referir-se às dificuldades na implementação da política de valorização dos povos indígenas. "Mas estamos aqui concluindo uma etapa repleta de êxitos", completou, afirmando que é necessário manter o processo em andamento. "Nós podemos ir além. Precisamos concluir o que começamos. Hoje, me sinto seguro que governo e movimento indígena amadurecemos para uma nova fase. Nós agora estamos muito mais irmanados do que antes".

O fórum serviu para consolidação de uma etapa da política indigenista do Governo do Estado e apresentação do Plano de Valorização dos Povos Índígenas, além da assinatura de convênios do Plano de Gestão Territorial Indígena (PGTI) no âmbito do Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Sustentável do Acre (ProACre) no valor de R$2.806.990,00. O PGTI se constitui em um mecanismo pelo qual a população indígena define estratégias, prioridades e demandas de suas comunidades. O Governo tem atuado na valorização dos povos indígenas num diálogo de constante aprendizado. Pelo menos na metade das mais de 200 aldeias de quinze povos indígenas, a língua original ainda é mantida. Em 1999, 915 índios estavam matriculados, hoje são seis mil pessoas na educação bilíngue multicultural. Estão sendo construídas mais 22 escolas, sendo que três são de ensino médio. O governo investe ainda na formação dos professores.

No fórum, grupos temáticos forneceram subsídios para as políticas governamentais voltada ao índio. Ocorreram assinatura de convênios com associações indígenas para implementação do ProAcre. oje o Acre abriga 15 povos indígenas, falantes de idiomas dos troncos Pano, Arawak e Arawa. São mais de 16,5 mil pessoas, que vivem em 186 aldeias distribuídas em 36 terras As terras indígenas somam 7,7 milhões de hectares. "Este fórum marcou o início de um novo tempo", disse Francisco Pianko, afirmando que as comunidades saíram muito mais fortalecidas do encontro.

Binho Marques visitou o sistema de açudagem que está sendo implantado na Aldeia Ipiranga com recursos do BNDES (Fase 3). São quatro tanques de 30 metros por 50 metros, onde a comunidade começou a criar peixes como tambaqui, curimatã, piau, tambatinga, pirapitinga. Foram adquiridos 8.000 alevinos. O projeto custou R$28 mil. Nas terras indígenas do Acre são 47 açudes. A atividade começa a fazer parte da vida econômica e alimentar das aldeias. O melhor exemplo de desempenho está na Colônia 27, em Tarauacá, onde os índios Kaxinawa estão obtendo resultados expressivos. A partir da açudagem, muitos membros daquela comunidade conseguiram adquirir bens de valor, como carro e moto.

Segunda edição do Prêmio de Culturas Indígenas faz homenagem aos antigos líderes

No evento, foi feita a entrega dos diplomas aos vencedores do 1º Prêmio de Culturas Indígenas, que receberam R$ 10 mil para realizar projetos diversos, além da assinatura de convênio de R$180 mil para construção do Ponto de Cultura na Praia do Carapanã, na Terra Indígena Kaxinawá, e o lançamento da revista Povos Indígenas do Acre. Foram impressos 1.000 exemplares ao custo de R$80 mil. Na mesma cerimônia Binho Marques fez o lançamento da 2ª edição do Prêmio de Culturas Indígenas. "Neste ano, estamos homenageando as lideranças antigas. Assim, o prêmio recebe o nome de 2º Prêmio Prêmio Velho Suêro, da tribo kaxinawa", anunciou Daniel Zen. Apenas em cultura, os investimentos somam R$660 mil.

De 42 propostas, venceram a primeira edição do Prêmio de Culturas Indígenas os projetos Bunawa Festa da Banana, de Francisco de Assis Mateus de Lima (Hunikui Kaxinawá do Rio Humaitá); Pakari Mimawata Nikaki - Gravação de Músicas Pakari Hunikui , Assis Gomes da Silva Kaxinawá (Hunikui Colônia 27); VIII Festival Cultural dos Hunikui do Curralinho, de Antônio Carlos Alberto Nunes ( Hunikui Kaxinawá do Seringal Curralinho); República Nukini, de José Naldo Maneiro de Oliveira Nukini (Nukini de Mâncio Lima); Fortalecimento do Artesanato Tradicional, de Inácio da Silva Brandão (ShanenawaKatukina/Kaxinawá); Canto Cultural Beya Yuinã Para Proteção de Práticas CulturaisAldeia Jacobina I, HunikuiKaxinawá/Ashaninka do Breu; Fortalecimento das Pinturas Corporais Manchineri, de Lucas Artur Brasil; Fortalecimento da Dança do Katxa Tiri, de Valdir Ferreira; Criação de Site para Divulgação de Trabalhos dos Professores Indígenas Organização dos Professores Indígenas do Acre; Casa das Artes Associação dos Seringueiros do Rio Jordão; Keda Na Ada Heu Puyanawa - Cantos de Revitalização do Heu Puyavakebu; I Festival do Povo Jaminawa; Fortalecimento do Artesanato dos Nawa; V Festival de Dança Katxanawa Hunikui de Nova Olinda; Revitalização de Língua Materna; Produção de Vídeos Históricos na AldeiaVaulino Nunes Ferreira - Paroá Fortalecimento da Medicina Tradicional, Aldeia Buritizal; Fortalecimento Tradicional; Artesanato Ashaninka: Fonte de Conhecimento e Identidade Cultural Associação Ashaninka do Rio Moa - APIWTXA; Fortalecendo o Artesanato Hunikui.


Mais de R$2,8 milhões para fortalecimento da produção e autonomia comunitária

O 3º fórum definiu 16 PGTIs, os quais estão recendo recursos do ProAcre para ações de fortalecimento e autonomia das comunidades. "Os investimentos visam prover as terras indígenas de condições de produção e desenvolvimento", disse Nilton Cosson. Veja como ficou a distribuição dos recursos:


CONVÊNIOS DO PLANO DE GESTÃO TERRITORIAL INDÍGENA

Comunidade Valor do PGTI (R$)

Kampa do Rio Amonea 328.714,57
Ashaninka/Kaxinawa 209.641,40
Ashaninka/Kaxinawa 31.272,00
Colonia 27 49.006,48
Caucho 180.465,00
Humaitá 123.570,00
Rio Gregório (Yawanawa) 94.470,00
Rio Gregório (Katukina) 45.262,62
Rio Gregório 70.340,05
Katukina/Kaxinawa 150.569,00
Katukina/Kaxinawa 201.870,00
Kaxinawa Jordão 640.202,10
Campinas 165.348,35
Nukini 226.705,54
Puyanawa 179.104,00
Cabeceira do Rio Acre 110.492,00

TOTAL 2.806.997,20

Agência de Notícias do Acre
23-04-2010

quinta-feira, 22 de abril de 2010

22 de Abril - Dia Mundial da Terra

Dia Mundial da Terra

O Dia da Terra foi criado em 1970 quando o Senador norte-americano Gaylord Nelson convocou o primeiro protesto nacionalcontra a poluição. É festejado em 22 de abril e a partir de 1990, outros países passaram a celebrar a data.


Dia da Terra, uma questão de atitude

Marina Silva – Ministra do Meio Ambiente do Brasil

Neste ano, o terceiro do milênio no qual depositamos tantas esperanças, comemorar o Dia da Terra exige reflexão e compromisso. O planeta não vive seus melhores dias e nós, a assim chamada "espécie superior", andamos inseguros a respeito de nossa própria capacidade de fazer deste um mundo melhor.

O signo é de guerra, unilateralidade na resolução de conflitos, arreganhos do crime organizado, sensação de anomia e de abandono dos valores que costumavam ser nossas balizas, construtores de sentido existencial e códigos para ajudar a decifrar a essência da condição humana. Nesse clima, falar de paz virou coisa séria. Não basta a estética, nem mesmo a ética, ou a inocência, ou o devaneio.

É preciso militância. E não só a das ruas, circunstanciais e emotivas. Agora é também questão de escolha racional, com as conseqüências que isso envolve. É preciso que a paz seja uma opção política.

Ainda temos nos olhos as cenas terríveis do Iraque, pessoas sendo despedaçadas pela morte ou mutilação física e psicológica, pela destruição de suas referências. Mas, na contabilidade da guerra, são apenas danos colaterais, assim como o cerceamento da liberdade de imprensa e a perda de bens do patrimônio histórico da humanidade. Mesmo aqui, a salvo deste horror, sentados no sofá diante da TV, somos atingidos pela perda de valores, sentimos que nossa vida também ficou pior.

E sabemos que temos que fazer alguma coisa. Não lá no Iraque. Aqui. Dentro da nossa casa, na nossa vizinhança, na nossa cidade, no nosso país. No Dia da Terra, ou pensamos nisso tudo ou será uma data lamentavelmente vazia. Ela pode ser um símbolo forte do que parece estar-se perdendo: os valores humanos, espirituais e os naturais, entendidos, esses últimos, como aqueles que remetem à ligação essencial de cada um com o habitat planetário, obscurecida pela aparente auto-suficiência da tecnologia e dos "poderes" humanos.

Há certo consenso a respeito da proteção ambiental. Todos são a favor, mas, boa parte, só se for no "meio ambiente" alheio. Quer-se o bem da floresta amazônica, já as obrigações ambientais da empresa... Salvem-se as tartarugas e baleias, já reduzir o próprio lixo...Combata-se a poluição, mas não o uso intensivo do carro particular.

As unanimidades em prol da paz, do meio ambiente, do combate à pobreza, às vezes esquecem que é preciso construir na prática a solução para aquilo que incomoda a consciência. E que a construção começa no indivíduo e no que ele está disposto a fazer - ou a deixar de fazer - para a vida melhorar. Esta sim é uma questão de atitude.

Continuamos a produzir desastres ambientais e humanos. Eles lembram que ainda estamos na barbárie. A civilização de fato avançada ainda está a caminho e é tarefa para muitas gerações. Agride-se a Terra porque ela é vista apenas como fonte e suporte de bens para o mercado; destroem-se pessoas porque são vistas apenas como consumidoras e contingentes geopolíticos. Não sem razão o petróleo é um personagem tão destacado nas guerras presentes e passadas no Oriente Médio.

Também não sem razão as causas ambientais cada vez mais se confundem com seu espelho social e ético. Hoje procuramos soluções socioambientais, não só ambientais. Falamos em justiça ambiental como parte intrínseca da justiça social. A qualidade de vida é direito humano, assim como a saúde, a educação, a habitação. E acumulam-se evidências de que a atividade econômica não precisa ser predadora.

É desejável, viável e factível o caminho do desenvolvimento sustentável. Nada foi e nada será fácil na trajetória dessas idéias, mas elas se impuseram como alternativa e conquistaram adesões - ou, no mínimo, provocaram constrangimentos - em todos os segmentos da sociedade. Mexeram naquele recanto da mente e das emoções no qual está intacta a necessidade de ideais comuns e a crença de que um mundo melhor e sustentável é possível. Nós procriamos e criamos; é inevitável ter amor pelo futuro e compaixão pelo presente. O Dia da Terra exige uma atitude.

O sal da Terra

Roupa Nova e Ivete Sangalo

Composição: Beto Guedes - Ronaldo Bastos


Anda, quero te dizer nehum segredo
Falo nesse chão da nossa casa
Vem que tá na hora de arrumar
Tempo, quero viver mais duzentos anos
Quero não ferir meu semelhante
Nem por isso quero me ferir
Vamos precisar de todo mundo
Pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
Vamos precisar de muito amor
A felicidade mora ao lado
E quem não é tolo pode ver
A paz na Terra, amor
O pé na terra
A paz na Terra, amor
O sal da Terra
És o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro
Tu que és a nave nossa irmã
Canta, leva tua vida em harmonia
E nos alimenta com teus frutos
Tu que és do homem a maçã
Vamos precisar de todo mundo
Um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
É só repartir melhor o pão
Recriar o paraíso agora
Para merecer quem vem depois
Deixa nascer o amor
Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor
Deixa viver o amor

(O sal da terra)




terça-feira, 20 de abril de 2010

Vulcão na Islândia, entre em erupção depois de muitos anos adormecido


Nova imagem das cinzas do vulcão na Islândia

A Agência Espacial Européia acabou de divulgar uma nova foto espacial das cinzas do vulcão

Eyjafjallajoekull.

Tirada há menos de duas horas pelo espectrômetro médio do satélite Envisat, ela mostra a nuvem de material expelida na Islândia.

Cinzas vulcânicas afetam aviões e clima (16/04/2010)

A nuvem de cerca de 400 km de comprimento viaja a sudeste e pode ser vista na imagem como a mancha cinza-amarronzada.

O vulcão está emitindo fumaça e cinzas desde o início das erupções recentes, em 20 de março. Vôos em toda a Europa estão sendo cancelados, e espaço aéreo se encontra fechado em centenas de aeroportos.

A Agência Espacial Européia acabou de divulgar uma nova foto espacial das cinzas do vulcão Eyjafjallajoekull.

Tirada há menos de duas horas pelo espectrômetro médio do satélite Envisat, ela mostra a nuvem de material expelida na Islândia.

Cinzas do vulcão podem chegar ao Canadá


"Cinzas do vulcão"

Meteorologistas britânicos afirmam que as cinzas do vulcão Eyjafjallajoekull podem atingir a costa leste do Canadá nesta segunda-feira durante o dia.

Segundo o instituto britânico de meteorologia Met Office, a nuvem deve chegar à costa leste do país com altitude inferior à que tem sido registrado na Europa, causando menos transtornos à aviação civil.

O escritório prevê, no entanto, que no final do dia as cinzas que chegarem ao Canadá vão novamente se deslocar para o leste em direção ao Atlântico.
A imprensa canadense noticiou que, por precaução, alguns voos domésticos já estão sendo cancelados no país.

A companhia Air Canadá cancelou voos partindo da província de Newfoundland, que fica no extremo leste do país.

Segundo o jornal canadense The Globe and Mail, nove de treze voos saindo de Newfoundland foram cancelados.

A agência Environment Canada alerta que há 30% de chances de a nuvem afetar o espaço aéreo em cidades da província de Newfoundland.

Uma porta-voz da Air Canada disse ao jornal que está alertando seus passageiros sobre a possibilidade de cancelamentos e atrasos no país.

Vulcão da Islândia produz lava, mas cinzas diminuem

ESTOCOLMO (Reuters) - O vulcão na Islândia que causou um caos no tráfego aéreo europeu nesta segunda-feira, está produzindo lava e aparentemente expelindo mais vapor do que cinzas, disse o funcionário do serviço meteorológico

"Existe lava saindo das crateras e parando no gelo", disse à Reuters o meteorologista Hjorleifur Sveinbjornsson.

"A cor da fumaça é marrom, mas também tem bastante branco, então provavelmente tem mais vapor de água", afirmou.

Ele acrescentou que os tremores aumentaram na área e que o vulcão continua em erupção, mas aparentemente está lançando menos cinzas para o céu.
(Reportagem de Mia Shanley)



Erupção de vulcão de geleira na Islândia em 1821 durou dois anos
Última erupção de vulcão que provocou caos no tráfego aéreo europeu foi há quase duzentos anos.

A nuvem de cinzas que causou o cancelamento de voos em toda a Europa nesta quinta-feira veio de uma série de erupções de um vulcão em uma geleira na Islândia que começou no dia 20 de março.

Cinzas de vulcão islandês fecham aeroportos na Europa

Trata-se da primeira erupção desse vulcão em quase duzentos anos. De acordo com o site islandês de notícias Iceland Review, a última erupção na geleira de Eyjafjallajoekull durou dois anos, de 1821 a 1823.

Esta erupção provocou uma enchente, resultante do derretimento da geleira. Segundo o Iceland Review, há temores de que o mesmo ocorra de novo na região.
Apenas outra erupção tinha sido registrada na geleira antes, em 1612.

O vulcão em Eyjafjallajokull está entre os maiores da Islândia e é um dos poucos do país que pode ser classificado como estratovulcão, um tipo muito comum no resto do mundo, formado por camadas.

O vulcão tem 1.660 metros de altura e, a partir dos 900 metros, é coberto por gelo.
De acordo com informações na página do Instituto de Ciências da Terra da Universidade da Islândia, a nova fase da erupção do vulcão da geleira de Eyjafjallajoekull começou na meia-noite do dia 14 de abril, com tremores de terra e pequenas erupções, que foram visualizadas pela manhã.

Fogo e gelo

De acordo com o especialista em meio ambiente da BBC Richard Black, a erupção ocorreu debaixo da geleira e a força combinada do fogo e do gelo liberou a poeira em uma coluna que subiu mais de dez quilômetros. Mas, apesar da altura, Black afirma que a quantidade total de volume de material liberado é comparativamente pequena.

Especialistas acreditam que a poeira vai se dissipar naturalmente na atmosfera, caindo gradualmente na superfície terrestre. Para Dave Rothery, especialista em vulcões na Open University da Grã-Bretanha, a situação deverá se acalmar.
"Não acho que a erupção acabou, teremos mais questões ligadas à lava (expelida pelo vulcão), o que vai ser bom para os turistas.

Duvido que ocorra outra grande explosão, duvido que haja alguma outra enchente. Se a erupção continuar do jeito que está, acho que o pior já passou", disse.

Black afirma que vulcões são como um meio de vida para a Islândia, país que está localizado em uma região onde duas placas tectônicas se afastam uma da outra, com rocha derretida subindo, debaixo da superfície da Terra, para preencher as falhas.

Inundação e pastagens

Ólafur Eggertsson, fazendeiro de uma região próxima à geleira, relatou ao Iceland Review que sua fazenda foi atingida por uma enchente na tarde de quarta-feira. O rio inundou as pastagens e também trouxe lama.

Já em outra região próxima de Eyjafjallajoekull, fazendeiros e equipes de resgate estão recolhendo ovelhas dos campos devido à queda de cinzas causada pela erupção.

A fazendeira Sigurlaug Sigurdardóttir também relatou ao Iceland Review Online que na manhã desta quinta-feira estava tão escuro devido às cinzas que ele não conseguia ver a casa do vizinho.

"Há uma névoa cinza cobrindo tudo. Os carros estão cinzentos", disse.
O Iceland Review relatou também que a maioria das 700 pessoas que foram retiradas da região da erupção na quarta-feira já puderam voltar para suas casas.
infionline

Reuters

19/4/2010