sábado, 14 de agosto de 2010

Cheias no Paquistão: a maior crise humanitária na história da ONU


A ONU diz que serão necessárias centenas de milhões de dólares para o Paquistão recuperar das chuvas torrenciais que têm assolado o país

O aviso das Nações Unidas surge no dia em que mais de 1.300 aldeias no Paquistão estão em risco devido a falhas em duas barragens no país, que estão no limite da sua capacidade em consequência das chuvas torrenciais na região.

O enviado especial da ONU para o desastre, Jean-Maurice Ripert, disse que a necessidade de ajuda externa pode ser difícil de obter devido à crise financeira em curso em todo o mundo.

A ONU está ainda a calcular os números específicos, mas Ripert, em entrevista à agência Associated Press, advertiu que "a fase de emergência exigirá centenas de milhões de dólares" para a "recuperação e reconstrução" das zonas afectadas.

Diversos distritos da província Sindh estão em risco durante o dia de hoje: 1370 localidades nas margens do rio Indus, cujas águas estão contidas pelas barragens, estão "sob ameaça" e muitas encontram-se já inundadas.

A autoridade de gestão de desastres do Paquistão informa que pelo menos 1.162 pessoas morreram até agora em consequência das inundações mais graves na história do Paquistão, que atingiram 12 milhões de pessoas nas províncias de Punjab (centro) e de Khyber-Pakhtunkhwa (noroeste).

O porta-voz da entidade acrescentou que as autoridades já transportaram para lugar seguro quase meio milhão de pessoas e deverão fazer hoje o mesmo com dezenas de milhar de outras que permanecem em áreas de risco.

As chuvas torrenciais têm atingido outros países na Ásia.
Na Índia já morreram pelo menos 132 pessoas e há cerca de 500 outras desaparecidas, incluindo cinco turistas estrangeiros, cujas nacionalidades se desconhecem de momento.
Vídeo - site d1

2 comentários:

Bottary disse...

Minha Amiga Mazé,

Não sei se estou certo em minhas análises, mas creio que estas grandes inundações que estão acontecendo pelo mundo todo é fruto da destruição, também, da camada de Ozônio, camada esta a nossa única protetora, para que não se eleve tanto a temperatura da Terra e, por conseguinte, aumente o volume de chuvas que acontecem naturalmente na natureza.

Enquanto as autoridades não levarem a sério este problema, é certo que aumentarão ainda mais o volume de água.

Recentemente, não se deslocaram grandes icebergs das camadas de gêlos? Não é em razão do aumento da temperatura?

Caso ainda insistem em não dar assunto pra isso, grandes catástrofes poderão ainda acontecer.

abçs

Mazé Silva disse...

Olá meu amigo Bottary!

Você tem toda razão meu amigo Bottary. Cada dia que passa o ser humano está devastando o Meio Ambiente e causando esse desequilíbrio ecológico. O resultado disso tudo, são secas, em alguns lugares, enchentes como essa que está acontecendo no Paquistão e este ano já aconteceu em São Paulo, Rio e outros estados brasileiros.

Enquanto o homem polui, queima, desmata, joga na atmosfera através também da queima de combustíveis, diversos tipos de gases poluentes, tóxicos como o dióxido de carbono, monóxido de carbono, dióxido de enxofre e muitos outros que se não houver uma conscientização e parar de vez com essas ações destruidoras, o Planeta vai tornar-se inabitável, pois irá faltar água potãvel, a camada de ozônio irá cada vez mais deixar de existir, provocando doenças como cancer de pele, pois ela é um escudo que proteje a terra contra os raios ultravioletas do sol.O Efeito Estufa que com a presença desses gases poluentes ocorrerá o aumento da temperatura da Terra, provocando o desgelo da Antártida,ou dos dois polos, aumentando o nível de água dos mares, inundando muitas cidades que situam-se no litoral.

Bottary, como citei reforçando o que falaste sobre o desgelo, ocorrendo o aumento do nível dos oceanos e inundando áreas litorêneas. Temos vários exemplos do aumento das águas dos oceanos que já citei aqui em outra matéria. Citei que a Praia de Iparana, situada na Zona oeste de Fortaleza, está totalmente tomada pelas águas do oceano. As casas de veraneio foram devastadas, foi construido um paredão de pedra e que não resolveu nada. Não existe mais aquela areia branquinha onde os banhistas deliciavam-se com seus filhos, fazendo castelos, morros, escrevendo na areia, jogando frescobool e nada disso podemos mais desfrutar na Praia de Iparana.

Na Conferência Mundial em Copenhague, foi debatido todos esses problemas ambientais,entre os países que mais poluem e os que menos poluem e foi debatido mediadas que deverão ser tomadas para amenizar e cabar de vez com essa destruíção da Natureza, onde podera acontecer sempre o Progresso sem que haja uma destruição do habitat, para que ocorra o Desenvolvimento Sustentável.

Vamos esperar que as mais poderosas nações, que são as que mais poluem não deixe só no papel o que foi discutido debatido e as conclusões tomadas.

Precisamos de ações concretas e na tomada brevimente de executar essas ações.

Bottary esse é um assunto vasto e que muito deveria ser analisado, refletido por tida população.

Valeu pelo seu comentário.

Mazé Silva.