segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Brasileiro teria sido morto em Portugal por urinar na rua

Brasileiro é morto em Portugal; família aponta xenofobia










Por Mazé Silva




O que vou relatar aqui, não generalizo para todos os portugueses, pois devem existir as excessões.
.
Não há justificativa para matar alguém, elucidar com uma situação que está incomodando-lhe. E a morte desse brasileiro em Portugal, mostra mais uma vez que os imigrantes estão sujeitos a sofrer diferentes tipos de discriminações, de agressões, porquê os donos da casa, sentem-se invadido em seu espaço.
.
Este indivíduo infrator, não coloca-se no lugar do estrangeiro que está longe de sua pátria e muitas vezes submete-se a certos sacrifícios e humilhações, para poder viver bem em um lugar que ele buscou para melhorar a sua vida, e foi lá com a cara e a coragem na esperança de um dia poder viver sem maiores problemas financeiros, isto é, fazer economias para depois voltar ao seu país de origem.

Pelo que sabemos, o brasileiro morto, tinha a sua vida regularizada dentro do país. Ele pode ter usado uma atitude indescente, ao urinar na rua, problemas de cultura, mas este não era motivo do tal português tirar a vida do cidadão brasileiro, que não estava lá irregularmente, e, se tivesse, não seria motivo para ser morto.

A família aponta como Xenofobia, coisa que eu não considero como tal, pois não existe aversão, nem preconceito ou aversão a um estrangeiro e a sua cultura que justifique tamanha agressividade.

Para quem não sabe, a xenofobia, é uma aversão, ou profunda antipatia em relação aos estangeiros ou até mesmo a outras raças e culturas.

Ela pode manifestar-se, atavés de agressão ou como uma forma de exaltação acrítica de outra cultura.( Wikipédia)


Teve um certo instante de tanta raiva que o português citava: " Volta para a sua Terra, vagabundo"! Quanta violência, quanta falta de amor e isso vem acontecendo com brasileiras e brasileiros que vão trabalhar em Portugal. Eu tenho exemplo de amigas que lá estão já fazem dez anos e confessaram-me o quanto foram humilhadas em seu trabalho, onde os machistas portugueses queriam tratá-la como prostituta, mas ela mulher inteligente, desenrolada, soube driblar todos eles e dar-lhes uma boa lição de moral colocando-os em seus devidos lugares, para que os mesmos soubessem como respeitar uma mulher estrangeira e em especial brasileira que estava lá não pra se prostituir, mas para trabalhar honestamente.

É conhecido e sabido que existe um grande número de lusitanos que tratam suas mulheres como submissas a eles, obedecendo e ficando quietinhas como objetos desses homens que apesar de não serem brasileiros, e viverem em um continente do primeiro mundo, mas ainda estão longe de imcorporar a cultura e a civilização de países do mundo desenvolvido.

E nós brasileiros e brasileiras com toda humildade, estamos conquistando o nosso espaço no mundo globalizado, onde hoje somos a 8ª Economia do Planeta e temos prestígio perante as grandes potências mundias.

Chega de discriminação, aqui todos estudam ou procuram atualizar-se para viver participando na sociedade, gozando seus direitos de cidadãos. A alienação já ficou para trás, pois hoje podemos dizer que temos autonomia diante de um mundo capitalista e de competitividade.

Temos profissionais competentes preparados para o mercado de trabalho. A mão de obra especializada também cresceu bastante nos últimos anos e tenho o orgulho de dizer que tenho um irmão que é um grande profissional e trabalha como um Engenheiro de primeira linha, aposentado pela Petrobrás e hoje gerencia uma Empresa se não me engano da Bélgica, um dos países europeus.
.
E posso citar muito mais ainda, quando digo que, um dos maiores matemáticos da NASA é meu conterrâneo de Limoeiro do Norte, cidade interiorana, mas de gente inteligente e competente, assim como temos astronautas e cosmonautas brasileiros, que já nos deu o prazer e o orgulho de vê-los participando de uma viagem espacial, à Estação Espacial, o nosso Marcos Pontes, conhecido do meu irmão Nerton da Aeronáutica em Brasilia.
.
Então só pra concluir essa parte, a minha médica Dermatologista em uma de suas viagens pela Europa, passando pela Croácia e depois finalmente à Portugal, reclamou imensamente do tatamento dos portugueses( Mulheres), pelo seu jeito ignorante de lidar com os turistas. E se elas têm de que reclamar então vai reclamar delas próprias, pois foi de lá que herdamos muitos conceitos, costumes, mas somos gentis em receber aqui em nosso país qualquer estrangeiro que for, trataremos bem, sem abusos e indiferenças.
O Nosso próprio presidente Lula, este ano pacificamente ofereceu asilo político a uma estrangeira iraniana condenada à morte por suposiçoes de ter praticado o adultério, onde provalvelmente ela foi torturada para confessar essas e outras infrações que também não as cometeu.

Se acontecem morte aqui no Brasil não é porque queremos, a violência está explícita de uma forma que os motivos são vários pra que isso ocorra, como problemas sociais, questão de educação, da desigualdade existente ainda e que tentamos erradicar. Sabemos que tudo isso não vem do governo Lula, mas desde o início da colonização feita pelos portugueses, que já descriminavam a população, doando terras apenas para amigos da confiança do Rei de Portugal.

É uma história longa minha gente e que sem nenhuma justificativa, poderar tirar-se a vida de um cidadão quer seja brasileiro ou estrangeiro.

Obrigada pela atenção!



--------------------------------------------------------------------
Agressor teria sotaque português e estaria embriagado; polícia não comenta.

Crime ocorreu na cidade de Caldas da Rainha, ao norte de Lisboa.

Um brasileiro foi morto com uma facada em uma cidade ao norte de Lisboa (Portugal). Segundo a sua companheira, a vítima morreu porque urinou na rua.

Luciano Correia da Silva, 28 anos, natural de Rondônia, foi assassinado na madrugada do último domingo na cidade de Caldas da Rainha, distante cerca de 100 km da capital portuguesa.

A companheira de Luciano, a também brasileira Andressa Valéria, 26 anos, disse ao jornal Correio da Manhã que os dois haviam saído de um bar à noite e se dirigiam para a casa onde moravam, quando o brasileiro parou na rua para urinar.

Andressa afirma que uma pessoa com sotaque português e aparentemente embriagada começou a gritar com Luciano. Segundo ela, o agressor dizia: 'brasileiro de m....., volta para a tua terra, vagabundo'.

O homem teria puxado um canivete assim que Luciano fechou o zíper da calça. Neste momento, Andressa diz ter ido a um café ao lado para pedir ajuda. Quando voltou, ela viu Luciano no chão, atingido por um golpe profundo no peito.

O agressor fugiu, levando consigo o canivete. Luciano foi levado ao hospital, mas não resistiu ao ferimento.

A Polícia Judiciária (PJ) não deu informações sobre o crime, alegando que ele ainda está sob investigação. A assessoria de imprensa da PJ disse que a resolução destes casos costuma ser rápida, mas não quis prever quanto tempo isto pode levar.

O órgão afirma que as ofensas xenófobas podem ser consideradas um agravante, o que vai depender do julgamento.

Segundo Andressa, Luciano era serralheiro e vivia em Portugal havia quatro anos, tendo a sua situação de imigrante legalizada. O casal viveu junto por dois anos, junto com uma filha de Andressa, de um ano e nove meses.

http://BBC Brasil

Hein? James Blunt evitou a 3ª Guerra Mundial

SÃO PAULO - Em entrevista à rádio “BBC”, o cantor britânico James Blunt contou como
evitou a 3ª Guerra Mundial.

Hein? Blunt, que também é ex-militar, relatou seu ato de coragem, onde rejeitou uma ordem do general americano Wesley Clark de remover à força os soldados russos que tomaram o aeroporto de Pristina, capital do Kosovo, em 1999.

"Recebi ordem direta de render pela força os aproximadamente 200 russos que estavam lá. Eram soldados do Regimento de Paraquedistas, portanto obviamente estavam preparados para lutar", disse ele, que dirigia o batalhão britânico que se deslocou ao aeroporto.

O cantor afirma que, se tivesse atacado seus adversários, uma guerra de dimensões mundias se desencadearia, então preferiu desacatar uma ordem superior e correr o risco de enfrentar um julgamento militar.

"A ordem direta veio do general Wesley Clark. Tínhamos que rendê-los pela força e foram utilizadas palavras às quais não estávamos acostumados, como 'destruir'", relembrou Blunt.

Para sua sorte, o general do batalhão britânico Mike Jackson o apoiou, afirmando que não iria transformar seus soldados em responsáveis pelo início da 3ª Guerra Mundial, como explicou o cantor à rádio.

Corajoso, ele não mostrou arrependimento, pois sabia do risco que corria. "Há momentos na vida que você sabe que as coisas vão bem e momentos que você sente que vão absolutamente mal", afirmou o cantor, que deixou o exército em 2002, ao alcançar a fama com a música “You’re Beautiful”.

"Há coisas que, moralmente, é preciso rejeitar. E esse espírito de julgamento moral é algo que os soldados britânicos levam gravado dentro deles", concluiu Blunt.

Acompanhe o Famosidades no Twitter: http://twitter.com/Famosidades
.
Nota Elo ( Mazé Silva)
.
Esta matéria deixou-me curiosa e muito contente com a atitude tomada por um ex-militar e que hoje é um grande ser humano e brilhante cantor britânico, que nos agrada e encanta com suas canções melodiosas, além do grande músico e homem de coragem que ficará guardado para sempre em sua memória e em nosssa também pelo seu jeito corajoso e digo ainda, telentoso pelo maravilhoso artista que o é.
.
Destemido, James Blunt, teve a coragem e o destemor de tomar uma grande decisão, dígna de louvor, cujo pensamento do mesmo, estava voltado para a "Paz Mindial", chegando a não cumprir ordens de seus superiores, impedindo que assim não viesse a acontecer a 3ª Guerra Mundial.
.
Graças à Deus tudo deu certo em seus planos e hoje temos que agradecer a este rapaz que enfretou o exeército e correu o risco de ser julgado por tamanha façanha de uma grandiosa atitude de caráter exemplar.
.
.
.
Vídeo - iConcerts - James Blunt - You're Beautiful (live)


domingo, 14 de novembro de 2010

Hubble fotografa galáxia com a borda voltada para a Terra


Essa galáxia é parte do Aglomerado de Virgem, a 60 milhões de anos-luz




O Telescópio Espacial Hubble fotografou a galáxia NGC 4452, que parece estar coma borda voltada diretamente voltada para a Terra.

O resultado é uma imagem de bilhões de estrelas vistas em um ângulo incomum.

O núcleo brilhante pode ser visto ao centro, junto com um disco muito fino, que parece uma linha reta do ponto de vista da imagem. Um halo de estrelas na periferia da galáxia parece fazer a linha brilhar.

NGC 4452 foi observada pela primeira vez por William Herschel em 1784, na Inglaterra. Ele descreveu o objeto como uma nebulosa brilhante, pequena e alongada.

Essa galáxia é parte do Aglomerado de Virgem, que tem esse nome porque muitas das galáxias que o integram aparecem na constelação de Virgem. Esse aglomerado está a cerca de 60 milhões de anos-luz e contém cerca de 2.000 galáxias.

Acredita-se que o Grupo Local, quer inclui a Via-Láctea, esteja na periferia do Aglomerado de Virgem, e que será atraído para seu interior, pela ação da gravidade.


Descoberto sistema de dois planetas em órbita de estrela dupla


Mark A. Garlick/Divulgação

"Ilustração do sistema de NN Serpentis"

Um sistema binário, composto por uma estrela anã vermelha e uma anã branca que giram em torno uma da outra, abriga também dois planetas gigantes gasosos, diz artigo publicado no periódico Astronomy & Astrophysics. A estrela dupla, NN Serpentis, fica a 1.670 anos-luz da Terra.

Cientistas já suspeitavam que houvesse pelo menos um planeta no sistema, mas a equipe responsável pelo artigo, que inclui pesquisadores da Alemanha, EUA, Chile e Reino Unido, demonstraram que eclipses das estrelas e irregularidades no movimento dos astros, detectados ao longo de uma série de 20 anos de imagens, seriam melhor explicados pela presença de dois planetas gigantes.

O maior dos gigantes gasosos tem 6 vezes a massa de Júpiter e completa uma órbita da estrela binária a cada 15,5 anos; o menor tem 60% mais massa que Júpiter e faz uma órbita a cada 7,75 anos.

Um dos autores do trabalho, o pesquisador Tom Marsh da Universidade de Warwick, diz que, embora tenham massas diferentes, os dois planetas podem ter aproximadamente o mesmo tamanho, que seria ainda o tamanho da anã vermelha do sistema.

'Se seguirem o padrão que vemos no nosso sistema, de gigantes gasosos dominados pela cor amarela ou azul, fica difícil escapar da imagem desse sistema como uma gigantesca mesa de sinuca, com uma bola vermelha, duas bolas coloridas e a bola branca', acrescentou, em nota.

A anã branca é o que resta de uma estrela semelhante ao Sol. Há milhões de anos, ela deve ter se expandido, tornando-se uma gigante vermelha. Isso fez a outra estrela do sistema se aproximar até a órbita estreita atual. Por fim, a estrela gigante terminou de eliminar boa parte de sua massa, reduzindo-se a uma anã branca.

Se os planetas já estavam presentes, suas órbitas devem ter sofrido mudanças dramáticas durante esse processo de transformação. 'Uma alternativa é que os planetas tenham surgido recentemente, a partir do material expelido', disse Vik Dhillon, da Universidade de Sheffield, outro autor do estudo.

Brasil precisa substituir lixões por aterros sanitários até 2015


A implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), sancionada em agosto e ainda sem regulamentação, terá como grandes desafios a gestão compartilhada, o prazo para substituição de lixões por aterros sanitários e a ampliação e melhoria da produtividade da coleta seletiva.

As metas foram listadas nesta segunda pelo secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Silvano Silvério.

O secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente, José Machado, disse que a regulamentação da PNRS que tinha prazo de 90 dias, contados a partir de 2 de agosto será concluída até o fim deste governo e assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O ministério já tem uma minuta do decreto e está discutindo o texto no governo e com entidades do setor de gestão de resíduos.

A lei prevê a responsabilidade compartilhada na gestão dos resíduos sólidos e proíbe a manutenção de lixões em todo o país. Segundo Silvério, estados e municípios terão até agosto de 2011 para elaboração de planos de gestão de resíduos. Até 2015 o país terá que ter eliminado os lixões.

'O esforço inicial é para garantir a implementação de aterros. A lei dá quatro anos de prazo máximo para adequação de aterros e fim dos lixões', disse o secretário durante apresentação no seminário Regulação e Gestão de Serviços Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos: Aproveitamento Energético do Metano de Aterros Sanitários.

O governo deverá estimular projetos compartilhados entre municípios e estados e iniciativas intermunicipais, que têm custo operacional reduzido, se comparados com projetos individuais. Uma das orientações, segundo Silvério, será a criação de autarquias municipais ou intermunicipais de gestão de resíduos.

'Queremos estimular a formação de consórcios públicos para gestão, isso otimiza investimentos e permite planejamento e gastos compartilhados', comparou.

Evitar que os aterros voltem a se transformar em lixões por falta de gestão também é umas das preocupações do governo. Entre as possibilidade para garantir a sustentabilidade financeira dos empreendimentos estão o aproveitamento do metano liberado pelo lixo para produção de energia e a criação de estímulos fiscais vinculados à manutenção dos projetos.

'O país tem que ter uma meta para recuperação de energia em aterros a partir do gás metano. Os planos [estaduais e municipais] terão que contar com a perspectiva de recuperar energia dos aterros', sugeriu Silvério.

Durante a apresentação, o secretário também apontou a necessidade de ampliação e melhoria da qualidade da coleta seletiva. Dos 5.565 municípios brasileiros, somente cerca de 900 têm o serviço de coleta seletiva. E a produtividade é baixa: apenas 12% do que é coletado é de fato reciclado, segundo Silvério.


Mais de 600 peças arqueológicas aparecem em escritório de premiê iraquianio


Relíquias milenares haviam desaparecido no ano passado.



Mais de 600 valiosas peças arqueológicas foram enviadas ao Museu Nacional do Iraque nesta segunda-feira após terem sido descobertas no dia anterior no escritório do premiê do país, Nouri al-Maliki.

Os artefatos haviam sido retirados ilegalmente do Iraque em diferentes períodos e acabaram nos Estados Unidos.

Eles foram retornados ao Iraque no início de 2009 mas desapareceram logo depois.
.
O ministro de Antiguidades iraquiano, Qahtan al-Jubouri, responsabilizou "procedimentos errados" pelo desaparecimento das relíquias.

As 638 peças foram encontradas no domingo, em um depósito para mantimentos de cozinha do escritório de Maliki, guardadas em caixas de papelão.

Sete mil anos

"É uma coleção importantíssima. Algumas (das peças) são do início da era islâmica, outras do período sumério, outras babilônicas, helênicas. Períodos e cidades diferentes", disse Amira Eidan, diretora do Museu Nacional do Iraque.

Entre os objetos, estão joias, objetos de argila e figuras de bronze.
Acredita-se que dezenas de milhares de objetos retratando os sete mil anos de civilização na Mesopotânia foram saqueados após a invasão do Iraque liderada pelos Estados Unidos em 2003.
.
Apesar dos esforços internacionais para recuperar os objetos, calcula-se que menos da metade voltou ao Iraque. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.


Israel apresenta carro 100% movido a energia solar

Projeto prevê ainda substituir toda a frota de carros israelenses para energia elétrica



E nunca mais iríamos nos preocupar com o aumento do preço da gasolina
Um carro 100% movido a energia solar.

Esse sonho do consumidor que é um pesadelo para grandes corporações petrolíferas ganhou um novo contorno nesta semana com a apresentação do carro movido a energia eólica na Eilat-Eloit International Renewable Energy Conference & Exhibition, que acontece até o dia 18 de fevereiro, em Israel.

A IC Green Energy, unidade da empresa israelense Israel Corp, apresentou seu carro movido a energia solar na feira israelense. O carro será desenvolvido pela holding Better Place LLC, do milionário Shay Agassi, da qual a Israel Corp faz parte.

“Há uma grande sinergia entre as empresas envolvidas no projeto e isso prova que não estamos longe de vir a utilizar o carro solar nas atividades cotidianas”, diz Yom Tov Samia, CEO da IC Green Energy.

O projeto Better Place visa ainda construir centenas de postos de reabastecimento e, com a parceria da montadora Renault, substituir em poucos anos a maior parte da frota israelense por modelos a energia elétrica.


É ou não é uma excelente notícia daquelas que deixam a gente com esperança de um futuro melhor? Eu adorei. E vocês, o que acharam?

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Países fecham acordo para proteger biodiversidade e dividir ganhos

Destruição ambiental custa entre US$ 2 bi e US$ 5 bi por ano, diz estudo
.
Representantes de mais de 190 países reunidos em Nagoia, no Japão, aprovaram nesta sexta-feira um acordo histórico que, se implementado, deve combater ameaças à biodiversidade até 2020 e dividir melhor os recursos obtidos pela exploração do material genético da natureza.

As principais decisões finais do 10º encontro da convenção da ONU sobre diversidade biológica (CBD, na sigla em inglês) são um protocolo sobre como dividir os benefícios representados pela biodiversidade (em inglês, Access and Benefits Sharing, ou ABS) e um plano de ação para proteger as espécies ameaçadas até 2020.

Ambos podem render muito ao Brasil. A estimativa é de que países ricos abram os cofres até 2012 para garantir cerca de US$ 200 bilhões por ano em investimentos de conservação na biodiversidade. A verba deve ser liberada a tempo para a segunda Cúpula da Terra, a ser realizada em 2012 no Rio de Janeiro.

Ainda não está claro, entretanto, de onde essa verba deve sair, uma vez que muitos países ricos se encontram em crise e já se comprometeram em dezembro do ano passado a levantar cerca de US$ 100 bilhões por ano para combater os efeitos das mudanças climáticas.

Os signatários têm agora um prazo de dois anos para estabelecer como o novo financiamento será feito.

Biopirataria

O valor da biodiversidade de cada país também deve entrar nas contas públicas, de forma a possibilitar os cálculos que vão nortear os investimentos internacionais.

Esta medida foi considerada um grande avanço, já que pela primeira vez atrela a diversidade biológica da natureza à economia.

Já o chamado ABS é fundamental para proteger os países da chamada biopirataria, o registro feito por indústrias como as farmacêuticas – na sua maioria com sede em países desenvolvidos – de substâncias retiradas de seres encontrados em outras regiões.

O acordo fechado nesta sexta-feira prevê o pagamento de royalties por propriedade intelectual aos países de origem do material.

Com isso, países como o Brasil - que vinha defendendo um entendimento nesse sentido - e outros donos de imensa biodiversidade poderão lucrar com o desenvolvimento de medicamentos obtidos a partir de plantas e animais locais.

Depois de intensas negociações, principalmente sobre ABS, o acordo foi elogiado por ambientalistas.

"O protocolo de Nagoia é uma conquista histórica, que garante que o valor muitas vezes imenso dos recursos genéticos seja mais justamente dividido", disse Jim Leape, diretor-geral da organização ambientalista WWF.

Entre as decisões de Nagoia também está uma meta de proteção de 17% das áreas em terra firme, que até 2010 estava em 13%.

Os ministros de meio ambiente concordaram ainda em proteger 10% das áreas marinhas e costeiras, entre elas o alto mar.
.
.
.
Nota: Mazé Silva
.
Esse acordo entre um grande número de países, realizado no Japão, só vai trazer benefício para o Planeta e para a humanidade.
.
A ONU, como o principal responsável pela realização desse encontro, zela pela Ecologia, fazendo com que a biodiversidade do planeta seja melhor administada e protegida visando em primeira mão os dez anos que virão daqui pra frente.
.
A humaqnidade tem que tomar conciência, que é a própria ação humana, desmatando, queimando, poluindo..etc, a principal ameaça à biodiversidade que está centrada nos ecossistemas, recifes de corais, dunas, manguesais, estuários e pântanos.
.
As diferenças climáticas, contibuem para as diferenças ecológicas. E a perda da diversidade biológica em todo mundo, tem como consequência da intervenção humana e pelas mudanças climáticas.
.
Lembrando bem, o Brasil é o país, com a maior biodiversidade do Planeta. Corresponde a 20% do número total de espécies existente no Planeta, que são grande variedades de oganismos vivos, de espécies da Flora e da Fauna ecologicamente falando.
.
Esperamos, que esses encontros, e acordos, não fiquem só nos planos, mas sejam postos em práticas as melhores estratégias escolhidas pelos países, para conter e acabar com essa devastação das espécies.
.
Países fecham acordo para proteger a biodiversidade do planeta - Vídeo


terça-feira, 2 de novembro de 2010

A Era de Aquário!

Era Aquariana







Aspectos Astrológicos

Muitas declarações sobre a Era Aquariana podem ser encontradas nas publicações actuais.

Frequentemente, deparamos com afirmações de que a Era Aquariana já começou, que vai durar certo período de tempo, que ela é o resultado de um fenômeno astronômico ou astrológico, que tem determinadas características, ou que, sob sua influência, o homem estará capacitado a realizar certos trabalhos específicos.

Queremos apresentar aqui os ensinamentos da Fraternidade Rosacruz sobre o assunto.

A Era Aquariana ainda não começou, apesar de sentirmos já a sua influência, e tardará ainda mais uns seiscentos anos até que chegue realmente, ou seja, isto acontecerá por volta do ano 2654 da Era Cristã.

Precessão dos Equinócios

O facto de alguns afirmarem que já estamos na Era Aquariana pode ser explicado pela diferença que existe entre as constelações zodiacais e o chamado "Zodíaco Intelectual". Um determinado grupo de estrelas fixas no céu chama-se Áries; outro grupo, localizado perto de Áries chama-se Taurus; um terceiro grupo chama-se Gemini, e assim por diante. Estas doze constelações ou grupo de estrelas, como são vistas no céu, ficam sempre no mesmo lugar e na mesma posição relativa entre umas e outras.

Através destas constelações viaja o Sol, ano após ano, com precisão invariável. Mas, devido a que o eixo da Terra se inclina para o Sol e tem um movimento cambaleante, parecido ao movimento de um pião quando está perdendo sua força, o movimento do Sol parece ser irregular. Cada ano, quando o Sol entra na constelação de Áries cruzando o Equador da Terra, ele o faz um pouco antes do que no ano anterior. O Sol precede, e este é o motivo pelo qual os astrónomos falam na "precessão dos equinócios". Isto quer dizer que o Sol parece cruzar o Equador no equinócio vernal ou começo da primavera, cada ano um pouco antes do ponto no qual cruzou o Equador no ano anterior. Portanto, se um ano cruzou o primeiro grau de Áries, no ano seguinte cruzará ligeiramente a constelação de Pisces, desde o primeiro ponto de Áries e assim sucessivamente. Na verdade, este movimento retrógrado é tão lento, que o Sol demora quase 72 anos para cruzar um grau, ou seja, cerca de 2 156 anos para passar por um signo, ou 25 868 anos aproximadamente para passar, em movimento retrógrado, pelos doze signos. Este último período é chamado um Grande Ano Sideral.

Dois Zodíacos

Os astrónomos falam geralmente de "graus de ascensão recta", para os quais dividem o círculo do céu em 360 graus, começando pelo ponto de onde o Sol cruza o Equador celeste, no equinócio vernal precedente. Eles, da mesma forma que os astrólogos, conferem a Aries os primeiros 30 graus, a Taurus os 30 graus que se seguem a Aries, etc. Assim é explicado o zodíaco natural, composto das 12 constelações ou grupo de estrelas, que mudam tão imperceptivelmente sua posição no céu que não podemos notá-la em uma vida, nem em algumas centenas de anos. Por outro lado, existe o zodíaco intelectual, que começa no ponto preciso do equinócio vernal de qualquer ano.

Como o Sol, por precessão, viaja para trás pelos diferentes signos do zodíaco, é óbvio que chegará um momento em que o equinócio vernal ocorra no ponto preciso do primeiro grau de Áries, e, como consequência, em tal ano coincidirão os zodíacos natural e intelectual. A última vez que ocorreu este facto foi por volta do ano 498 da Era Cristã e como o Sol estava se movimentando à velocidade acostumada, ao redor de um grau a cada setenta e dois anos, é evidente que, na actualidade, o equinócio vernal ocorra cerca de nove graus de Pisces. De tal forma que será por volta do ano 2654 que o Sol realmente entrará na constelação de Aquarius. Podemos dizer que a Era Aquariana começará nessa época e irá durar aproximadamente 2 156 anos, durante os quais o Sol seguirá seu movimento retrógrado, atravessando os 30 graus do signo de Aquarius. Na verdade, não vamos imaginar que ocorra uma mudança brusca em uma determinada data, como sucede, por exemplo, quando dizemos que entramos no ano de 1975 à meia noite do dia 31 de dezembro de 1974. Esta é uma divisão matemática do tempo. De facto, as épocas distintas da existência humana dependem das influências vitais e são realmente mais o resultado de condições mentais do que de divisões do tempo, ainda que as duas estejam vinculadas.

Órbita de Influência

Por isso, os astrólogos reconhecem o que se chama de "uma órbita de influência". Para entender isto, devemos reconhecer que todo ser humano é algo mais do que vemos; que está rodeado por uma aura, uma atmosfera invisível, um "algo" que irradia de sua pessoa e que forma parte de sua personalidade. Em outra palavras, o homem tem certos veículos, invisíveis para a visão comum, que se estendem mais além de seu corpo físico. É por isso que, quando estamos perto de outra pessoa, os corpos invisíveis se misturam e há momentos em que estamos quietos e passivos sentimos mais estas influências subtis apesar delas sempre existirem e constituírem factores poderosos em nossas vidas.

Imaginemos uma pessoa concentrada integralmente em seu trabalho, de modo que não olhe, nem veja o que sucede ao seu redor. De repente, percebe que alguém entrou em seu quarto - que, na realidade, está atrás dela - vira-se e vê um amigo. Não ouviu a entrada de seu amigo porque estava muito absorta em seu trabalho, mas sentiu-o, porque a aura do amigo se intercalou com a sua própria atmosfera áurica. Por isso sentiu que alguém estava atrás dela, apesar de não ter nenhum contacto físico.

"Assim como é em cima, é em baixo" e vice-versa, é a Lei da Analogia, a chave mestra para os mistérios. O homem é o microcosmos e as estrelas, o macrocosmos. As constelações representam grupos de grandes Espíritos que se encerram em seus corpos estelares, com a finalidade de ajudar as inteligências menos desenvolvidas, para que possam Ter as experiências necessárias para sua evolução. Podemos concluir que estes grandes Espíritos têm veículos subtis que são similares aos da atmosfera áurica de nossa Terra. O Sol se aproxima muito da constelação de Aquarius no equinócio vernal.

Assim, a influência de Aquarius, juntamente com os raios solares, são transmitidas à Terra e como a primavera é a época especial em que tudo está impregnado de vida, podemos perceber que o raio aquariano assim transmitido, far-se-á sentir entre as pessoas da Terra.

Era de Pisces

Reconhecemos, sem dificuldade, a influência de Pisces durante os últimos dois mil anos. A superstição, a escravidão intelectual, a fé cega pela qual passou a civilização, são fenómenos bem conhecidos dos historiadores. Por outro lado, as influências da Era de Pisces no processo evolutivo foram necessárias. Os ensinamentos de amor e altruísmo que Cristo trouxe à Terra eram tão estranhos à religião da lei e do medo, conhecidas até então, que não podiam surtir efeito na humanidade, se não se desse ênfase à fé que abrangeu a doutrina da redenção da humanidade, por meio da "expiação redentora do Gólgota". A Era de Pisces será recordada como a Era da Fé, em contraste com a Era Aquariana, a Era da Razão, durante a qual serão ensinados os princípios do novo Cristianismo - amor e desinteresse. Na Era de Pisces recomenda-se a abstinência da carne em certos dias. Reverencia-se uma Virgem Imaculada. Aconselha-se que se abandone os prazeres da carne e os apelos à sensualidade. Nos seiscentos anos que faltam para que a Era Aquariana se inicie definitivamente, faremos muitos progressos nestas duas áreas de consciência. Recordemos que Júpiter, o planeta da benevolência e da filantropia, também governa Pisces e tem sido um factor muito importante no desenvolvimento do altruísmo durante estes últimos anos.

Era de Inovações (Aquarius)

Os estudos astrológicos informam-nos que Aquarius exerce uma influência intelectual original, inventiva, mística, científica, filantrópica e religiosa. Se quisermos aplicar a sentença bíblica que diz "por seus frutos os conhecereis", podemos pressentir a Era Aquariana pelos esforços originais ligados à ciência, religião, misticismo e altruísmo. Olhando para trás podemos ver um período de quase cem anos (século XX), no qual o Sol viajou, por precessão, pouco mais de um grau na órbita até Aquarius e constatamos que, durante esse tempo, produziu uma grande mudança em muitas idéias, houve novos descobrimentos, avanços científicos e muito mais inovações em todos os campos de actividade do que nos últimos dois mil anos.

Consideremos algumas das invenções deste último século: o telefone, o telégrafo, o radar, a televisão, computadores e a complicada maquinaria das viagens espaciais. Isto e milhares de outras invenções são indicadores no mundo físico, da aproximação da Era Aquariana.

Também notamos que tendências à idéias liberais em assuntos religiosos estão substituindo as condições antigas de crença dogmática tão enraizadas na doutrina. É notável o número crescente daqueles que desenvolveram a visão espiritual e estão investigando o caminho da evolução nos planos superiores. Os estudos astrológicos estão adquirindo uma popularidade nunca vista nos últimos anos. Ficamos impressionados ao entrar numa livraria e constatar o número incrível de publicações recentes sobre ocultismo, astrologia, etc.

Na Era Aquariana, haverá a combinação da religião com a ciência e teremos então uma ciência religiosa e uma religião científica. Cada qual aprenderá e respeitará os descobrimentos feitos pela outra, o que redundará em saúde, felicidade e permitirá ser possível desfrutar uma vida melhor.



Fraternidade Universal

A Era Aquariana será uma era de fraternidade universal e já observamos, à nossa volta, movimentos para a eliminação de barreiras e preconceitos raciais. Na actualidade, este resultado tem sido obtido, muitas vezes, através do derramamento de sangue e rebeliões. A espada, que governa a Era de Pisces, é ainda poderosa, mas cederá seu lugar à ciência e ao altruísmo, que regerão a Era Aquariana.

Como Aquarius é um signo de ar, científico e intelectual, a conclusão inevitável é de que a religião desta Era deverá estar alicerçada na razão e será capaz de explicar o enigma da vida e da morte, de tal maneira que satisfaça tanto a mente como o sentido religioso. Neste aspecto, os Ensinamentos da Sabedoria Ocidental estão preparando o caminho para a Era Aquariana, aspirando eliminar o temor da morte, que se origina da incerteza que envolve a existência após a morte. Estes ensinamentos demonstram que a vida e a consciência continuam submetidas à leis tão imutáveis como Deus, cuja meta é erguer o ser humano até um estado de espiritualidade mais nobre e elevado.

Como é um signo do ar, Aquarius governa especialmente a região etérica. À medida que o Sol entrar, por precessão, em Aquarius, a humidade da terra irá sendo eliminada, gradualmente, e as vibrações visuais, que se transmitem mais facilmente em uma atmosfera seca e etérica, serão mais intensas. Nessas condições poderemos desenvolver nossa visão espiritual e seremos capazes de ver os seres que vivem na região etérica, incluindo os nossos parentes e amigos já "falecidos". Poderemos, então, continuar nossa união com eles, mesmo depois da "morte", sabendo que eles partiram para as regiões mais elevadas. Estaremos, assim, suficientemente aptos para reconhecer que, na realidade, há "vida depois da morte".

Quando o homem atingir este ponto de evolução, estará tão iluminado que poderá evitar muitas "quedas" que lhe causam tanto sofrimento e perturbação, e desfrutar uma existência muito mais ditosa do que a que tem actualmente. Será capaz de resolver problemas sociais em forma equitativa para todos e o uso de maquinaria e instrumentos aperfeiçoados livrarão as pessoas, em grande parte, de tarefas físicas pesadas e dar-lhe-ão uma melhor oportunidade para progressos intelectuais e espirituais.

Ainda que, a seu devido tempo, todos nós tenhamos direito aos benefícios da Era Aquariana, há a possibilidade, agora, para aqueles que aspiram a uma vida melhor e mais espiritualizada, pôr-se em sintonia com o espírito da Era vindoura e preparar sua receptividade às influências aquarianas.

Aquele que viver sinceramente uma vida de serviço para a humanidade e que exercite seus dons de compaixão, altruísmo e benevolência, progredirá no caminho evolutivo conforme os esforços que fizer para responder às influências de Aquarius.


Tradução livre do tema nº05 da The Rosicrucian Fellowship
Leitura recomendada: CONCEITO ROSACRUZ DO COSMOS por Max Heindel


Nota do Bottary:


Há uma linha de pensamentos conscienciosos de que a partir destas influências ditas intelectuais e mais sensíveis, por causa do limiar da Era de Aquário, a mulher estará ocupando um espaço na humanidade, com maior propriedade, promovendo com muito mais sensibilidade, aquilo que o homem de uma maneira geral não conseguiu ainda, qual seja, um mundo sem muito sofrimento ao longo de nossas vidas.
Exemplo pra isso não faltam para mostrar ao longo da história nos últimos 40 anos políticos porque passa a humanidade.
No Brasil, a esperança venceu um centenário preconceito.

Por quê sofrer sem necessidades?

María Jesús Ribas (EFE)

Embora pareça um contrassenso, para se aproximar da felicidade, convém observar ao que parece ser o oposto dela, o sofrimento.

É fundamental diferenciar dor de sofrimento. O primeiro é o dano e as sequelas provocadas em alguém por uma lesão ou golpe físico ou emocional. Já o segundo consiste na forma como nossa mente percebe, interpreta e vivencia essa dor, e que muitas vezes se transforma em um calvário ainda maior.

Por exemplo, quando se erra o martelo e ele atinge a mão, a dor costuma ser bastante desagradável, dependendo da força. Mas o problema é que ela pode não se limitar a isso, pode provocar lamentação, arrependimento e frustração.

Em vez de apenas aceitar a dor da martelada, muitas pessoas poderiam remoer o erro e pensar consigo mesmas que deveriam ter sido mais cuidadosas, e acabam se culpando categoricamente pela falha. Num extremo, algumas poderiam até 'travar' e deixar de fazer trabalhos manuais para o resto da vida.

Vamos para mais um exemplo. O namoro acaba após anos de felicidade, o que parte o coração e causa muita dor. Nas semanas ou meses seguintes, a pessoa sofre, chora, sente-se 'dor de cotovelo' e se repete que a culpa é dela, que deixou escapar a pessoa de sua vida, sua alma gêmea, e não encontrará outra igual.

"Conclusão: a dor é ineludível, porque ao longo da vida sofremos todo tipo de traumas e feridas, mas o sofrimento, ou pelo menos um alto percentual da angústia e amargura que causa um fato doloroso, pode ser evitado mudando a percepção sobre ele e o aceitando", assinala o terapeuta transpessoal Raúl Vincenzo Giglio, especialista em acompanhamento a pessoas de luto.

Segundo ele, uma das formas mais saudáveis de perceber a dor é aceitá-la, reconhecendo que a existência humana é dual e em transformação. "Os sábios orientais costumam comparar a vida a um rio, que flui entre duas margens, a da felicidade e a da dor, e cujas águas estão em permanente contato com ambas as margens".

Outra forma positiva de enxergar a dor é considerá-la como o que realmente significa, "um sinal de alarme ou sintoma enviado por nossa mente ou corpo para indicar que há em nosso organismo ou mundo psicológico algo que não funciona bem, que requer nossa atenção e que devemos revisar ou solucionar", assinala Giglio.

Os três tipos de sofrimentos

Os textos de psicologia ensinam que existem diferentes tipos de sofrimentos ou "dores da alma".

Um deles é o manifesto, que é o que temos quando alguma coisa nos incomoda, em nível físico ou emocional, seja no corpo ou na mente, em decorrência, por exemplo, da perda ou rejeição de uma pessoa. Ou seja, qualquer tipo de mal-estar notório, evidente.

Por sua vez, o sofrimento por mudança ocorre quando nos sentimos aliviados depois de uma dor passar, mas em pouco tempo surge outra. Muda-se um sofrimento por outro. Neste caso, a felicidade que sentimos é passageira e tem mais a ver com o alívio do que com um autêntico bem-estar.

Também há o sofrimento constante. Trata-se de um mal-estar sutil, inconsciente e perene, que permanece quase todo o tempo com a pessoa porque sempre há um motivo para sofrer, e se este não existe, ela o buscará. Pode-se inclusive 'sofrer por antecipação', diante das possíveis ameaças ou desgraças que a vida pode trazer no futuro.

"Em nenhum desses espaços de sofrimento pode se manifestar o bem-estar ou a felicidade duradoura, que se baseia na paz interior. Esta, por sua vez, surge da capacidade de manter a calma em qualquer circunstância, de viver o aqui e agora, de sentir os prazeres da vida, de aceitar as adversidades e de sentir amor e compaixão pelos demais", explica o terapeuta.

No terreno positivo, ele destaca que "quanto mais nos afastamos das miragens e exigências das condições externas e mais nos aproximamos da paz interior, mais nos afastamos do sofrimento e nos aproximamos da felicidade".

"Toda adversidade tem uma intencionalidade da vida. Não consiste necessariamente em causar sofrimento psicológico, mas em nos ajudar a crescer e evoluir como pessoas", aponta.

Giglio levanta explicações positivas para se aproveitar os prazeres e observar a vida de forma otimista. "O universo não é uma máquina criadora de dor, mal-estar, torturas ou golpes existenciais. Por trás de todo acontecimento, há um amor infinito. O mundo não é um vale de lágrimas, aonde viemos para sofrer. Somos feitos para aproveitar a beleza e a plenitude da vida".

De acordo com o terapeuta, "as adversidades são criadas pelo universo para que nos superemos e fortaleçamos. Se não existissem, não cresceríamos, ficaríamos estagnados. Graças a elas, obtemos novos recursos, capacidades, relações, fazemos mais coisas e melhores. Estão presentes no caminho da vida, para mudarmos, não para sofrermos".

"Por trás de cada adversidade, há uma oportunidade. É preciso estar atento ao inesperado, porque ali se esconde o universo: a vida cheia de sementes para potencializar grandes oportunidades, renovações, processos, aprendizagens, descobertas e experiências", finaliza.

msn.com

19/10/2010 17:35

Metal Nobre - Não Tem Que Ser Assim