sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

"Cuidar da Natureza é cuidar da Vida!"

A Natureza em sua plenitude



      Por Bottary
      Elo Geográfico




Mas, o que é a Natureza?


Uma resposta plausível e técnica de se entender, seria tudo aquilo que é orgânico e inorgânico, existente no ecossistema planetário. Por conseguinte, é a existência dos quatro reinos que conhecemos: O reino mineral, o reino vegetal, o reino animal e o reino hominal. Todos, retratando a vida como ela é, ou seja, na sua mais sublime essência.

É-me grato, por demais, deveras importante, falar-lhes acerca da mãe Natureza, haja visto que nela e dela necessitamos vivê-la, vivenciando-a em sua magnitude e totalidade.

Sabemos que os reinos se abraçam, em elos permanentes, formando um equilíbrio natural da vida, até o ponto em que um deles se solta, buscando em seu egocentrismo, levar vantagem ainda que sem escrúpulos, ensejando a sua sobrevivência em detrimento dos outros.

É de suma importância que o homem cuide bem dela, pois quê, a sua degradação o está fazendo refém de sua própria negligência.

Há muitas coisas que já estão acontecendo mostrando resultados catastróficos, que são conseqüências desta negligência. Entendo que esta, já vem acontecendo desde a Revolução Industrial na Inglaterra, quando iniciou em meados do século XVIII, expandindo-se pelo mundo a partir do século XIX.

Se há muito que se fala que a Natureza é pródiga em sua “sabedoria” milenar, o homem deverá agir, doravante, com parcimônia em sua relação com nossa mãe Natureza, haja visto que não o fazendo, ela responderá ainda mais, com mais violência, levando ao desequilíbrio a própria vida do seu ecossistema.

Ao reino mineral, deve-se ter o cuidado de extrair dele o exequível, do útil ao equilibrio necessário dos outros reinos, se for o caso; ao reino vegetal, pode-se retirar dele o que for preciso, mas sem deixar de completar com novas recompensas; ao reino animal, deve-se ter o cuidado de não extrapolar na matança desnecessária.

Uma interrelação que não poderá deixar de existir, pois quê, até mesmo dele a Natureza precisa para o seu equilibrio de vida; e, finalmente, ao reino hominal, é preciso trabalhar na sua evolução consciencial, lógica e indiscutível de quê, este é o reino verdadeiramente responsável pelo atual desequilibrio dos demais, esquecendo-se de quê, “ Cuidar da Natureza é cuidar da Vida”; e quê, da mesma forma a recíproca também pode ser verdadeira.

Nota: É importante ressaltar que existem Ong’s cuidando para que não fique nossa Mãe desamparada. Visite uma delas no site: http://www.wwf.org.br/

Um comentário:

Mazé Silva disse...

Meu queridíssimo Bottary!

Não há nada mais interessante para nós seres humanos, do que ver notório na concepção de pessoas sensíveis como você, a preocupação com a Natureza, essa preciosidade que ao longo da história e do desenvolvimento do mundo tecnológico, esquecem de pensar da tamanha importância para toda biosfera, cuidar com carinho e usufluir de uma forma que não venha a agredir tantos os fatores bióticos como os abióticos.

E você meu amigo Bottary está mais uma vez de parabéns por está abordando este tema de interesse para toda humanidade.

E o seu texto está muito bem elaborada de tal forma que explicita desde o processo evolutivo do mundo desenvolvido até as consequências pela ação desmedida do homem degradando por não saber conciliar o progresso com o que nós temos de mais precioso que é esse Planeta maravilhoso rico em espécies e variedades da fauna e da flora abundante que forma todos os ecossistemas.

"Cuidar da Natureza é cuidar da Vida", você descreveu brilhantemente meu amigo, usando toda sua sabedoria, a sua sensibilidade e consciência de um cidadão que vive na natureza, da natureza e dela você retira os seus benefícios, mas na certeza que tem que haver sempre essa conciliação, esse equilíbrio, para que o mundo não venha a vivenciar tantas catástrofes e desastres ecológicos que hoje presenciamos.

Um mundo desenvolvido mas Sustentável, só irá ocorrer, quando houver mais consciência e menos ganância dentro desse sistema capitalista, de competitividade e desumano.

Mais uma vez Parabéns pelo excelente texto e de grande importância para todos.

Beijos grande!

Mazé Silva