quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Terremoto na Nova Zelândia mata ao menos 65, diz primeiro-ministro

Número não é definitivo e pode aumentar, afirma o premiê John Key.
Terremoto de magnitude 6,3 atingiu Christchurch, ao sul do país.


Um terremoto de magnitude 6,3 matou pelo menos 65 pessoas nesta terça-feira (22) em Christchurch, segunda maior cidade da Nova Zelândia, e muitas outras ainda estão soterradas sob escombros de edifícios.

Foi o segundo grande terremoto em cinco meses na cidade, que tem 400 mil habitantes, e foi também o mais letal desastre natural no país em 80 anos.

"Nós bem podemos estar testemunhando o dia mais sombrio da Nova Zelândia... Até o momento, o número de mortos está em 65 e pode subir", disse o primeiro-ministro neozelandês, John Key, à TV local. "É difícil descrever. O que era uma cidade vibrante algumas horas atrás agora está de joelhos", acrescentou Key, que viajou para Christchurch, sua cidade natal e onde tem parentes.

Mapa localiza região do tremor. O prefeito da cidade, Bob Parker, comparou a situação da cidade a uma zona de guerra. Inicialmente ele disse que cerca de 200 pessoas podiam estar presas nos escombros, mas depois revisou o número para 100.

Uma mulher resgatada disse que passou seis horas esperando socorro. 'Achei que o melhor lugar era sob a mesa, mas o teto desabou por cima, não posso me mexer e estou aterrorizada', havia dito por celular a funcionária de escritório Anne Voss a uma TV local.

O tremor ocorreu na hora do almoço (fim da noite de segunda-feira no Brasil). Ruas e lojas estavam muito movimentadas, e os escritórios ainda estavam ocupados.

Pelo menos um corpo foi retirado de um edifício de escritórios de quatro andares da companhia Pyne Gould, situado em pleno centro da cidade, onde os bombeiros trabalham para resgatar cerca de 30 pessoas presas nos escombros, informou a rádio "Nova Zelândia".

Em algumas ruas de Chistchurch, cidade com população de 400 mil pessoas, o tremor gerou crateras de até um metro de profundidade. O prefeito confirmou que foi declarado estado de emergência na cidade e que a polícia e o Exército montaram um cordão de segurança ao redor da zona mais afetada.

O terremoto de magnitude 6,3 sacudiu a cidade de Christchurch às 12h51 da terça-feira (22) no horário local (20h51 desta segunda, 21, em Brasília), de acordo com o Serviço Geológico dos EUA (USGS, na sigla em inglês), que monitora tremores pelo mundo.

Pelo menos 20 tremores secundários foram registrados.

O hospital local recebeu muitos pacientes com membros esmagados, cortes e dores no peito, e os casos mais sérios podem ser transferidos para outras cidades. Militares foram mobilizados para participar do resgate, segundo autoridades.

O aeroporto da cidade foi fechado, e o centro foi esvaziado, de acordo com a polícia.

O epicentro do tremor foi localizado a 4 km de profunidade, a 5 km ao noroeste de Christchurch.

Um forte tremor de magnitude 7,2 havia atingido a mesma cidade em setembro de 2010, deixando 20 feridos e destruindo edifícios, o que fez o país decretar estado de emergência.

Christchurch é considerada um pedaço da Inglaterra no Hemisfério Sul. Tem uma famosa catedral, agora praticamente destruída, e um rio chamado Avon - como na Inglaterra. Tem muitos edifícios históricos, construídos em pedra, e também é freqüentada por estrangeiros que desejam aprender inglês e por turistas que a usam como trampolim para excursões pela Ilha Sul da Nova Zelândia.

Ajuda americana

Uma equipe de socorristas americanos viajou nesta terça para a Austrália para ajudar no resgate.

"Uma equipe americana de busca e socorro está viajando", anunciou o porta-voz do Departamento, Philip Crowley, no Twitter.

A secretária de Estado, Hillary Clinton, transmitiu as condolências dos EUA durante uma conversa por telefone com o colega neozelandês, Murray McCully.



 
 

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Portugal - Lisboa querida!



Para minha maior alegria, quando recebi hoje o jornal que assino, "O Povo", vinha uma matéria sobre um país que para mim é tão querido e a sua capital Lisboa, como assunto principal, cidade da minha amiga Lisboeta e que tanto admiro; os dois, o País (cidade) e a amiga.

Pensei logo nos meus amigos lusitanos e no SplishSplash, para postar esse assunto que mexe com toda malta do Portal, em especial aqueles que são portugas.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Vídeo de suposto óvni em Jerusalém causa polêmica



Vídeos de um suposto objeto voador não identificado (óvni) sobrevoando a Esplanada das Mesquitas de Jerusalém causaram surpresa e polêmica na internet, suscitando debates sobre a chegada de extraterrestres à Terra Santa.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

O estilista do violão brasileiro - Nonato Luiz


Nonato Luiz volta a apresentar o seu Estudos, Peças e Arranjos, dessa vez no Centro Cultural Banco do Nordeste %u2013 e ainda lançando livro e DVD homônimos

Nonato Luiz faz homenagem a Villa-Lobos, Garoto e Baden Powell (TALITA ROCHA, EM 2/2/2008)

Um quase menino, que a maturidade alcançada ao violão alçou os mais altos e incríveis voos: Nonato Luiz sobe mais uma vez ao palco para apresentar o seu Estudos, Peças e Arranjos, disco de uma lavra quase toda sua, de composições da vida inteira, com duas exceções especialíssimas: Saxofone, Porque Choras (de Severino Rangel de Carvalho, o Ratinho) e Meu Coração (de Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto). O palco é o Instrumental do Centro Cultural Banco do Nordeste, hoje, às 18 horas, de livre acesso para a cidade.

Nonato foi definido por Fábio Zanon (autor do bonito e aclamado pela crítica Obra Completa para Violão Solo – Heitor Villa-Lobos, de 2010) como o estilista do violão brasileiro na atualidade. Entendendo estilista não aquele que se interessa pelo virtuosismo exacerbado, “nem pelas harmonias mais densas, por influências inusitadas ou por inovações tecnológicas.

Isso ele deixa para os outros, do alto da experiência de quem já viu tudo e pode se dar ao luxo de escolher. O estilista é como um vermute: um blend tão especial de coisas nobres e simples que se transforma num sabor único e inimitável”.

Esse disco, que agora chega com um DVD e um livro de partitura, homônimos, traz mais um diálogo, desses que Nonato já fez um bocado, mas de uma voz mais presente por parte do violonista. “Eu já gravei um disco só com Luiz Gonzaga, outro só com choro, outro só com Beatles. Eram trabalhos de releitura. Já nesse CD agora eu...

Estou mais inteiro, vamos dizer assim”, contou ele por telefone, na última quinta-feira. O disco é também uma homenagem a três grandes compositores brasileiros – Heitor Villa-Lobos, Garoto e Baden Powell. “Me identifico muito com o movimento musical deles. Tem uma coisa ali que me passa uma empatia, uma musicalidade, que acrescenta na minha música”.

No repertório, Villalobiana e Saudades do Baden, as homenagens mais diretas. Compostas, talvez, na calmaria da casa vazia, numa manhã silenciosa, como quando costuma trabalhar. E ainda os Estudos, do número 1 ao 5, que são expressões arrojadas da imaginação do músico, ainda sob a visão de Zanon, em texto no site do músico (www.nonatoluiz.com.br).

São 19 composições no disco, que nos shows podem ser mais. “No show você abre um pouco o leque. O público às vezes pede. Mas o CD é fiel ao livro”, detalha. Peças de outros compositores, mas principalmente as suas, portanto, podem aparecer na noite.

SERVIÇO

ESTUDOS, PEÇAS E ARRANJOS

Onde: Palco Instrumental do Centro Cultural Banco do Nordeste (Rua Floriano Peixoto, 941)

Quando:  12 de fevereiro

Quanto: Grátis

Outras info.: 3464 3100

Júlia Lopes

O Povo Online
12.02.2011

Terremoto de 7 graus no Chile- na Região Centro-Sul


Um terremoto atingiu ontem a região centro-sul do Chile, e em Santiago edifícios balançaram, provocando inquietude na população, disseram testemunhas.

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos, a magnitude do tremor é de 7 e ocorreu perto da cidade de Concepción.

O gabinete de emergências informou que nenhum dano foi relatado e que não havia perigo de tsunami após o tremor. A profundidade foi de 18,4 km.

O presidente Sebastian Piñera saudou a população pela rápida resposta ao alerta de terremoto. Ele disse que a retirada se deu especialmente em áreas litorâneas como nas região de Maule e Concepción.

A região é a mesma do terremoto devastador de 27 de fevereiro do ano passado, de magnitude 8,8, que gerou vários tsunamis.

Inicialmente o número de mortos passava de 700, mas foi revisado para pouco mais de 500 ao final das buscas.

O governo estimou em R$ 4,5 bilhões os prejuízos causados por aquele tremor que deixou ainda mais de 2 milhões de desabrigados.

(da Folhapress)

12.02.2011

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Portugal vende 1,25 bilhão de euros em títulos em 'teste' para evitar ajuda

Existem especulações de que Portugal possa receber ajuda internacional


Portugal vendeu nesta quarta-feira cerca de 1,25 bilhão de euros (R$ 2,7 bilhões) em um leilão de títulos públicos, reduzindo os temores de que o país tenha que receber um pacote de ajuda da União Europeia.

A operação foi acompanhada de perto por analistas de mercado, devido às dúvidas sobre se o país conseguiria atrair interesse suficiente para seus papeis devido ao seu grau de endividamento.

O leilão organizado pelo Instituto de Gestão do Crédito Público conseguiu levantar 599 milhões de euros em títulos com vencimento em dez anos, a uma taxa de juros de 6,716%, e 650 milhões em títulos de quatro anos a uma taxa de retorno de 5,386%.

A taxa dos títulos de mais longo prazo foi inferior à expectativa do mercado, que era de algo em torno de 7%, e também menor que os 6,806% obtidos no último leilão do tipo, em novembro.

Para os títulos de quatro anos, porém, a taxa ficou bem acima dos 4,041% conseguidos em novembro.

Segundo os analistas, a compra de títulos portugueses pelo Banco Central Europeu (BCE) ajudou a manter os juros dos títulos portugueses de longo prazo abaixo dos 7%.

Ajuda internacional

O jornal português Expresso afirma que o governo do país conseguiu passar em um teste decisivo em um dia em que o jornal Financial Times alemão noticiou que a União Europeia já preparava um plano de ajuda de 100 bilhões de euros para Portugal.

Há meses economistas cogitam que Portugal tenha que se juntar à Grécia e Irlanda e precisar de um pacote de ajuda, algo que o governo do país nega.
O governo português afirma que sua situação é diferente da situação grega e da irlandesa, dois países que aceitaram ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os portugueses afirmam que seu déficit e suas dívidas são mais baixos do que os dos outros dois países e que seu sistema bancário é seguro.

A Comissão Europeia afirmou que não há discussões ou planos para um pacote de ajuda da União Europeia e do FMI para Portugal.
No entanto, alguns analistas ainda acreditam que o país vai precisar de ajuda.

"Nossos analistas ainda preveem que Portugal precisará receber fundos", afirmou Kevin Dunning, economista da consultoria Economist Intelligence Unit.

"E há também um alto risco, caso os juros cobrados naqueles fundos forem tão altos como (os cobrados da) Irlanda, de que os esforços de Portugal para reduzir seu déficit orçamentário sejam desacelerados", acrescentou.

Destino em Destaque - Paris


A mais charmosa de todas as capitais do mundo é também a mais visitada. Paris seduz os turistas pela sua espetacular beleza, impressa em monumentos fabulosos, arquitetura deslumbrante e jardins muito bem cuidados.

A vida cultural também encanta: são centenas de museus, exposições e espetáculos variados, que agradam aos mais rigorosos apreciadores da arte. Na gastronomia, é um banquete em sofisticação. Sim, Paris é a cidade mais imperdível do mundo!

Passear pela cidade demanda tempo. Paris requer no mínimo 5 dias para ser sentida como deve ser. Subir na Torre Eiffel, entrar na Notre Dame, rezar em Sacreé-Couer, assistir ao Moulin Rouge, conhecer Versalles, esmiuçar o Louvre, perambular pela Champs-Élyseés e ainda desfrutar das refeições ao modo francês são coisas que todo turista deve fazer.

Caso a disponibilidade de tempo seja ainda maior, passeios pelas redondezas também são válidos, como visitar os castelos do Vale do Loire ou conhecer as vinícolas na região de Champagne. Para quem viaja com crianças, a Euro Disney é ali pertinho e cheia de atrações.

No campo gastronômico, não deixe de conhecer o restaurante L'Ambroisie, provavelmente um dos melhores do país e com uma carta de vinhos extensa. Para um almoço mais informal, o L'Avenue é perfeito e oferece mesas na calçada bem próximo ao Plaza Athenée.

Paris oferece mais de mil opções de hospedagem, de albergues a sofisticados hotéis 5 estrelas. Lembre-se que a cidade é grande e o ideal é ficar nos bairros mais centrais, próximo ao Rio Sena. Assim, evita-se perder muito tempo locomovendo-se até o que realmente importa.

O super vip Hotel Crillon está na Praça da Bastilha e oferece um requintado serviço. Como opção econômica, o 3 estrelas Holiday Inn Notre Dame oferece ótimo custo-benefício em excelente localização.


A melhor época para visitar Paris é de abril a setembro, quando o clima está mais quente e as atrações permanecem mais tempo abertas. Entretanto, o inverno proporciona imagens belíssimas de Paris no inverno coberta de neve e fica ainda mais convidativo para desfrutar a deliciosa gastronomia local.

A França pertence ao denominado Espaço Schengen e não exige visto de turista brasileiro para permanência de até três meses. É necessária apenas a apresentação do passaporte com validade mínima de seis meses, reserva de hotel comprovada e seguro com cobertura mínima de 30 mil euros.

* Fê Costta é graduada em Turismo e já visitou mais de 40 países. Há três anos escreve suas aventuras no blog viaggio-mondo.com

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Pesquisadores desenvolvem reator que converte luz solar em combustível líquido

O reator usa a luz solar para produzir hidrogênio e monóxido de carbono


Um protótipo de gerador que pode transformar a luz do sol em combustível foi demonstrado com sucesso em laboratório por pesquisadores dos Estados Unidos e da Suíça.


Em um processo semelhante à fotossíntese, a máquina usa raios solares e o metal cério para quebrar as moléculas de dióxido de carbono ou água e transformá-las em combustíveis líquidos que podem ser armazenados e transportados.


A pesquisa, que foi publicada na revista Science, explica que o novo dispositivo é diferente dos painéis fotovoltaicos (que aproveitam a luz para gerar energia) normais.


Os painéis fotovoltáicos convencionais só podem usar a eletricidade que geram no mesmo local em que estão instalados e não conseguem gerar combustível à noite.


O novo reator de energia solar, no entanto, consegue gerar combustível que pode ser armazenado e transportado. E também poderia continuar funcionando no fim do dia.


Modelo


A máquina tem uma janela feita de quartzo e uma cavidade que concentra a luz do sol e a direciona para um cilindro revestido com óxido de cério, um metal de terra rara.


O cério tem uma propensão natural a liberar oxigênio quando aquece e absorvê-lo quando esfria.


Depois que o metal é aquecido pela luz do sol, dióxido de carbono ou água são bombeados para dentro do recipiente.


O cério retira o oxigênio presente nestes elementos enquanto esfria, em uma reação química que cria monóxido de carbono ou hidrogênio.


O hidrogênio produzido pode ser usado para abastecer células de hidrogênio em carros, enquanto a combinação de hidrogênio e monóxido de carbono pode ser usada para criar uma espécie de "gasolina sintética.


Segundo os inventores do reator solar, o aproveitamento das propriedades do cério é o grande avanço científico da pesquisa.


Por ser o metal de terra rara mais abundante que há, o cério torna a fabricação do dispositivo mais barata e sua produção mais viável.

Melhorias


No entanto, os pesquisadores dizem que o protótipo ainda é ineficiente, já que o combustível criado aproveita somente entre 0,7% e 0,8% da energia solar que entra no recipiente.


A maior parte da energia é perdida pela parede do reator ou pelo desvio da luz solar para fora do aparelho, através da abertura.


Mas eles acreditam que a eficiência pode chegar a 19% com melhor isolamento de calor e redução da abertura.


Nesse momento, a máquina já poderia ser produzida comercialmente, segundo a professora Sossina Haile do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos, que chefiou a pesquisa.


"A química do material é perfeita para este processo", diz.

Ela afirma que o reator pode ser usado para criar combustíveis para transporte ou ser adotado em usinas de energia, onde o combustível criado com energia solar poderia ficar disponível também à noite.


No entanto, ela acredita que o destino deste e de outros dispositivos em desenvolvimento dependerá de os países adotarem uma política de baixo carbono.


"Se tivéssemos uma política de baixo carbono, uma pesquisa desse tipo avançaria muito mais rapidamente", disse ela à BBC.


Fotossíntese


Foi sugerido que o dispositivo imita as plantas, que também usam dióxido de carbono, água e luz do sol para criar energia como parte do processo de fotossíntese, mas a professora Haile diz que a analogia é muito simplista.


"No sentido mais genérico, há semelhanças, mas elas acabam por aí", afirmou.


Daniel Davies, o chefe de tecnologia da companhia fotovoltaica britânica Solar Century, envolvida na pesquisa, diz que o processo foi "muito empolgante".

"Acho que a pergunta é onde colocá-lo. Você colocaria seu reator solar no telhado ou seria melhor mantê-lo como uma grande indústria no deserto do Saara e transportar o combustível por navios?", disse.


Haile acredita que um reator no telhado poderia produzir até aproximadamente 14 litros de combustível por dia.


Apesar do rápido avanço de dispositivos de energia solar, a eficiência, a economia e o armazenamento destes dispositivos ainda são problemas.

outra tentativa de contorná-lo são as usinas solares de nova geração, que

foram construídas na Espanha e nos Estados Unidos.

Elas utilizam um conjunto de espelhos para concentrar a luz solar em receptores em forma de torres. A luz do sol que entra nas torres movimenta turbinas a vapor.


Um novo projeto espanhol usará sais derretidos para armazenar o calor do sol por até 15 horas, para que a usina possa potencialmente operar à noite

24-12-2010

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Nasa divulga imagens em 3D do Sol

Faixa escura no centro do Sol mostra falta de dados, algo que será resolvido nos próximos dias


A Nasa, a agência espacial americana, divulgou no domingo as primeiras imagens em 3D do Sol, feitas por dois satélites lançados em 2006.

Os dois satélites fazem parte do projeto Observatório de Relações Terrestres-Solares (Stereo, na sigla em inglês) e, desde seu lançamento, seguem trajetórias diferentes. Um deles à frente da Terra em sua trajetória, o outro mais atrás.

No domingo, a Nasa informou que os dois satélites finalmente alcançaram posições em lados opostos do Sol, o que deixou o astro exatamente entre eles. Os dois satélites agora transmitem imagens da frente e da parte de trás do Sol.

"Pela primeira vez podemos observar a atividade solar em toda a sua glória 3D", afirmou Angelos Vourtidas, integrante da equipe científica do projeto Stereo no Laboratório de Pesquisa Naval em Washington.

"Este é um grande momento na física solar. Stereo revelou o Sol como ele realmente é - uma esfera de plasma quente entrelaçada de forma intrincada por campos magnéticos", acrescentou Vourtidas.

A Nasa divulgou um filme mostrando as imagens durante o Super Bowl - a final do campeonato de futebol americano - no domingo.

Detalhe

Cada uma das duas sondas do projeto Stereo fotografa metade do Sol e transmite as imagens para a Terra. Os pesquisadores combinam as duas imagens para criar uma esfera.

No entanto, as imagens transmitidas pelos satélites não são apenas fotos comuns. Os telescópios do projeto Stereo estão sintonizados para captar quatro comprimentos de onda de radiação ultravioleta extrema, selecionados para rastrear aspectos importantes da atividade solar como erupções, tsunamis e filamentos magnéticos.

"Com dados como estes, podemos voar em volta do Sol e ver o que está acontecendo além do horizonte, sem sair de nossas mesas", disse a astrofísica do programa Stereo Lika Guhathakurta. "Espero grandes avanços na física teórica solar e previsão do tempo no espaço."

O projeto Stereo já está sendo usado para melhorar estas "previsões do tempo espaciais" fornecidas a empresas aéreas, companhias de energia elétrica, operadores de satélites e outros clientes.

Satélites enviaram imagens dos dois lados do Sol para a Terra


Mas, os benefícios destas previsões não são limitados à Terra.

"Com este belo modelo global podemos rastrear tempestades solares que se encaminhem para outros planetas também. Isto é importante para missões da Nasa para Mercúrio, Marte, asteroides...", acrescentou Guhathakurta.

Conexões

A nova visão do Sol pode revelar conexões que não eram examinadas com tanta atenção pelos cientistas. Por exemplo: pesquisadores já suspeitavam que a atividade solar podia ser "global", com erupções em lados opostos do

Sol sendo desencadeadas e se alimentando uma da outra.
Agora, eles poderão estudar este fenômeno.

Para o professor Richard Harrison, do Laboratório Rutherford Appleton, na Grã-Bretanha, um dos cientistas que participa do projeto, uma visão de todo o Sol será a chave para compreender o que gera os processos complexos na estrela.

"Você realmente vê estas regiões separadas por grandes distâncias na atmosfera solar, que são conectadas magneticamente, mostrando atividade ao mesmo tempo ou causando atividade em outro lugar", explicou o cientista à BBC.




Vulcão na Rússia entra em erupção após dois anos adormecido

(Foto: Reprodução / BBC)


Monte Kizimen fica no extremo oriente do país e despertou há dois anos.

O vulcão Kizimen, na Rússia, entrou em erupção nesta segunda-feira (7).

Ele fica na Península de Kamchatka, no extremo leste do país, e voltou a ficar ativo em 2009, depois de permanecer adormecido desde 1929.

O Kizimen despertou há dois anos, depois de décadas dormente.

O vulcão Kizimen, na Rússia, expele cinzas e vapor d'água a 4 km de altitude

Agora, o vulcão está expelindo cinzas e vapor d'água a quatro quilômetros de altitude.

Aeronaves que passam pela região foram orientadas a desviar a rota.

As finas partículas de cinza vulcânica são consideradas um perigo para turbinas de aviões.

O Kizimer fica dentro da área conhecida como anel de fogo do Pacífico. Essa é uma das regiões que registra o maior número de erupções no planeta.

07-02-2011


segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Papa Bento - XVI - prepara beatificação de João Paulo 2º

CIDADE DO VATICANO (Reuters) -


O papa Bento 16 deve aprovar nesta semana o processo de beatificação de seu antecessor, João Paulo 2o, deixando-o um passo mais próximo de virar santo, disseram fontes do Vaticano na quarta-feira.


Uma fonte disse que 'em poucos dias' o prefeito da Congregação da Causa dos Santos, cardeal Angelo Amato, irá levar ao papa as evidências de que João Paulo 2º realizou um milagre, e por isso deve ser transformado em beato.


Bento XVI deve então aprovar a recomendação e marcar uma data para a cerimônia de beatificação, menos de seis anos depois da morte do antigo pontífice.


Para que alguém seja beatificado, é preciso a comprovação de um milagre. Para a canonização, são dois milagres.


Na terça-feira, os cardeais e bispos participantes da Congregação da Causa dos Santos aprovaram os laudos médicos e teológicos de que João Paulo 2º curou milagrosamente uma freira com mal de Parkinson.


Em geral, as fases iniciais dos processos de canonização levam décadas ou mesmo séculos. Mas em maio de 2005, um mês depois da morte de João Paulo 2º, seu sucessor abriu uma exceção, dispensando-o do prazo habitual de cinco anos após a morte do candidato a santo.


Esse era o pedido da multidão que acompanhou o funeral do papa, em 8 de abril de 2005, com gritos de 'santo súbito.'


O pontificado de João Paulo 2º, que durou 27 anos, foi um dos mais históricos e turbulentos dos tempos modernos. Durante esse período, os regimes comunistas desmoronaram em toda a Europa Oriental, inclusive na Polônia, seu país natal.


Primeiro não-italiano no cargo em 450 anos, ele foi gravemente ferido num atentado em 1981. Nos últimos anos, o papa sofria do mal de Parkinson.


A freira francesa Marie Simon-Pierre, de 47 anos, diz ter sido repentinamente curada da mesma doença, dois meses depois da morte de João Paulo 2º, quando ela e uma colega rezaram pela intercessão dele.


(Reportagem de Gavin Jones)
12-01-2011

Catástrofe na região serrana do Rio já é o maior desastre climático do País

                                                                                              
""Informações. Fotos de desaparecidos em Teresópolis


A tragédia da região serrana do Rio se igualou ontem ao maior desastre climático da história do País. Até as 22 horas de ontem, as autoridades contabilizavam 785 mortos, o mesmo número de vítimas da enchente do Rio em 1967, segundo ranking da ONU. O número tende a aumentar, pois o Ministério Público fluminense estima que ainda existam 400 desaparecidos nos seis municípios devastados pelas chuvas do dia 12.


O desastre também entra para os registros da ONU como o 8.º pior deslizamento da história mundial. O maior evento dessa natureza, segundo o Centro para a Pesquisa da Epidemiologia de Desastres, ocorreu em 1949, na antiga União Soviética, com 12 mil mortes. O segundo maior foi no Peru, em dezembro de 1941, e deixou 5 mil vítimas.


O deslizamento da região serrana já havia superado o número de vítimas registrado em 1967, em Caraguatatuba, quando 436 pessoas morreram. Por suas características devastadoras, o evento ocorrido há mais de quatro décadas na Serra do Mar paulista era considerado emblemático pelos geólogos.


Apesar da grande quantidade de água que desceu dos morros fluminenses e de vários rios terem transbordado, especialistas brasileiros e da própria ONU classificam o evento como deslizamento de terra. Na avaliação dos estudiosos, grande parte da destruição e das mortes foi causada pelas avalanches de terra e detritos - tecnicamente chamadas de corrida de lama.


O fenômeno é raro, pois depende de uma conjunção de fatores para ocorrer. No caso da região serrana do Rio, todos eles estavam presentes. Os morros são íngremes, o que favorece os escorregamentos de terra. Além disso, é preciso um grande volume de chuva concentrado em um curto espaço de tempo. Foi o que aconteceu ali.


Segundo dados do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), as estações climáticas localizadas no núcleo da tempestade registraram 249 e 297 milímetros de chuva em 24 horas - a partir das 20 horas do dia 11. Na avaliação da presidente do Inea, Marilene Ramos, um temporal dessa intensidade tem probabilidade de acontecer a cada 350 anos.


Enterro. Por questão 'não só humanitária, mas também de saúde pública', o juiz da 2.ª Vara de Família de Teresópolis, José Ricardo Ferreira de Aguiar, determinou o enterro dos corpos de 25 vítimas das chuvas que estavam em um caminhão e trailers frigoríficos.


No Cemitério Carlinda Berlim, o principal dos cinco da cidade, foram 232 enterros desde a semana passada. Pelo Instituto Médico-Legal, até ontem já tinham passado 312 cadáveres. O juiz crê que existam 'no mínimo quatro vezes mais soterrados' do que os encontrado.

A maioria dos corpos enterrados ontem - 22 adultos e três crianças - teve a identificação levantada pela equipe de papiloscopistas do IML, da Força Nacional e do Instituto Félix Pacheco. Mas, como os corpos não foram reclamados por parentes, o enterro foi determinado pelo juiz. No caso dos corpos sepultados sem identificação, houve coleta de DNA. Assim, será possível confrontar dados dos parentes que buscarem informações.

A partir de agora, segundo decisão do juiz, os corpos não reconhecidos serão liberados após coleta de material biológico. 'Em duas horas o corpo sairá dignamente para ser sepultado.'

No caso dos desaparecidos, o Ministério Público afirma que informações registradas por parentes e amigos têm sido confrontadas com dados de hospitais e do IML. Ontem, fotos foram colocadas na frente de um centro de informações em Teresópolis. / COLABOROU MARCELO AULER.
22-01-2011

Futuro de vinícolas do planeta 'depende de novas variedades de uva'

"Uvas"


Pesquisadores pesquisaram genoma de mais de mil tipos de uvas
O futuro das vinícolas do mundo depende do desenvolvimento de novas variedades de uvas, dizem cientistas.


E segundo eles, mapas do genoma da uva poderão ser úteis nesse sentido.
Pragas que atacam as plantações são um problema constante para vinicultores, ainda assim, novas leis deverão proibir o uso de certos pesticidas.


Pesquisadores americanos mapearam o genoma de mais de mil amostras de uvas.
Em artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), os especialistas dizem que esse tipo de conhecimento abre caminho para a criação de variedades de uva resistentes a doenças.


As variedades de uva cujo vinho nós gostamos de beber - merlot, chardonnay, semillon ou riesling, por exemplo - foram, de maneira geral, desenvolvidas a partir de uma espécie, a Vitis vinifera.


Acredita-se que esta uva tenha sido 'domesticada' há cerca de cinco mil anos, em uma região próxima do que hoje é a Turquia.
Desde então, a espécie se tornou o pilar da fabricação do vinho em lugares tão distantes um do outro como Austrália, Chile, Estados Unidos e África do Sul.


A Vinifera foi manipulada para produzir centenas de variedades, pretas e brancas, mas as uvas pertenciam à mesma espécie, com poucos cruzamentos entre variedades diferentes.


'(Cruzamentos entre diferentes variedades) parecem ter sido feitos em grau extremamente limitado', disse Sean Myles, principal autor do estudo.
'Quando encontramos bons cultivos que funcionavam para nós, passamos a adotá-los e eles se tornaram alvos para patógenos (organismos causadores de doenças)', disse Myles à BBC.


Myles trabalha na Stanford University School of Medicine, na Califórnia, mas desenvolveu esse projeto na Cornell University, em Nova York.
Fungicidas


As uvas viajaram da Europa para o mundo. As pragas, por sua vez, viajaram na direção oposta.


Uma delas, o míldio da videira, por exemplo, surgiu na América do Norte.
As uvas vinifera não têm resistência natural contra essa praga. Só na Austrália, o combate a ela custa por volta de US$ 100 milhões por ano.


O dinheiro é gasto em fungicidas usados para proteger as videiras.
Nos Estados Unidos, 70% dos fungicidas usados na agricultura são borrifados nas plantações de uva.


Mas à medida que a União Europeia - que produz 70% do vinho do mundo - tenta melhorar o impacto negativo do seu setor agrícola sobre o meio ambiente, o bloco tenta reduzir também o uso dessas substâncias químicas.
Por exemplo, uma proposta da Comissão Europeia em consideração no momento restringiria o uso de pesticidas em culturas 'não essenciais' a partir de 2013.


Cientistas de várias instituições vêm tentando desenvolver novas variedades de uvas que sejam imunes a infecções, seja por meio de cruzamentos com espécies resistentes ou através da manipulação de genes que tornam as plantas suscetíveis a infecções.


Mas técnicas convencionais de cruzamento custam caro e dão muito trabalho.
As novas plantas demoram entre três e quatro anos para dar frutos.
Só então o vinho pode ser feito, provado e avaliado para que os vinicultores decidam se o produto é viável.


Mesmo quando o vinho é aprovado, não há garantia de que o consumidor vai gostar do novo produto em relação às suas variedades preferidas.
A equipe de especialistas mapeou os genomas de mais de mil amostras de uvas, associando a presença de 'marcadores' genéticos (sequências de DNA) a traços como acidez, quantidade de açúcar ou resistência a doenças.


'Se você conhece os marcadores genéticos associados a essas características, pode plantar mudas, analisar seus DNAs assim que obtiver o primeiro fragmento de folha e dizer, por exemplo: vamos manter esses cinco porque sabemos que seus perfis genéticos estão associados aos traços em que estamos interessados', disse Myles.


'Isso vai economizar uma quantidade imensa de tempo e dinheiro'.
'Você precisa ter dados de genomas de muitas plantas individuais', acrescentou. 'Por outro lado, isso está ficando cada vez mais barato, então, comparado ao método que usamos, você pode fazer a mesma coisa cem vezes mais barato'.


Embora fatores comerciais tendam a fazer da produção de vinhos uma profissão conservadora, ele disse que a mudança precisa acontecer.
'Não podemos apenas seguir usando as mesmas variedades de cultivo nos próximos mil anos'..


A boa notícia é que mais experimentação deve, em princípio, resultar em uma variedade maior de vinhos.

21-01-2011

Madeira ecológica faz sucesso na decoração de terraços e jardins – Dica de decoração com madeira alternativa


Um ótimo material para trabalhar. Não mancha, não empena e tem um aspecto rústico super especial


Tubos de creme dental, garrafas plásticas, embalagens Tetra-Pak efraldas descartáveis vem sendo usados como matéria prima para a criação da madeira sintética e a semelhança com a madeira de verdade é incrível. Há até os sulcos e desenhos próprios.

Para se chegar ao resultado, os diferentes tipos de plásticos limpos são batidos em grandes moinhos com fibras vegetais como serragem, fibra de coco, bagaço de cana, bambu, borra de café, sisal, juta, sabugo de milho, casca de arroz, raspas de couro, algodão, folhas entre outros.

A mistura passa por um processo que combina termodinâmica com alta pressão. A tecnologia foi criada na Alemanha há mais de quinze anos.

Além das características positivas da madeira natural, o material ainda oferece maior resistência, durabilidade e impermeabilidade. Pode ser manipulado para criar móveis, estruturas e objetos.

São muito usados para decks de piscina e varandas, píeres, bancos e cachepôs de jardins. É uma ótima pedida para ambientes hostis à madeira natural, como locais úmidos ou com excessiva exposição ao sol e não requer nenhum tipo de manutenção.



A arquiteta Sophia Galvão conta que passou a usar a madeira ecológica neste ano e está adorando os resultados. Ela contou que está concluindo um projeto de um terraço na Barra da Tijuca, onde usou a madeira ecológica no deck e em sua estrutura, nos revestimentos de parede e nos bancos.

“É um material ótimo para trabalhar. Fico tranquila de que não ficará manchado nem empenado. Tem um aspecto rústico bacana como o da madeira.”

Visite a galeria da Ecowood e conheça os diferentes uso da madeira plástica ecológica.

05-02-2011

Nasa acha novo sistema planetário e 54 astros 'habitáveis'

Descoberta é da sonda Kepler, única capaz de buscar planetas similares à Terra


Esta Representação artística do novo sistema solar descoberto, Kepler-11 (Nasa / Divulgação)


“Nossos netos terão que decidir o próximo passo. Será que vão até lá ou mandarão um robô?”


William Borucki, cientista-chefe da missão Kepler
“Supercalifragilisticexpialidocious”. O termo, extraído da trilha do musical Mary Poppins, da Disney, foi o único que o cientista espacial Jack Lissauer encontrou, no anúncio feito pela Nasa nesta quarta-feira, para expressar a grandiosidade da mais nova descoberta da agência espacial americana.


Lissauer se referia ao sistema planetário batizado de Kepler-11, em homenagem à sonda que o descobriu, composto por uma estrela anã e seis planetas em sua órbita. No mesmo dia, a Nasa divulgou que, além de Kepler-11, o satélite descobriu em seu primeiro ano de exploração do espaço 500 exoplanetas, dos quais, acredita, 54 são capazes de sustentar a vida.


A sonda Kepler é a primeira missão da Nasa capaz de encontrar planetas similares à Terra fora de nosso Sistema Solar. Foi lançada em março de 2009 e procura, principalmente, astros que estejam na chamada “zona habitável”, região que fica a uma distância suficiente do sol para permitir a existência de água e, portanto, vida.


O mais recente sistema solar descoberto está a 2.000 anos luz da Terra. “Ele é fabuloso”, continuou, no anúncio, o entusiasmado Lissauer. “Tem um número supreendente de planetas grandes (todos maiores que a Terra) com órbitas próximas da estrela – nós nem sabíamos que sistemas assim podiam existir”.


Kepler-11 é o sistema solar mais complexo e compacto já conhecido. Cinco dos seis planetas estão mais próximos da estrela que orbitam que Mercúrio está do Sol. O sexto está apenas um pouco mais afastado que Mercúrio.


Em busca de vida - Já os 500 exoplanetas descobertos pela sonda alimentam as esperanças de encontrar vida extraterrestre. Segundo a Nasa, 54 deles estão na zona habitável e não são nem quentes nem frios demais para abrigar vida. Cinquenta e quatro possibilidades "é um montante inconcebível", disse o cientista-chefe da missão, William Borucki. "É maravilhoso ver esse número enorme porque, até agora, não tínhamos nenhuma possibilidade."


Porém, pode levar décadas até que as suspeitas dos cientistas sejam verificadas. Estar na zona habitável não significa, necessariamente, que o planeta abrigue vida. É preciso checar outros fatores, como se o planeta tem o tamanho propício, a composição adequada e se há a presença de água e carbono.


Para verificação, serão necessárias sondas que nem sequer foram construídas. “Nossos netos terão que decidir o próximo passo.”, disse Borucki. “Será que vão até lá ou mandarão um robô?”


Sem palavras - A sonda Kepler foi lançada em março de 2009 com a missão de vasculhar 100 mil estrelas e realizar uma espécie de 'censo' espacial. Mostrou serviço desde os primeiros instantes, para deslumbre e estupefação de cientistas como Lissauer.


A propósito, a referência ao musical da Disney é calculada. 'Supercalifragilisticexpialidocious' é o neologismo com que se sai a personagem que deu o Oscar de melhor atriz a Julie Andrews ao ser cercada por jornalistas e instada a comentar sua vitória numa corrida, não espacial, mas a cavalo.


Apesar do que sugerem os muitos morfemas que o compõem, o termo é explicado pela pequena Jane, papel de Karen Dotrice, como "algo a dizer quando você não tem o que dizer".


A Nasa (agência espacial americana) anunciou a descoberta de seis pequenos planetas que orbitam ao redor de uma estrela semelhante ao Sol e cuja massa oscila entre 2,3 e 13,5 vezes a da Terra, graças aos dados do telescópio espacial Kepler.

R7.com
06-02-2011 


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

SOS Mata Atlântica premia desenhos infantis sobre o bioma


A Fundação SOS Mata Atlântica realizou no ano passado o seu 1º Concurso de Desenhos Infantis, para incentivar a consciência ambiental e a preservação da Mata Atlântica entre as crianças.

A iniciativa teve a participação de mais de duas mil crianças, de 7 a 14 anos, que enviaram seus desenhos sobre o tema “Biodiversidade da Mata Atlântica”.

Fóssil encontrado no Brasil revela 100 milhões de anos de estagnação evolutiva

Hwaja Goetz/Divulgação


"Maior parte das características do ancestral permanece igual até hoje"


SÃO PAULO - Pesquisadores descobriram um ancestral de 100 milhões de anos de um grupo de insetos carnívoros, semelhantes a grilos, que vivem hoje no sul da Ásia, na região da Indochina e no Norte da África.

China lançará com a Rússia sonda para Marte

Li Gang Xinhua / AP


Em setembro de 2008, astronautas chineses fizeram caminhada espacial durante a missão Shenzou VII

 A primeira sonda chinesa com destino a Marte será lançada em outubro, em colaboração com a Rússia, após um atraso de dois anos, noticiou neste domingo (2) a agência oficial Nova China.

Projeto tenta recuperar 'Jardim do Éden' iraquiano

Região considerada como o Jardim do Éden está em processo de recuperação


Desde a queda do ex-líder iraquiano Saddam Hussein, um grupo de especialistas vem trabalhando para restaurar uma região do Iraque que foi, no passado, o maior ecossistema úmido da Eurásia.

Os Sapais da Mesopotâmia, plenos de água e vida natural, são tidos por muitos cristãos como o berço da humanidade, o verdadeiro Jardim do Éden.