segunda-feira, 20 de junho de 2011

Eclipse total no “nascer da Lua” visto, a olho nu, em Fortaleza e no Brasil em 15/06/2011



    Por Mazé Silva
    Elo Geográfico


Desde os tempos mais remotos, o homem sempre teve um fascínio pelos mistérios do Universo e quando aparecia alguma novidade em relação a algum astro, a curiosidade era e ainda é imensa, pois esses enigmas ainda hoje são estudados e visto de forma que viesse a ser descoberto por especialistas na área como os Astrônomos e que hoje com a evolução tecnológica, já deu grandes avanços nesse campo da Astronomia.

 Esta semana que passou tivemos o prazer de ver um desses fenômenos naturais e por mais que seja conhecido pela humanidade, ainda proporciona aquela emoção como se fosse a primeira vez que estivesse presenciando aquele espetáculo fascinante.

Estou falando do Eclipse total da lua, ocorrida no dia 15/06/2011 e que levou cerca de muitos admiradores desse fenômeno e dos astros de uma forma em geral. E que só virá a ocorrer novamente no ano de 2014.

Os Eclipses, são eventos periódicos belíssimos e para os mais antigos, era motivo de grande medo e ficavam apavorados com o acontecido. Tudo isso era superstições do povo, que era entendida como um sofrimento que afetava o povo da Região, trazendo malefícios.

Então o Eclipse seria um sinal que seria maligno vindo do céu e atingindo as áreas por elas visualizadas. E esse pensamento mudou, a partir do instante que a humanidade com o seu saber científico, cultural e experimental, constatou o contrário e que o Eclipse era um excelente motivo que espera-se com ansiedade, para observar o quanto esse fenômeno natural é fascinante, propiciando momentos de prazer para os que esperavam esses momentos admiráveis.



Fenômeno

O eclipse lunar ocorre sempre durante a fase da Lua cheia pois ela precisa estar atrás da Terra, do ponto de vista de um observador no Sol. Como o plano da órbita da Lua está inclinado 5° em relação ao plano da órbita que a Terra realiza ao redor do Sol, nem todas as fases de Lua cheia levam a ocorrência do eclipse.

Relação da passagem da lua pelos seus nodos e a ocorrência de eclipses lunares e solares.
O eclipse ocorre sempre que a fase de Lua cheia coincide com a passagem da Lua pelo plano da órbita da Terra. Este ponto onde a órbita da Lua se encontra com o plano da órbita da Terra chama-se nodo orbital.

O nodo pode ser classificado como ascendente ou descendente, de acordo com a direção que a lua cruza o plano.
Ao contrário dos eclipses solares que são visíveis apenas em pequenas áreas da Terra, os eclipses lunares podem ser vistos em qualquer lugar da Terra em que seja noite no momento do eclipse.

Classificação

Os eclipses lunares podem ser classificados de acordo com a parte da Lua que é obscurecida pela sombra da Terra, e por qual parte da sombra da Terra ela está sendo obscurecida.
A sombra projetada pela Terra possui duas partes denominadas umbra e penumbra. A umbra é uma região em que não há iluminação direta do Sol e a penumbra é uma região em que apenas parte da iluminação é bloqueada.

Os eclipses penumbrais ocorrem quando a Lua entra na região de penumbra, o que na prática resulta numa variação do brilho da Lua que dificilmente é notada. Se a Lua entra inteiramente na região de penumbra ocorre o raro eclipse penumbral total que pode gerar um gradiente de luminosidade visível, estando a Lua mais escura na região que se aproxima mais da umbra.
Quando a Lua entra na região da umbra, podem ocorrer os eclipses lunares parcial e total.

O eclipse parcial ocorre quando apenas parte da Lua é obscurecida pela sombra da Terra e o total, quando toda a face visível da Lua é obscurecida pela umbra. Este obscurecimento total pode durar até 107 minutos e é mais longo quando a Lua está próxima de seu apogeu, ou seja, quando sua distância da Terra é o maior possível.

Um último tipo de eclipse lunar raro é denominado eclipse horizontal. Ele ocorre quando o Sol e a Lua, em eclipse, estão visíveis ao mesmo tempo. Este tipo de eclipse só é visível quando o eclipse lunar ocorre perto do poente ou antes do nascente.


Eclipse lunar total poderá ser visto no Brasil logo após o pôr do sol
Fenômeno será o único do tipo a ser observado no país em 2011.
Coloração do satélite deverá ser avermelhada ou alaranjada

Eclipse total no “nascer da Lua” visto, a olho nu, em Fortaleza

Não é todo dia que se vê um eclipse total da Lua. Muito menos quando ele ocorre no momento em que o satélite natural da Terra surge no horizonte. Essa combinação rara de fenômenos foi observada, nesta quarta-feira (15), na maior parte das regiões próximas ao litoral brasileiro.

O eclipse teve início às 16h22, no horário de Brasília, mas o “nascer da Lua” só ocorreu em Fortaleza às 17h22. Isso significa dizer que quando o astro começou a ser observado nos céus da cidade (e no restante do Ceará) o fenômeno já tinha atingido seu grau máximo. A duração total do eclipse foi de 3h39min, terminando, portanto, às 20h01.

Para os céus de Fortaleza, o eclipse atraiu a atenção de astrônomos e curiosos

Além de parte do Brasil e de outros países da América do Sul, foi possível avistar o eclipse, a olho nu, também em parte da África, Ásia Central, Leste da Ásia e Austrália. Em Fortaleza, o céu com pouca nebulosidade na noite desta quarta-feira facilitou a observação do fenômeno.

De acordo com Paulo Régis, membro do Clube de Astronomia de Fortaleza "um eclipse lunar ocorre quando a lua adentra a sombra que a Terra projeta no espaço. Tal evento só acontece quando há um alinhamento Lua-Terra-Sol, ou seja, quando nosso satélite natural está na fase de lua cheia".



O eclipse total do corpo celeste pôde ser observado por cerca de uma hora e quarenta no Brasil, a partir das 17h25min, dois minutos antes de o Sol se pôr. 

O fenômeno pôde ser visto em várias partes do mundo, tendo melhor visualização na Ásia, Austrália e América do Sul. Foi possível, inclusive, acompanhá-lo em tempo real por um streaming do Youtube promovido pelo Google.

Durante o eclipse, a Lua estará atrás da Terra em relação à posição do Sol. Isso significa que a sombra do planeta estará totalmente projetada (umbra) no satélite. No país, será possível observar a parte final do fenômeno, quando a Lua estiver retornando à penumbra - quando apenas partes dos raios solares é bloqueada.

Os observadores irão notar o astro no céu com uma cor laranja ou quase vermelha, que ocorre pela reflexão de raios solares na atmosfera terrestre.Comprimentos de onda maiores como o vermelho acabam sendo "jogados" contra a superfície da Lua.


O resultado chega aos olhos dos observadores como se a Lua estivesse pintada com a cor laranja. O mesmo fenômeno acontece quando o sol se dirige ao horizonte, com um pôr do sol de cores parecidas.

O Eclipse de quinta-feira, levou muitas pessoas a irem ao Planetário no Centro Cultural Dragão do Mar, para apreciar o espetáculo. E teve quem achasse que a visão à olho nu estava bem melhor do que ao telescípio do Observatório. 


Colaboração:


-Jornal Diário do Nordeste
-Site G1

Eclipse total da lua




Tipos de eclipse


8 comentários:

Bottary disse...

Ola! Minha querida e ilustre Amiga Mazé!

Muito, mas muito bacana mesmo esta sua postagem acerca do belo e impressionante eclipse total da Lua.

Foi bom enquanto durou a fantasia de que lá estaria São Jorge em seu cavalo e que ela era apenas dos namorados.

Aquele que avança na Lua pensando que é queijo, terá uma surpresa, pois que, ela não é queijo, não, mas sim o grandioso satélite da Terra que a circula e participa do seu grandioso equilíbrio orbitral.

Gostei por demais de ler a respeito.

O Universo me fascina!

Um grandioso e deslumbrante eclíptico abraço !

Mazé Silva disse...

Meu querido amigo e colaborador Bottary!!!

Quando eu fui postar eu lembrei logo de ti, pois eu sei o quanto gostas de tudo que refere-se ao cosmos, ao espaço, ao Universo em si.

Nele sempre existiu os enígmas difícil de desvendar até mesmo pelos especialistas.

Eu também, assim com você sou apaixonada por esta ciência que nos encanta e queremos sempre saber mais um pouco sobre a Astronomia.

Enquanto nós quando crianças, acreditávamos em São Jorge na lua, os mais velhos que a gente ou os nossos antepassados temiam quando acontecia um fenômeno natural dessa magnitude.

Amigo Bottary, muito obrigada por teres vindo aqui no Elo e fazer um comentário belíssimo, que deixou-me feliz e emocionada!!!!

Você é mesmo meu amigo querido e nunca vou esquecer disso, pois a compreensão, o entendimento, à cooperação e a fraternidade eu sei que faz parte do seu ser grandioso que muito admiro e estimo.

Sim gostei da foto do vovô com o netinho que já está um rapazinho!

Um beijo grande e carinhoso para vocês dois e os outros da família.

Da amiga de sempre!!!!!

Mazé Silva

Adailton Moura disse...

Adorei a postagem, realmente rica em informação e imagem, parabéns, Dra. Maze Silva

Eneide disse...

Querida mana,quando vi o eclipse lembrei logo; Mazé vai colocar no blog. Eu também sou apaixonada pelos astros. Em relação a lua lembro muito quando brincávamos em frente a nossa casa no interior com a iluminação da lua. Quando se refere a eclipse eu faço tudo paraver quando é possível é claro!
Parabénspela postagem.
Abraço carinhos da mana.

Anônimo disse...

Oi Mazé! Ficou muito legal esse artigo do eclipse total da lua! Já vi de tantas formas, mas sempre quero ver mais e esse foi realmanete muito bom! Sou facinada por tudo que vejo no céu: lua, estrelas,planetas, sol, estrelas cadentes. Hoje vi uma, que até tive medo! Estava na minha varanda, rezando meu terço, de repente, aquele raio de luz azulada cortando o céu, vinda no sentido oeste a leste, muito rápido, mas deu tempo de pedir uma graça. Depois lembrei de você. Como seria bom se pudéssemos fotografar, amanhã estaria no blog da Mazé! Rsrsr! Mas foi impressionante pela azul da luz! Lindo! Um grande abraço, Mazé! Zélia Taveira

Mazé Silva disse...

Olá meu amigo Adailton!

Desculpa a demora em responder os comentários de vocês, pois estou vindo pouco ao Blog, mas vou tentar dar um jeito de ser mais assídua.

Obrigada pelo seu comentário e por ter gostado da matéria. Espero que volte brevemente!

Beijos da amiga de sempre!

Mazé Silva!

Mazé Silva disse...

Oh, minha irmãzinha querida!

Desculpe também a minha demora em responder o seu comentário e que ajudou-me a lembrar os momentos que falastes, quando brincávamos ao claro da lua no interior sem energia.

Na brincadeira de bandeirante, eu era a mais rápida, ninguém me pegava! Rsrsrsrs.

Esse gostar dos astros acho que todos nós, dos doze irmãos, gostamos, e para ficar melhor, papai cantava e tocava sempre a canção da "Lua brilhou no azul do céu", para castigar os namorados, que gostam de amar na escuridão.....!!!! Até classificou-se num festival em Limoeiro. A filha canta bem tem a quem herdar, não é Eneide? rsrtsrsrs. Convencida não, hem? kkk.

Valeu minha irmã por ter vindo aqui e deixado esse comentário maravilhoso.

Um grande beijo!!!

Mazé Silva

Mazé Silva disse...

Olá minha amiga Zélia!

Fiquei tão contente com o seu comentário, falando que gosta de tudo que refere-se ao Universo!

Como gostas da área de Astronomia uma ciência que faz parte da Geografia e estuda tudo referente ao Universo, daria pra ser uma excelente colaboradora. rsrsrsrs

Compre uma câmera potente que dá para fotografar tudo que aparecer nesse espaço infinito, inclusive as estrelas cadentes que dissestes que viu da tua varanda.rsrsrsrs.

Até já tinha pensado de fazer uma matéria sobre as Estrelas Cadentes que são corpos luminosos que riscam
o céu produzindo cores lindíssimas ao entrar na atmosfera terrestre, que são os chamados, ""METEOROS"".

Depois aprofundo-me sobre esse assunto, viu Zélia!

Apareça sempre por aqui, pois eu gosto dos seus comentários e de sua presença aqui no Elo.

Beijos da amiga!!!

Mazé Silva