quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A arte de reinventar a vida

A arte de reinventar a vida




   Mazé Silva
Elo Geográfico


Olá amigos e frequentadores do Blog Elo Geográfico!

Passado muitos dias sem poder compartilhar com vocês, um pouco do muito que temos pra ofertar, quanto a nossa proposta prevista dentro do domínio dessa ciência abrangente que é a Geografia e que muitas vezes, muitos não tomam conhecimento de sua importância dentro dos parâmetros contextuais em que a mesma abrange, dando significância a uma diversificação de conteúdos que poderemos ministrar e correspondem às etiquetas abordadas aqui nesse site e que todas são relevantes conforme o momento propício de sua abordagem!

Após a postagem que deixei aqui sobre o Advento e que percebi, serviu muito para que vários frequentadores, pudessem ter melhores conhecimentos do Tema e outros enriquecerem o seu aprendizado da temática aqui abordada e valorizando a sua importância para os momentos em que a maioria dos Cristãos estavam preparando-se para a chegada daquele que veio ao mundo para nos salvar.

Hoje, deparei-me com este assunto, que merece toda nossa atenção, reflexão e analisarmos um pouco, mas com profundidade, sobre cada atributo questionado por pensadores, cientistas e sábios que uma grande maioria da humanidade não consiga viver a essência dos valores evidenciados pela humanidade, por não terem a coragem de quebrar as barreiras em que muitos vivem apenas por viver sem conseguir alcançar o verdadeiro sentido daquilo que almejamos em sua plenitude.

Mazé Silva 

Considerações gerais sobre o tema abordado.

---------------------------------------------------------------------------------------------

Finda o ano, inicia-se o novo. No íntimo, o propósito de “daqui pra frente, tudo vai ser diferente”… Começar de novo. Será? Haveremos de escapar do vaticínio do verso de Fernando Pessoa, “fui o que não sou”?

Atribui-se a Gandhi esta lista dos Sete Pecados Sociais: 1) Prazeres sem escrúpulos; 2) Riqueza sem trabalho; 3) Comércio sem moral; 4) Conhecimento sem sabedoria; 5) Ciência sem humanismo; 6) Política sem idealismo; 7) Religião sem amor.

E agora, José? No mundo em que vivemos, quanta esbórnia, corrupção, nepotismo, ciência e tecnologia para fins bélicos, práticas religiosas fundamentalistas, arrogantes e extorsivas!

Os ícones atuais, que pautam o comportamento coletivo, quase nada têm do altruísmo dos mestres espirituais, dos revolucionários sociais, do humanismo de cientistas como os dois Albert, o Einstein e o Schweitzer. Hoje, predominam as celebridades do cinema e da TV, as cantoras exóticas, os desportistas biliardários, a sugerir que a felicidade resulta de fama, riqueza e beleza.

Impossibilitada de sair de si, de quebrar seu egocentrismo (por falta de paradigmas), uma parcela da juventude se afunda nas drogas, na busca virtual de um “esplendor” que a realidade não lhe oferece. São crianças e jovens deseducados para a solidariedade, a compaixão, o respeito aos mais pobres. Uma geração desprovida de utopia e sonhos libertários.

A australiana Bronnie Ware trabalhou com doentes terminais. A partir do que viu e ouviu, elencou os cinco principais arrependimentos de pessoas moribundas:

1) Gostaria de ter tido a coragem de viver uma vida verdadeira para mim, e não a que os outros esperavam de mim.

No entardecer da vida, podemos olhar para trás e verificar quantos sonhos não se transformaram em realidade! Porque não tivemos coragem de romper amarras, quebrar algemas, nos impor disciplina, abraçar o que nos faz feliz, e não o que melhora a nossa foto aos olhos alheios. Trocamos a felicidade da pessoa pelo prestígio da função. E muitos se dão conta de que, na vida, tomaram a estrada errada quando ela finda. Já não há mais tempo para abraçar alternativas.

2) Gostaria de não ter trabalhado tanto.

Eis o arrependimento de não ter dedicado mais tempo à família, aos filhos, aos amigos. Tempo para lazer, meditar, praticar esportes. A vida, tão breve, foi consumida no afã de ganhar dinheiro, e não de imprimir a ela melhor qualidade. E nesse mundo de equipamentos que nos deixam conectados dia e noite somos permanentemente sugados; fazemos reuniões pelo celular até quando dirigimos carro; lidamos com o computador como se ele fosse um ímã eletrônico do qual é impossível se afastar.

3) Gostaria de ter tido a oportunidade de expressar meus sentimentos.

Quantas vezes falamos mal da vida alheia e calamos elogios! Adiamos para amanhã, depois de amanhã… o momento de manifestar o nosso carinho àquela pessoa, reunir os amigos para celebrar a amizade, pedir perdão a quem ofendemos e reparar injustiças. Adoecemos macerados por ressentimentos, amarguras, desejo de vingança. E para ficar bem com os outros, deixamos de expressar o que realmente sentimos e pensamos. Aos poucos, o cupim do desencanto nos corrói por dentro.

4) Gostaria de ter tido mais contato com meus amigos.

Amizades são raras. No entanto, nem sempre sabemos cultivá-las. Preferimos a companhia de quem nos dá prestígio ou facilita o nosso alpinismo social. Desdenhamos os verdadeiros amigos, muitos de condição inferior à nossa. Em fase terminal, quando mais se precisa de afeto, a quem chamar? Quem nos visita no hospital, além dos que se ligam a nós por laços de sangue e, muitas vezes, o fazem por obrigação, não por afeição? Na cultura neoliberal, moribundos são descartáveis e a morte é fracasso. E não se busca a companhia de fracassados…

5) Gostaria de ter tido a coragem de me dar o direito de ser feliz.

Ser feliz é uma questão de escolha. Mas, vamos adiando nossas escolhas, como se fôssemos viver 300 ou 500 anos… Ou esperamos que alguém ou uma determinada ocupação ou promoção nos faça feliz. Como se a nossa felicidade estivesse sempre no futuro, e não aqui e agora, ao nosso alcance, desde que ousemos virar a página de nossa existência e abraçar algo muito simples: fazer o que gostamos e gostar do que fazemos.


* Frei Betto é escritor, autor de “A arte de semear estrelas” (Rocco), entre outros livros.


http://envolverde.com.br
11/01/2012

3 comentários:

Ju disse...

Mazézita,

Que texto bonito, gostei das considerações finais, principalmente sobre os amigos, sobre vivermos a vida para nós mesmos!

A vida é isso: TEMOS DE VIVÊ-LA e não ficar chorando nos cantos!

O meu tempo é escasso, pois estou entrnado em exames daqui a 10 dias, dia 31 estou embarcando para o Brasil e tenho mtas coisas pra fazer mas irei visitar o teu blog sempre que puder, tá?

Beijo grande desta sua amiga lisboeta!

Ju

C. Marley disse...

Nobre colega Mazé,

Excelente texto. Estes princípios são os caminhos para a felicidade.

Um grande abraço,

Bottary disse...

Nossa! Até que enfim, vc veio nos dar este brilho de matéria!

"Ser feliz é uma questão de escolha."

Taí uma frase sobremaneira profunda em ensinamentos, na medida em que podemos, relativamente falando, usar do nosso livre-arbítrio, para seguirmos este ou aquele caminho no tocante ao comportamento social.

Muitos já o usam inteligentemente, resultando com isso em suas caminhadas-vividas, um modo de viver a vida sem muitos sofrimentos, o que lhes espõe satisfações que os fazem exemplos de como viver a vida de verdade.

Outros, já não o conseguem e nem querem conseguir, e, com isso, sofrem ou sofrerão na pele o retorno do mal que pensam que fazem ao outro.

Como o mal é necessário ao aprendizado do homem, acabam aprendendo por livre e expontânea pressão, o caminho certo da vida. O AMOR AO PRÓXIMO EM SUA VERDADEIRA EXCÊNCIA, ou seja, respeitar o direito do outro, onde conscientemente acaba o seu.

Não existe uma regra, mas existe sim o conteúdo da frase-título em toda sua plenitude: A arte de reinventar a vida.

Abraços do amigo, Bottary